MetLife apresenta novo programa de relacionamento 179

Apresentação será durante Congresso da Fenacor

Reprodução

Quem esteve no último Congresso Brasileiro de Corretores de Seguros vai encontrar, na edição deste ano, uma MetLife ainda mais próxima de seus principais parceiros de distribuição, os corretores. O evento, que acontece entre 12 e 14 de outubro, com organização da Fenacor, foi a oportunidade escolhida pela companhia para reforçar o lançamento do programa de relacionamento BE MetLife.

Com nova dinâmica de reconhecimento, suporte comercial e oferta de soluções para os profissionais da corretagem, o BE MetLife – The Broker Experience chega com o objetivo de impulsionar resultados e ter ações mais atrativas e recompensadoras para os parceiros. Para que os benefícios sejam mais adequados ao porte e à forma de atuação dos diferentes corretores, o programa segmentou esse público em grupos, de acordo com sua faixa de faturamento anual junto à MetLife – o que se traduz em vantagens maiores a quem busca maior aderência à empresa.

No estande da companhia, os corretores integrantes do BE MetLife vão ser premiados na ação “Máquina de Vendas” com contrapartidas comerciais para alavancar seus negócios. Nessa ativação, serão distribuídos vouchers que renderão comissionamento adicional para as vendas realizadas no último trimestre de 2017.

Para a MetLife, os corretores são essenciais para a formação da cultura do seguro no Brasil. “É bastante significativo passar o Dia do Corretor de Seguros [comemorado em 12/10] ao lado desses profissionais, que tornam toda a dinâmica de distribuição do mercado possível. Disponibilizar comissionamento extra em um congresso como este é uma ação inovadora, mas, acima de tudo, uma forma de reconhecer e agradecer o papel essencial desempenhado pelos corretores”, diz Ramon Gomez, vice-presidente comercial da seguradora.

MetLife Dental

Uma das principais empresas de serviços financeiros do mundo, consolidada no mercado como um dos players mais relevantes para seguros de vida, a MetLife também vai aproveitar seu estande para divulgar o MetLife Dental, linha de produtos cuja contratação continua aumentando.

“Este é praticamente um ‘oceano azul’ dentro do segmento, com oportunidades fantásticas para os corretores, em termos de fontes complementares de receita”, afirma o VP da MetLife. Os visitantes do congresso ainda vão ser impactados por mensagens sobre essa família de planos odontológicos nos banheiros, onde haverá peças comunicando os diferenciais do MetLife Dental e distribuição de amostras de fio dental.

Serviço

Estande MetLife na 19ª Exposeg, feira do Congresso Brasileiro de Corretores de Seguros
Data: 12 (10h às 18h30), 13 e 14 (15h às 23h) de outubro de 2017
Local: Centro de Convenções 65, estande 10 – Goiânia/GO

Aplicativos enviarão “lembretes” sobre o Trenó Iluminado da Bradesco Seguros 118

São, ao todo, 58 apps parceiros

Quem passar pela Avenida Paulista nos dias que antecedem o Natal vai receber, no celular, um convite para participar da ação Trenó Iluminado do Grupo Bradesco Seguros. Os “lembretes” (imagens em anexo) poderão ser enviados por um dos 58 aplicativos parceiros da iniciativa, que contam com o sistema de geolocalização. Por meio deles, os usuários serão informados sobre o evento natalino que começa neste fim de semana na CicloFaixa de Lazer de São Paulo – iniciativa idealizada pela Prefeitura de São Paulo e patrocinada, desde sua inauguração, em 2009, pela marca Bradesco Seguros.

Na ação, o Papai Noel irá passear pela Avenida Paulista em um Trenó Iluminado, puxado por bicicletas, entre as praças do Ciclista e Oswaldo Cruz. Neste sábado (16), a partir das 17h, o Trenó ficará exposto na Praça do Ciclista para que o público possa tirar fotos com o Papai Noel. Já no domingo, o horário vai das 10h às 16h. Neste mesmo dia, haverá empréstimos de bicicletas para que os ciclistas possam seguir o trenó, além de distribuição de gorros de Natal.

