Sarau do Seguro homenageia Julio Rosa e garante presença no calendário de eventos 2111

Outras edições devem ser realizadas no interior e litoral norte

Uma maneira mais descontraída para aproximar os operadores do mercado gaúcho de seguros ganhou forma na última sexta-feira. A primeira edição do Sarau do Seguro, realizado no Amaranto Grill, em Porto Alegre (RS), superou as expectativas de todos e fomentou, mais uma vez, a amizade entre os colegas do seguro. Outras edições do encontro estão previstas para acontecer brevemente. No verão, o point será o QG do Grupo JRS Comunicação no Litoral Gaúcho.

“Esta ideia nasceu de um evento esportivo, estendeu-se para o mercado de seguros e hoje estamos aqui realizando a primeira edição, certamente, a primeira de muitas”, conta Gilberto Bittencourt, um dos idealizadores do Sarau do Seguro e gerente da sucursal gaúcha da Previsul Seguradora.

A noite agradável reuniu diversas referências do setor, bem como representantes das entidades de mercado. Guacir de Llano Bueno, presidente do Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (SindSeg-RS), por exemplo, parabenizou todo o grupo organizador do evento em entrevista ao programa Seguros Sem Mistério na TV. Uma edição especial do programa foi gravada na oportunidade e será apresentada no próximo domingo, ás 11h30min, no Canal 20 da NET Porto Alegre.

“Quero cumprimentar o corretor de seguros Jean Figueiró e também o parceiro Fernando Menezes pela iniciativa. É um evento muito especial porque reúne os principais expoentes do mercado segurador gaúcho”, conta Ricardo Pansera, presidente do Sindicato dos Corretores de Seguros do Rio Grande do Sul (Sincor-RS). Pansera ainda destacou a realização do 10º Encontro Feminino, que acontece na próxima sexta-feira, dia 12 de agosto. “As inscrições já estão esgotadas há algum tempo, a adesão é muito grande e isto deve-se muito em função da comissão organizadora que montou uma programação com palestrantes de primeira linha, que despertam, certamente, o interesse do público. É uma maneira de integrar as corretoras de seguros com as seguradoras, tenho certeza que este evento será coroado com muito sucesso”, comenta.

Jean Carlo Figueiró, da KSA Corretora, considera que o evento foi um grande sucesso por ter sido realizado entre amigos. “As pessoas chegam rindo, brincando e conversando”, enfatiza. Fernando Menezes, da Sultec Vistorias, rebateu os elogios demonstrando a satisfação em ver a ação ganhando forma em todo o estado. “O mercado abraça os eventos”, completa. “Era para ser um jantar entre amigos, mas tudo aquilo que o JRS coloca a mão fica grandioso”, enaltece Giovani Menger, gerente da filial Porto Alegre da HDI Seguros.

O grande homenageado da noite abrilhantou o evento com seu talento musical. Julio Cesar Rosa, diretor executivo da Federação Nacional de Seguros Gerais, interpretou diversos hits ao lado de Paulo Ciro & Banda. O clímax final aos presentes. “Estou muito alegre. Há um certo tempo liguei para o Carvalho e questionei um modo de reunirmos os amigos do mercado, sem pautas, apenas para confraternização com boa música, comes e bebes. Parabéns por isso. Essa homenagem carinhosa será guardada eternamente em meu coração”, conclui.

Estiveram presentes ainda Yara Bolina, presidente do Clube da Pedrinha em Seguros (RS); Carlos Josias, representante do Clube da Bolinha; Alexandre Pedroso, representando a Confraseg; Andreia Araújo, representando, na oportunidade, o Clube de Seguros e Benefícios (CVG-RS); dentre tantos outros que também merecem ser lembrados.

Um smartphone foi sorteado pela Gizmos para o casal Eduardo Barreto dos Santos e Gabrielle Bruno. O evento repercutiu também nas redes sociais, algumas publicações com a tag #SaraudoSeguro serão destaque na próxima edição da Revista JRS.

Confira as imagens no Flickr do JRS:

Sarau do Seguro homenageia Julio Rosa e garante presença no calendário de eventos

Pós oferece formação completa para gestores comerciais 985

Aulas terão início a partir de 16 de março e serão ministradas em oito cidades

O gestor comercial desempenha um importante papel na cadeia de valor de uma empresa seguradora ou corretora. É este profissional que avalia necessidades de mercado, prospecta clientes, oferece produtos e soluções, acompanha os movimentos e tendências do consumidor, e fornece atendimento de manutenção e relacionamento.

