Giro: Área de seguros é próximo alvo do capital chinês 239

Os destaques desta segunda-feira, 25 de abril

Área de seguros é próximo alvo do capital chinês

Getty Images
Getty Images

Empresas chinesas anunciaram, desde o início de 2015, nove operações de fusão e aquisição de seguradoras estrangeiras, colocando o setor como o “próximo alvo do capital chinês”, noticia hoje a imprensa estatal. No conjunto, os negócios ultrapassam os US$ 8,4 milhões, um acréscimo de 280%, face a 2014, segundo dados da consultora Dealogic, citados pelo jornal oficial China Daily.

“A tendência evidencia a ambição de conglomerados chineses ricos, como a seguradora Anbang e o grupo Fosun International, em construir um império de investimentos focado no setor dos seguros”, destaca o artigo.

Ambos os grupos quiseram comprar o Novo Banco, numa corrida em que participou também o fundo de investimento norte-americano Apolo, mas nenhum conseguiu chegar a acordo com o Banco de Portugal. Em 2014, o Fosun adquiriu o Fidelidade, que detém cerca de 30% do mercado segurador português, num negócio que o China Daily aponta como um dos mais “proeminentes” do grupo. Entretanto, passou a controlar também o grupo Luz Saúde (anteriormente do Grupo Espírito Santo), dono de 18 unidades hospitalares em Portugal.

Este fluxo de investimentos surge numa altura em que as seguradoras europeias “se deparam com exigências regulatórias mais rigorosas e taxas de juro baixas, que reduziram os retornos dos seus investimentos”, conclui o China Daily, que cita diferentes analistas.

Os setores da energia e dos recursos naturais eram até há poucos anos os destinos quase exclusivos do investimento chinês além-fronteiras. As áreas dos serviços e da tecnologia têm, no entanto, assumido maior preponderância, refletindo a transição da economia chinesa para um modelo mais eficiente e assente no consumo.

Alexandre Boccia será consultor de negócios exclusivo da AXA

Reprodução
Reprodução

A AXA no Brasil anuncia a chegada de Alexandre Boccia. Com anos de experiência em grupos seguradores, ocupando posições de liderança, como CEO de Vida, Previdência e Capitalização na Zurich Insurance Group, CEO do Group BNP Paribas Cardif para Espanha e Portugal e antes no Brasil, Vice-presidente da ACE Latin America, Boccia atuará como consultor de negócios exclusivo da AXA. Boccia terá como principal foco de atuação a área de Affinity e Vida. Para o desafio, Boccia constituiu a consultoria AB Partners, que será responsável pela prospecção e condução dos negócios para a AXA.

Sindicato pede que MPT investigue McDonald’s por fraude na concessão de planos de saúde

Reuters
Reuters

O Sinthoresp (Sindicato dos Empregados em Hospedagem e Gastronomia de São Paulo e Região) pediu ao MPT que investigue as irregularidades cometidas pela Arcos Dourados, franqueadora do McDonald’s, na concessão dos planos de saúde e odontológico. Segundo denúncia do sindicato, o McDonald’s promete os benefícios nos anúncios de suas vagas de emprego, mas só libera a utilização pelos trabalhadores após seis meses da contratação.

Além disso, o McDonald’s paga o menor piso salarial – destinado às empresas que concedem o plano de saúde gratuito -, porém desconta mensalmente os valores do benefício de seus empregados.

Prazo para entrega do IR esta semana

Reprodução
Reprodução

O prazo de entrega da declaração de Imposto de Renda 2016 (ano-base 2015) termina às 23h59min59seg desta sexta-feira, 29 de abril. Portanto, resta apenas alguns dias para quem pretende declarar dentro da data limite. Se a declaração for enviada à 0h de 30 de abril, já é considerado atraso, e o contribuinte terá de pagar multa de 1% do imposto devido ao mês. O valor mínimo é de R$ 165,74, e o máximo é de 20% do imposto devido.

Se deixar para a última hora, há risco de a página da Receita congestionar e não conseguir entregar o documento. Também pode faltar algum documento e não haver tempo suficiente para conseguir obter uma nova via. Organize-se e reúna todos os documentos necessários.

Senado elege comissão do impeachment hoje

Agência Senado
Agência Senado

O plenário do Senado elege, a partir das 14h de hoje, os 21 membros titulares e 21 suplentes da comissão especial que analisará as acusações contra a presidente Dilma Rousseff no processo de impeachment. Segundo levantamento realizado pelo Estadão já existem votos suficientes para admissão do processo que julgará a presidente. Caso isso ocorra, ela fica afastada por 180 dias e o vice-presidente Michel Temer assume a Presidência da República.