CicloFaixa de Lazer de São Paulo – Especial de Natal: Trenó Iluminado

Data: 16, 17, 23 e 24 de dezembro de 2017;
Local: trecho da Avenida Paulista ao Parque do Ibirapuera, com exposição do Trenó Iluminado na Praça do Ciclista;
Horário: dias 16 e 23 (sábados), o Trenó ficará exposto para fotos com o Papai Noel das 17h às 22h. Já o passeio pela Avenida Paulista será realizado das 22h às 2h de domingo (17 e 24), saindo a cada 30 minutos. Nos domingos (17 e 24), o passeio acontecerá das 10h às 16h – nesses dias, o Bom Velhinho ficará em exposição para fotos nos intervalos entre as saídas do Trenó.

Uso de blockchain no setor de finanças e seguros 121

Startup brasileira quer acelerar o uso em diversos setores da economia com o apoio de parceiros

A Smartchains, consultoria brasileira especialista em blockchain permissionada, anuncia parceria com a ProjecTI, focada em serviços de TI para o mercado de Meios de Pagamento e Seguros. Juntas, as empresas planejam fomentar o uso de blockchain especialmente entre Bancos e Seguradoras, a fim de tornar o setor ainda mais seguro e transparente.

“A Smartchains passa a ser um braço de inovação da ProjecTI. Temos investido em novas tecnologias e precisávamos de um parceiro que nos ajudasse a compreender a blockchain e como ela pode ser aplicada nas operações de nossos clientes e prospects”, aponta Vinicius Lopes, Presidente e Fundador da ProjecTI. “Essa parceria nos coloca à frente com relação à essa tecnologia em meios de pagamento e esperamos ter excelentes resultados a médio e longo prazo”.

Para Fulvio Xavier, co-fundador da Smartchains, essa aliança é estratégica por permitir que a startup se insira no setor de pagamentos de forma rápida e assertiva. “Ao juntarmos a expertise da ProjecTI aos nossos conhecimentos, somos capazes de disseminar, cada vez mais, os inúmeros usos das redes privadas de blockchain no mercado de Pagamentos para tornar as operações das empresas mais seguras, confiáveis e transparentes”, explica.

Busca por novos parceiros

A Smartchains busca novas alianças com empresas de tecnologia voltadas para o desenvolvimento de soluções e projetos especializados em um ou mais setores. O objetivo da startup é, com o apoio dos parceiros, expandir o uso da blockchain nos mais variados mercados.

“Essa tecnologia permite às organizações rastrear e acompanhar ativos e dados com precisão, sem desconfianças ou abertura para golpes – e isso se aplica a qualquer indústria”, diz Fúlvio. “A ideia, então, é unir nossa experiência nessa tecnologia ao conhecimento especializado desses parceiros e desenvolver plataformas aderentes a diversas áreas da economia­­”.

Delphos e a Inovação no Mercado de Seguros 125

Insurtechs trarão benefícios com ganhos de produtividade

O princípio das FinTechs, iniciadas no mercado financeiro, logo chegou no setor de seguros, dando origem às Insurtechs. Para o Diretor da Delphos, Carlos Trindade, tal movimento trará benefícios como a desburocratização e a simplificação das atividades do setor, com ganhos de produtividade. “Por provocarem disruptura em um mercado que por muito tempo foi considerado conservador, esse processo terá que contemplar a administração de efeitos colaterais e riscos, que ocorrem em todo tipo de avanço. Mas o consumidor deverá ser o mais beneficiado, e o aumento de seu conhecimento fará com que contrate mais seguros”, prevê.

Carlos Trindade, diretor de TI da Delphos / Divulgação

Trindade conta que foi criado, na Delphos, um comitê de inovação para identificar novas tecnologias que poderão ser usadas internamente e oferecidas aos clientes. “Para atendimento, relacionamento e inteligência artificial, por exemplo, temos uma equipe dedicada ao CRM Salesforce, com capacidade para identificar as ‘dores’ do mercado e pensar em soluções”, lista o diretor. Segundo ele, esse produto em particular permitirá atender, além do setor de seguros, o financeiro e outras indústrias.