Até pouco tempo atrás, havia uma lacuna na capacitação desses profissionais, que foi preenchida pela Escola Nacional de Seguros em 2017, com o lançamento da pós-graduação em nível de extensão Gestão Comercial do Seguro.

Com uma visão holística da gestão comercial, o curso aborda o planejamento, o controle e a gestão do ambiente, os recursos envolvidos no processo de comercialização, e técnicas utilizadas em negociações.

O conteúdo é dividido em nove disciplinas presenciais, dentre elas Ambiente de Negócios de Seguros, Cenários Econômicos, Planejamento Estratégico de Vendas, Negociações Complexas em Seguros, Gestão do Relacionamento com o Cliente e Marketing de Serviços.

As aulas terão início a partir de 16 de março e serão ministradas em oito cidades: Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA) e São Paulo (SP).

Parcelável em até sete vezes, o investimento é de R$ 5.000,00 em todas as localidades, com exceção de São Paulo, que tem o valor de R$ 5.500,00.

As inscrições estão abertas e devem ser feitas no site da Escola Nacional de Seguros, onde mais informações encontram-se disponíveis.

Primeiros meses do ano com ampla oferta de cursos técnicos 998

No momento estão disponíveis 10 opções, em 10 cidades

O ano acabou de começar, mas a Escola Nacional de Seguros já oferece vasta programação de cursos de curta duração (técnicos). São programas de nível médio que visam a fundamentar, aprimorar e ampliar os conhecimentos dos alunos por meio de aulas teóricas e práticas, ideais para quem deseja acesso rápido ao mercado de trabalho ou requalificação profissional.

No momento estão disponíveis 10 opções, em 10 cidades. O primeiro curso será Prospecção e Comercialização de Seguros Massificados, em Brasília (DF), a partir de 1º de fevereiro. Na mesma cidade será ministrado Formação de Analista de Ouvidoria, com início no dia 5 do mesmo mês.

Também em 5 de fevereiro começarão as aulas do curso Fundamentos Básicos da Gestão de Riscos, em São Paulo (SP).

A partir de 6 de março serão realizados os cursos Fundamentos de Seguros e Gerenciamento de Riscos e Transferência por Seguro. O primeiro está agendado para São Paulo, Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP), Santo André (SP) e Santos (SP). O segundo em São Paulo e no Rio de Janeiro (RJ). Na capital fluminense, o início será em 9 de abril.

No Rio, serão oferecidos outros dois cursos: Matemática Financeira e a Utilização da Calculadora HP 12C (12 de março) e Conceitos Básicos de Seguros (9 de abril). Este último também será ministrado em Blumenau (SC), a partir de 20 de março.

Ainda em março, no dia 26, terão início as aulas do curso Seguro de Responsabilidade Civil Geral, em São Paulo e Santo André.

Para finalizar, serão ministrados, em abril, Comunicação como Ferramenta de Vendas – A Arte de Falara em Público, em Maceió (AL), e Como Administrar uma Corretora de Seguros, em Fortaleza (CE). As aulas começarão, respectivamente, nos dias 16 e 23.

Ensino médio é o único pré-requisito para todos os cursos. Inscrições e mais informações estão disponíveis no site da Escola Nacional de Seguros.

Enxugamento de subsídio ao seguro rural muda estratégia do setor 974

Mudança impulsiona oferta de outras linhas

As seguradoras que oferecem cobertura a agricultores têm alterado suas estratégias para compensar a redução de subsídios do governo. O valor originalmente destinado subvenção ao prêmio do seguro rural em 2018 caiu de R$ 550 milhões para R$ 395 milhões.

Essa mudança leva a uma maior oferta de linhas que não dependem do orçamento federal, como a que segura as receitas do agricultor, diz Wady Cury, presidente da comissão do segmento na FenSeg (Federação Nacional de Seguros).

“Para quem planta café, milho e soja, principalmente, o ideal que seguremos mais o faturamento do que o risco climático. algo que dever ganhar fora em 2018”, diz Fernando Barbosa, presidente da área no Grupo Segurador BB e Mapfre.