EXTRA: MetLife anuncia novo diretor comercial para o interior de São Paulo

Divulgação
Divulgação

A MetLife, líder global em soluções para vida, previdência e planos odontológicos, ganha mais um reforço com a chegada de Jaime Neto como novo diretor comercial da companhia para o interior de São Paulo. O executivo será responsável pelo desenvolvimento das estratégias de vendas para o canal de corretores na região.

Com sólida experiência na área comercial de seguros e benefícios, Jaime atuou como diretor comercial na ACE desenvolvendo a estratégia para clientes corporativos. Anteriormente, atuou no Itaú como gerente regional a frente da equipe comercial com foco na regiões de Minas Gerais e Centro-oeste. Jaime Neto é formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas) em Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações, possui MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas.

*Com informações de Notícias ao Minuto, MSL Group, JusBrasil, UOL Economia, G1 e Grupo Máquina.

Startup conecta o mercado de seguros e fatura R$ 1,8 milhão 743

Destaque no PEGN, Segfy quer ser o Airbnb desse mercado

Leonardo Mack é CEO da Segfy
Leonardo Mack é CEO da Segfy

“Assim como a Airbnb é a maior rede hoteleira sem ter nenhum hotel, nós queremos ser a maior empresa de agenciamento de seguros sem ter nenhum corretor contratado por nós”, afirma o CEO, Leonardo Mack, ao Pequenas Empresas, Grandes Negócios. Desde que assumiu os negócios antes liderados pelo seu pai, em 2014, Mack vem promovendo grandes transformações.

Mudou o nome (que antes era Villa IT) e ampliou os serviços oferecidos pela plataforma, que passou de um gerenciador para corretores de seguros a um pacote mais completo de gestão. O faturamento começou a crescer 40% ao ano e faturou R$ 1,8 milhão em 2017.

São mais de 700 corretores de seguros, pagando um tíquete médio de R$ 252 para usar as ferramentas da plataforma, e 455 mil usuários impactados.

Agora a Segfy se prepara para dar um passo ainda mais ambicioso. “Estamos concluindo a fusão com as empresas de tecnologia Cotak e Leosoft Multicálculo com o objetivo de construir o maior ecossistema de empresas de tech no setor”, anuncia Mack.

Com a estratégia, o faturamento deve alcançar os R$ 8 milhões, com mais de 5 mil assinantes. “O corretor de seguro é uma figura muito importante, mas é solitário. Nós costumamos dizer que esse mercado é um exército enorme sem comandante. Nós entramos para assumir o comando”, afirma Mack.

Digite “seguro para automóvel” no Google e é bem possível que você seja direcionado para uma das páginas da Segfy, startup de Curitiba (PR) que oferece automação e inteligência para conectar corretores de seguro, seguradoras e segurados.

Ainda não é o fim do corretor de seguros 744

Corretor de Seguros

Como o principal canal de distribuição de seguros vai sobreviver aos avanços tecnológicos?

Essa é uma pergunta que vem tirando o sono dos corretores de seguros que observam a chegada das insurtechs com desconfiança.

Desde a criação da primeira empresa seguradora no Brasil em 1808, o mercado segurador brasileiro, passou por diversas transformações e a figura do corretor sempre foi fundamental no entendimento das necessidades dos clientes, proporcionando ao segurado as melhores opções do mercado de acordo com o seu perfil, ajudando as seguradoras no combate às fraudes e trazendo informações relevantes para lançamento de novos produtos pelas companhias.

Com a evolução da tecnologia, vieram os grandes desafios do setor como a mudança nos hábitos digitais dos consumidores, Big Data e machine learning, realizando tarefas automáticas como cálculos de prêmio e cotações, avaliação sofisticada da base de dados de referência e perfil dos segurados, dispensando tecnicamente em muitos casos a figura do corretor.

A tecnologia segundo muitos especialistas, também será responsável pela queda substancial do volume de prêmios em alguns segmentos como o seguro tradicional de automóveis que de acordo com o relatório AON de 2017, deve registrar queda em mais de 40% no volume de prêmios entre 2015 e 2050, quando veículos autônomos deverão estar totalmente desenvolvidos nos principais mercados.

Diante desta ruptura na maneira de se relacionar com o consumidor, precificar o risco e distribuir o seguro, o corretor deverá buscar cada vez mais capacitação e se reinventar como consultor especializado, agregando cada vez mais valor ao processo, decifrando como Cloud Computing, Big Data, realidade aumentada, inteligência artificial, aplicativos e internet das coisas, podem ser grandes aliados no seu papel de comercializar seguros com mais eficiência, qualidade no relacionamento e transparência junto ao segurado.

Sobreviverão aqueles que entenderem que a tecnologia não é inimiga e que a revolução digital que já começou a impactar o setor, deverá ser compreendida e adaptada no cotidiano do novo corretor de seguros que continuará a ser peça estratégica na nova engrenagem da indústria de seguros.

*Rodrigo Afonso Ferreira é sócio-diretor da corretora Infinity Finanças e membro MDRT.

