Câmara aprova processo de impeachment 160

Decisão final é do Senado

A Câmara dos Deputados aprovou, em sessão extraordinária, a admissibilidade do processo de impedimento contra a presidente Dilma Rousseff. Ela é acusada por crime de responsabilidade ao realizar empréstimos de bancos estatais sem autorização do Congresso. A prática, conhecida como pedalada fiscal, impactou em 1% do PIB, ante 0,03% em 2002, quando Fernando Henrique Cardoso deixava a presidência. Dilma já argumentou que a diferença de valores está relacionada à expansão da economia brasileira e do Orçamento da União desde a década passada.

Mais de dois terços dos deputados federais decidiram encaminhar o impeachment ao Senado, em uma votação menos expressiva do que a que foi realizada em 1992, quando o então presidente Fernando Collor foi destituído da Presidência de República. Foram ao todo 367 favoráveis ao prosseguimento, ante 137 contrários, 7 abstenções e 2 ausências.


A imprensa internacional repercutiu principalmente o cenário circense, que marcou toda a votação. O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) chegou ao ápice de cuspir em Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Wyllys acusa Bolsonaro de homofobia durante troca de ofensas entre ambos os parlamentares.

Os corretores de seguros também foram destaque durante a sessão. O deputado Lucas Vergílio (SD-GO) enalteceu a categoria que possui quase 100 mil profissionais atuando em todo o país. “Cumpri meu dever com meu povo goiano, com os brasileiros e as gerações futuras”, justificou.

“Dilma não se curvará e lutará até o fim”, diz José Eduardo Cardozo

Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Para José Eduardo Cardozo, advogado-geral da União, a decisão foi puramente política e não possui embasamento judicial para caracterizar um crime de responsabilidade que justifique o impedimento de Dilma. Ela deverá se pronunciar oficialmente nesta segunda-feira, quando o governo recorrerá ao Supremo Tribunal Federal para verificar se há justa causa, ou seja, se as questões orçamentárias tratadas na denúncia podem configurar crime.

Consultoria diz que derrota de Dilma é iminente

Assim que o vice-presidente Michel Temer assumir a Presidência da República, haverá um pequeno período de “lua-de-mel” no Brasil. No entanto, esse cenário não irá durar por muito tempo. A opinião é de Ian Bremmer, presidente e fundador da consultoria de risco político Eurasia. “Os problemas estruturais da economia brasileira permanecem em seu lugar, e uma mudança na liderança política não muda isso”, diz. Para ele, vitória do impeachment é evidente. “Na chance improvável de Dilma sobreviver à votação, ela tentará fazer um pacto de unidade nacional com os partidos centristas, que não vai funcionar”, afirma ao portal O Financista.

Novas eleições

Cresce no Partido dos Trabalhadores, o PT, o movimento que apoia a redução do mandato de Dilma Rousseff para que novas eleições sejam realizadas. “O Temer não possui legitimidade. Ele se aproveitou de manifestações populares para assaltar o poder”, comentou Lindberg Farias, do PT-RJ.

E agora?

Divulgação
Divulgação

O processo aprovado na Câmara passa agora para o Senado, que dará o veredito final. Uma comissão especial será formada e os senadores devem decidir sobre a admissibilidade das denúncias, para que aí sim, Michel Temer assuma a Presidência da República de forma interina. Dilma pode ser investigada por até 180 dias, prazo que pode ser usado pela defesa da presidente para provar que as pedaladas fiscais não configuram crime de responsabilidade.

“Esta aventura ainda poderá ser detida pelo Senado Federal, onde será travada a próxima e decisiva batalha em favor do resultado eleitoral de 2014”, diz nota oficial do PT

O presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão, divulgou nota sobre a aprovação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. “As forças mais reacionárias do país venceram a primeira batalha para a deposição da presidenta Dilma Rousseff, ao aprovarem — sob o comando do réu Eduardo Cunha e as promessas do vice conspirador — a admissibilidade do processo de impedimento na Câmara dos Deputados”, contou.

Leia a nota, na íntegra:

Hoje a infâmia e o golpismo feriram a democracia, rasgando a Constituição

As forças mais reacionárias do país venceram a primeira batalha para a deposição da presidenta Dilma Rousseff, ao aprovarem — sob o comando do réu Eduardo Cunha e as promessas do vice conspirador — a admissibilidade do processo de impedimento na Câmara dos Deputados.

Os golpistas violentam a soberania das urnas para impor seu programa de restauração conservadora, com ataques aos direitos dos trabalhadores, cortes nos programas sociais, privatização da Petrobrás, arrocho dos salários, repressão aos movimentos sociais e entrega das riquezas nacionais.

Ao romperem com a regra constitucional, as velhas oligarquias conspiram para tomar o poder de assalto e forjar um governo ilegítimo, marcado pelo arbítrio.

Esta aventura ainda poderá ser detida pelo Senado Federal, onde será travada a próxima e decisiva batalha em favor do resultado eleitoral de 2014.

O Partido dos Trabalhadores conclama todos os homens e mulheres comprometidos com a democracia para que se mantenham mobilizados, ocupando as ruas contra a fraude do impeachment.

Nossa missão é defender a Constituição contra a aliança dos barões da corrupção, da mídia e da plutocracia, que tenta sequestrá-la.

A mobilização popular e democrática — cuja continuidade apoiamos e reforçaremos — é a única resposta possível diante do golpe que se trama nas sombras do Estado e nos esconderijos das elites endinheiradas.

Não permitiremos que a democracia, conquistada pela luta e a vida de tantos patriotas, seja destruída pelo ódio dos que sempre combateram o protagonismo e a emancipação do povo brasileiro.