Cerca de 25% dos prêmios emitidos pelo grupo no ramo agrícola são desse tipo.

“Como nunca há certeza do orçamento do programa de subvenção, fizemos um modelo de negócio que anda sozinho”, afirma Barbosa. “A maior preocupação a Selic (taxa básica de juros). Estamos estudando como a queda afeta a contratação”, completa.

A redução dos juros pode levar a uma alta de preços para compensar a perda de receita das seguradoras, já que parte significativa de seus ganhos financeiros são atrelados a títulos públicos.

A Swiss Re Corporate Solutions diz no acreditar em um corte drástico dos subsídios, mas afirma que também tem trabalhado modalidades que independem do governo.

Resseguro cedido por seguradoras brasileiras cresce 15% em 2017 901

73% deste total foi colocado em resseguradoras locais, aponta relatório da Terra Brasis

Relatório da Resseguradora Terra Brasis aponta que, no período de janeiro a setembro de 2017, o volume de resseguro cedido pelas seguradoras brasileiras (bruto de comissão) foi de R$ 8,46 bilhões, 15% superior ao do mesmo período de 2016.

Perto de 73% deste total (R$ 6,19 bilhões) foi colocado em resseguradoras locais, um crescimento de 16%. Adicionalmente, no mesmo período, as resseguradoras locais aceitaram do exterior um volume de resseguros (bruto de comissão) estimado em R$ 1,70 bilhão, um crescimento de 55% em relação ao mesmo período de
2016.

No conjunto, o resseguro emitido pelas resseguradoras locais no período de janeiro a setembro de 2017 (bruto de comissão) foi de R$ 7,89 bilhões, um crescimento de 23% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Durante este período, a sinistralidade bruta das resseguradoras locais ficou em 63% contra 76% do mesmo período do ano anterior. O Combined Ratio ficou em 95%, uma melhora em comparação aos 101% apresentados no mesmo período de 2016.

No ano de 2017, até setembro, as resseguradoras locais apresentaram, ainda, um lucro de R$ 918 milhões (IRB com R$ 676 milhões e demais locais com R$ 242 milhões), superior em 38% aos R$ 663 milhões apresentados no mesmo período do ano anterior.

As vantagens da Garantia Locatícia 900

Produto possibilita que se abra mão de fiador para alugar um imóvel

A retração econômica provocou uma queda na venda de imóveis residenciais e comerciais nos últimos anos, fazendo com que muitos proprietários optassem por alugar seus imóveis, como forma de garantir uma renda extra e deixar de arcar com despesas de condomínio, por exemplo. Mais recentemente, a queda no valor dos alugueis fez com que esse mercado ganhasse mais fôlego, favorecendo o crescimento do mercado de títulos de capitalização para garantia locatícia, que dispensa a figura do fiador. Gustavo Rosa, da Comissão Atuarial da FenaCap explica.

Com o título de capitalização para garantia locatícia, acabou o constrangimento de ter que incomodar parentes ou amigos para assumir a fiança do imóvel. Como funciona esse produto?

Esse título, que pertence à modalidade tradicional, funciona da seguinte forma: o inquilino adquire um título de capitalização e o valor é negociado diretamente com a imobiliária ou com o proprietário. Quando a locação terminar, o inquilino receberá de volta 100% do valor corrigido pela TR, caso entregue o imóvel nas mesmas condições encontradas. Além disso, o locatário ainda tem direito a participar de sorteios ao longo de toda a vigência do título de capitalização e, em muitos casos, dispor de uma cesta de serviços que inclui chaveiro, eletricistas, etc.

Qual tem sido o desempenho do produto?

Até setembro, os títulos de capitalização que substituem o fiador nas transações de alugueis comerciais e residenciais arrecadaram R$ 958,2 milhões, o que corresponde a 7,55% do volume da modalidade tradicional, da qual o produto faz parte.

Qual a vantagem que esse segmento da Capitalização oferece para os corretores?

O título de garantia locatícia abriu um novo e promissor nicho de negócios para corretores, que têm a oportunidade de ampliar suas carteiras, negociando com imobiliárias, gerando melhores resultados. A locação passa a ser uma alternativa e os corretores podem fechar novos negócios com a inclusão do produto de garantia locatícia nos seus portfólios.