Atlas Life visa ser corretora especialista Icatu Seguros 2451

Empresa de corretagem mais que dobrou produção com a seguradora no primeiro trimestre de 2018

Com um crescimento superior a 100% na produção com a Icatu Seguros no primeiro semestre do ano, a Atlas Life Corretora de Seguros almeja o título de corretora especialista concedido pela seguradora. “A Atlas nasceu em 2009 e soma toda a experiência de seus sócios-fundadores, que estão há mais de 15 anos no mercado de seguros. Somamos forças para uma maior produção visando qualidade em nossos negócios”, destacou Alcibíades de Lima, sócio-proprietário da corretora de seguros. A corretora de Santa Maria, na região central do Rio Grande do Sul, ainda deu um passo importante para este objetivo: alcançou a premiação máxima dentro da campanha “Bateu, Levou” para vendas realizadas dos nossos produtos individuais (Vida e Previdência), no período de 01/01/18 até 31/03/18.

São dois anos e meio de parceria da empresa com a Icatu Seguros. “Mais do que atingir as metas, a Atlas vem em busca dos mesmos objetivos da companhia. Entendemos que o corretor de seguros tem um papel fundamental na distribuição de produtos. Com a Atlas estamos ratificando essa importância, com foco na venda consultiva, que visa atender a necessidade e oferecer as melhores soluções em relação ao planejamento do cliente para o futuro”, destaca Josiana Schneider, superintendente de mercado Região Sul da Icatu Seguros.

“A Icatu foi uma grata surpresa. Estávamos carentes no nicho de previdência privada, pois o nicho alavanca a venda de seguros de vida. Esse também é nosso objetivo”, ressalta Lima. “Agora é consolidar nosso trabalho de maneira estruturada para atingirmos esse objetivo”, completa Fábio Moraes, consultor de negócios da Atlas Life Corretora de Seguros.

“A colaboração de toda equipe foi crucial para o atingimento da meta. Assim vai o agradecimento à dedicação dos colegas Ivaldo, Jerusa e Tiago, nas vendas, e da administração formada pelas competentes Marina e Lisiane”, destaca nota da Atlas Life Corretora de Seguros. “Mais do que o prêmio, a Atlas Life tem a satisfação de se consolidar como uma corretora detentora da “expertise” em seguros de vida e investimentos em previdência privada no interior do Estado, seguindo firme na missão de proporcionar aos seus mais de 3 mil clientes a garantia de um futuro tranquilo e aos beneficiários a certeza do amparo pecuniário no momento mais difícil”, finaliza.

Corretores precisam estar atentos às mudanças nos planos de saúde 2041

Médicos

ISB Brasil orienta os profissionais a acompanharem as movimentações do mercado

O mercado de planos de saúde está em constante transformação. Em menos de um mês, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinou duas importantes modificações: a suspensão da venda de 31 planos de saúde de 12 operadoras, e reativação de 33 planos de 16 operadoras; e as novas regras para a aplicação da coparticipação e franquia em planos de saúde, que entrarão em vigor em 180 dias.

Na avaliação do diretor de Saúde e Dental do Instituto Superior de Seguros e Benefícios Brasil (ISB Brasil), Carlos André Cordeiro, o corretor de seguros deve se especializar cada vez mais e estar atento para cientificar os clientes destas alterações e prepará-los com as opções que surgirão. “Hoje, os canais de informação são grandes responsáveis pelo bom desenvolvimento do nosso mercado, mas também podem fazer com que caiamos em descrédito. Cabe ao profissional atuar como consultor, desmistificar algumas questões recorrentes e, com transparência, levar ao consumidor a segurança de uma boa contratação. Treinamento e informação são primordiais para o profissional desta área”, afirma.

A suspensão de planos de saúde não afeta apenas as operadoras, mas também os corretores, que deixam de ter um produto em sua linha de comercialização. “Este fato pode ser muito ruim caso ele tenha investido em equipe, promoções e investimentos para realização de vendas do produto”, observa Cordeiro, destacando que hoje existem mais de 50 mil planos entre ativos, inativos, em comercialização e com outros status, como os suspensos. “A suspensão acontece normalmente por descumprimento das regras impostas pela ANS, seja por demora nos prazos de atendimento de beneficiários em consultas, exames ou outras anormalidades. Durante o período de suspensão é garantida a cobertura para todos os usuários. Contudo, a operadora não pode incluir nenhum novo beneficiário no plano nem registrar qualquer outro junto ao órgão regulamentador. Quando a ANS verifica que não há mais risco para o consumidor os planos podem ser reativados”, diz.

Para o corretor, as interferências da ANS, sejam incluindo mais tratamentos no ROL de coberturas, ou limitando fatores moderadores resultarão em aumento de custos e reduzirão o público com capacidade de compra.