Rui Falcão
Presidente Nacional do PT

*Com informações de Estadão, Folha de São Paulo, O Financista e Agência PT Notícias.

Chubb Brasil nomeia novo Vice Presidente de P&C 1021

Chubb

Companhia foca em serviços superiores aos clientes

Leandro Martinez é o novo vice-presidente de Subscrição de P&C da Chubb Brasil
Leandro Martinez é o novo vice-presidente de Subscrição de P&C da Chubb Brasil

A partir de julho, Leandro Martinez assume a Vice-Presidência de Subscrição de P&C da Chubb Brasil, reportando-se diretamente ao Presidente Executivo da Chubb Brasil, Antonio Trindade e funcionalmente a Pablo Korze, Vice Presidente Sênior de P&C Commercial.

Leandro será responsável pelo P&L de Global, Middle Market/SME e Resseguros. O executivo está na companhia desde janeiro de 2011, e em agosto de 2014, passou a desempenhar o papel de Vice Presidente Regional de Linhas Financeiras, onde contribuiu com desenvolvimento das carteiras de D&O, PI, FI e Cyber na América Latina.

Leandro é advogado, pós-graduado em Direito Civil e de Empresas, com MBA pela FGV e extensões em mercado de capitais pela Escola Superior de Advocacia da OAB de São Paulo.

Toda mudança realizada na Chubb tem como objetivo garantir uma subscrição e execução superiores, bem como a entrega de um serviço superior para os seus clientes.

Dicas para investir e ir às Olimpíadas no Japão, em 2020 1645

Tokyo

Quem não foi à Rússia, pode aportar em fundos cambiais para realizar sonho de fazer parte da torcida brasileira

Quem gosta de grandes eventos esportivos, mas não conseguiu ir para a Rússia, pode se preparar para as Olimpíadas do Japão, em 2020. De acordo com a Mapfre Investimentos, existem boas alternativas para fazer o dinheiro render e fazer parte da torcida brasileira do outro lado do mundo.

Antes de realizar uma aplicação, é necessário definir o montante necessário para o passeio, considerando o valor em moeda estrangeria – já que a viagem é para o exterior– e o tempo disponível até o embarque, neste caso, dois anos. “O fundo deve ter pouco risco para não comprometer o volume de dinheiro essencial para viajar. A recomendação é seguir o planejamento de investir parte em fundo cambial e parte em fundos de renda fixa”, explica Carlos Eduardo Eichhorn, diretor de gestão de recursos da Mapfre Investimentos.

“Os fundos cambiais são uma opção segura e rentável, porque garantem o poder de compra em dólares e liquidez para a data estimada da viagem. Além disso, também não há a cobrança do spread exigido pelas casas de câmbio”, completa.

Já os fundos de renda fixa são os mais populares entre os brasileiros. São veículos de investimento com menos risco e que podem ser compostos por títulos públicos e de crédito, com o objetivo de rentabilidade associado ao Certificado de Depósito Interbancário (CDI).

Sustentare alcança marca de 100 Unidades de Negócios 1655

Empresa expandiu também em Santa Catarina

Marcos Stock Trevisan é CEO da Sustentare Seguros
Marcos Stock Trevisan é CEO da Sustentare Seguros.

A Sustentare Seguros atingiu a marca de 100 Unidades de Negócios no fechamento do primeiro semestre do ano. Os escritórios estão concentrados no Rio Grande do Sul e Santa Catarina. “Batalhamos bastante para chegar a esta marca porque entendemos que ainda há muito potencial para crescer. Estas Unidades estão somando forças junto conosco e nos ajudando a cada vez mais entregar um serviço de qualidade”, destaca o CEO da Sustentare Seguros, Marcos Stock Trevisan.

Alcançar este número foi possível graças à meta traçada pela empresa no final do ano passado, com uma operação de expansão planejada no estado vizinho, que hoje já conta com vinte corretores. “Tudo isso aconteceu depois termos ficado 2016 sem colocar nenhum parceiro, modificando nosso regime fiscal e contratos. Já em 2017 houve um aumento considerável do número de Unidades e agora em 2018 foi momento de colocar cada vez mais parceiros, com frentes de expansão nos dois estados da região Sul”, comenta.

AIG conclui a aquisição da Validus 960

Aquisição

Transação foi anunciada em janeiro

A AIG anunciou na quarta-feira a finalização do processo de aquisição da Validus Holdings Ltd. (“Validus”), após aprovações regulatórias e dos acionistas da Validus. A transação foi anunciada pela primeira vez em 22 de janeiro de 2018.

Como parte da AIG, a Validus acrescenta franquias atraentes e diversificadas ao portfólio da companhia, incluindo a Validus Re, plataforma líder de resseguro; AlphaCat, gestor de ativos de títulos ligados a seguros; Talbot, consórcio do banco Lloyd; Western World, especialista nos Estados Unidos em riscos comerciais para pequenas e médias empresas; e Serviços de Riscos Agrícolas, que fornecem acesso ao mercado norte-americano de seguros agrícolas.

“Estamos muito felizes em receber a Validus. A experiente equipe e seus negócios complementares nos ajudarão a gerar um crescimento sustentável e lucrativo, à medida que continuamos a gerar valor aos nossos acionistas”, disse Brian Duperreault, CEO e Presidente da AIG.

De acordo com Peter Zaffino, CEO da área de Seguros Gerais da AIG, “o trabalho com o time da Validus deve expandir as capacidades e valores entregues aos clientes e corretores parceiros. Os negócios da Validus serão imediatamente acrescentados à atuação de Seguros Gerais da AIG, já que eles já fazem parte da AIG oficialmente.”