Já o ERP (Enterprise Resource Planning) SegDelphos, que gerencia todas as fases da operação do seguro, terá uma nova versão a partir de 2018. “Vamos investir na customização do sistema nativo, adquirido este ano, para ramos nos quais ele ainda não está totalmente alinhado ao mercado nacional”, conta o executivo. A estratégia inclui também a capacitação da equipe para acompanhar as novas frentes de trabalho.

Todas essas iniciativas buscam auxiliar o mercado a se preparar para um segurado cada vez mais exigente. “Quando um setor se moderniza, ele eleva o nível concorrencial. Não terá vez o corretor que demorar dias ou mesmo horas para fornecer uma cotação de seguros para seu cliente. Então teremos o segurado bem informado, exigindo mais, e um mercado sempre perseguindo melhorias para atender a esse novo perfil”, avalia Trindade.

Por outro lado, o diretor da Delphos acredita que pode haver maior colaboração entre as empresas. “Se uma determinada seguradora trabalha apenas com ramos elementares, poderá de forma ágil e segura trocar informações com outra companhia, para oferecerem produtos combinados de seus portfólios. No mínimo, haverá um benchmarking que remeterá a avanços”, aposta. Para ele, o mesmo vale para corretores e assessorias.

Insurtechs vieram para melhorar a experiência do consumidor 114

Confira artigo de Henrique Mazieiro, diretor executivo e sócio fundador da Planetun

No embalo do sucesso das chamadas fintechs, startups que aliam serviços financeiros e tecnologia, nasceram as insurtechs, empresas que também utilizam ferramentas digitais, porém são voltadas ao mercado de seguros. As insurtechs começaram a ganhar força principalmente no ano de 2016 e têm como foco buscar inovações constantes que melhorem a experiência do cliente.

Diante de um novo cenário, totalmente digital, os consumidores buscam cada vez mais soluções práticas e ágeis que facilitem processos com o uso da tecnologia. As insurtechs chegaram ao mercado justamente para suprir essa necessidade, desenvolvendo soluções disruptivas a partir de algo que precisa ser melhorado. E ainda oferecem benefícios também para as empresas, com um modelo de negócios inovador, repetível e escalável, em que é possível obter mais ganhos com menos custos.

Hoje, o setor de seguros é o que mais investe em desenvolvimento de tecnologia, de acordo com um estudo realizado pela empresa de TI e consultoria de dados Tata Consultancy Services (TCS). Na pesquisa, após analisarem 835 executivos de 13 setores da indústria global em quatro regiões do mundo, a indústria de seguros ultrapassou os outros segmentos pesquisados, investindo, em média, US$ 124 milhões em inteligência artificial.

A expectativa é que esse panorama continue crescendo cada vez mais, graças a alta demanda dos consumidores por digitalização, o que também gera uma grande oportunidade para as empresas do setor de seguros que tenham como foco trazer melhorias atreladas às novas tecnologias aos seus clientes. Essa é uma preocupação constante da nossa empresa, Planetun, na qual temos como objetivo implementar processos que tragam mais agilidade, comodidade e segurança aos consumidores, melhorando sua experiência.

Apenas para falarmos do que estamos desenvolvendo com foco no relacionamento com o cliente, temos os produtos de Auto Inspeção, Vistoria e Sinistros. Por exemplo, imagine que o segurado detecta que depois de uma forte descarga de energia ocorreu a queima de sua geladeira. Neste momento, após o contato prévio com a seguradora, o próprio cliente, através de um aplicativo web, que não requer qualquer instalação no celular, pode abrir um sinistro, realizar as fotos, áudio e vídeo dos danos, e inserir toda a documentação necessária para que o processo possa ser analisado e aprovado de forma segura, transparente, ágil e com um custo infinitamente menor. Hoje, isso já é uma realidade para os ramos de seguro auto, equipamentos, residência e empresarial.

Por vivermos em uma era cada vez mais tecnológica e ágil, é necessário que as empresas se moldem a esse novo tipo de consumidor, que está cada vez mais conectado e buscando por produtos novos que conversem com o modo atual de viver da era digital. Nesse momento, acredito que a tecnologia é uma grande aliada às empresas, que têm a oportunidade de oferecer ao cliente uma experiência que ele procura: rápida, prática e com maior autonomia.

Sem dúvida que existem riscos em todo esse processo, já que nem sempre as inovações são vistas em um primeiro momento como algo bem-vindo. Quando trabalhamos em parceria com as grandes seguradoras, também precisamos encontrar profissionais e estruturas visionárias que acreditem e queiram inovar e mudar a forma com que se relacionam com seus clientes, porque, sem o apoio deles, nada disso poderia ocorrer. Eu vejo que esse processo irá beneficiar a todos, sem exceção. Com estas novas plataformas, traremos maior agilidade e facilidade na relação seguradora, corretor e segurado.

Inclusive, o maior ganho com todas estas mudanças é, com certeza, do consumidor. Se antes ele enfrentava diversas burocracias ao, por exemplo, bater o carro, hoje ele não tem mais essa dor de cabeça, pois o processo ficou mais simples de ser realizado. Fazendo uso da tecnologia, é possível realizar os processos no dia e hora que forem mais adequados ao segurado, de forma ainda mais rápida, evitando perda de tempo ou interrupções no trabalho. Agora, acionar o seguro deixou de ser um problema, graças ao advento do atendimento digital. E o segurado pode receber e pagar por um serviço que tem a sua cara e que lhe oferece exatamente aquilo que procura de forma muito mais objetiva e inovadora.

SulAmérica conquista Prêmio de Inovação em Seguros da CNSeg 463

Seguradora é reconhecida por tecnologia pioneira de solicitação de reembolso via aplicativo

A SulAmérica, maior seguradora independente do País, foi a vencedora do Prêmio Antônio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros 2017 na categoria “Processos e Tecnologia”, com o case “Reembolso Digital”, de autoria do superintendente Fabiano Carraro e equipe. Promovida pela Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), a cerimônia de premiação reuniu líderes do mercado segurador brasileiro nesta quarta-feira (13), no Hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro.

O reembolso digital é uma funcionalidade inédita que foi incorporada ao aplicativo SulAmérica Saúde para agilizar o processo de reembolso de consultas de até R$ 1.000,00. Desenvolvida na garagem de inovação da companhia, a tecnologia utiliza algoritmos de machine learning para reconhecer recibos médicos por meio de uma foto, que pode ser feita pelo próprio segurado com a câmera do smartphone, e encaminha o pedido para análise de forma rápida e segura. O serviço agregou mais um diferencial ao aplicativo, que já registra 1 milhão de downloads.

A SulAmérica conquistou troféus em seis das sete edições do prêmio, reflexo do investimento consistente da companhia em tecnologia e melhoria operacional. “A SulAmérica está liderando uma transformação digital no mercado segurador e este reconhecimento por parte da CNSeg nos incentiva a seguir investindo em projetos inovadores para agregar valor aos clientes, corretores e demais públicos com os quais nos relacionamos”, afirma o presidente da seguradora, Gabriel Portella. “Esta premiação torna-se ainda mais especial quando consideramos a alta qualidade dos projetos inscritos e da comissão julgadora, composta por lideranças e acadêmicos que pensam o futuro do seguro.”

O Prêmio de Inovação em Seguros da CNSeg tem como objetivo reconhecer iniciativas que contribuam para o desenvolvimento do setor de seguros, impulsionando a evolução do mercado e o aprimoramento das relações com o consumidor. Nesta sétima edição, a premiação registrou 89 trabalhos inscritos, que passaram por uma etapa de avaliação individual e outra de defesa oral.

A comissão julgadora deste ano foi composta pela economista Maria Eugenia Buosi; pela defensora pública estadual Patrícia Cardoso Maciel Tavares; pelo professor de Economia da Unicamp Antônio Márcio Buainain; pelo gerente-geral da Associação Palas Athena do Brasil, Júlio Albuquerque Bierrenbach; pelo advogado e colunista do jornal O Estado de S. Paulo Antônio Penteado Mendonça; pelo ex-presidente nacional do Brasilcon, Bruno Miragem; pelo economista Sergio Besserman; pelo professor de Direito Constitucional da FGV Joaquim Falcão; e pelo economista e professor da UFRJ Hélio Portocarrero.