O primeiro dia do Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros 2104

JRS realiza cobertura especial, diretamente de Goiânia (GO)


A vigésima edição do Congresso Brasileiro de Corretores de Seguros acontece na cidade em que, há vinte anos atrás, o evento aconteceu pela primeira vez: Goiânia. O presidente da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor), Armando Vergílio, acredita que o mercado de seguros tem crescido, mas não tem evoluído, com questões a se discutir no caminho da inovação. “O mercado de seguros possui o seus desafios, mas o setor merece ter espaço na agenda governamental”, defendeu durante a cerimônia de abertura oficial que aconteceu nesta quinta-feira (12).

Foto: Matheus Henrique/JRS

Vergílio ainda convidou a plateia a refletir sobre o seguro pirata, e a valorização do corretor de seguros. “Mais do que nunca precisamos mostrar nosso maior valor, colegas corretores. Somos gente que cuida de gente, temos que nos reinventar, ser mais criativos, explorar nossa carteira de clientes e negócios”, disse. “O que nunca devemos parar de fazer é empreender e mostrar ao consumidor que só é seguro com o corretor de seguros”, acrescentou.

Foto: Matheus Henrique/JRS

Robert Bittar, presidente da Escola Nacional de Seguros, frisou que a entidade hoje é uma muito mais uma escola de seguros, que leva soluções a todos os atores do segmento, não se limitando a formar somente corretores de seguros. “A cada momento temos novidades, a que estamos comemorando neste momento é a recente portaria do Ministério da Edução e Cultura que nos permite realizar os cursos de pós-graduação no ensino a distância. É um ganho fantástico não só para a Escola, mas para o setor como um todo, sendo a verdadeira democratização do seguro”, argumentou.

O presidente da Confederação Nacional dos Corretores de Seguros (CNseg), Marcio Coriolano, frisou que o mercado de seguros está unido para combater as proteções veiculares, que tem lesado consumidores pelo Brasil. “O mercado de seguros rima com progresso, estaremos ao lado dos órgãos públicos para apoiar e fazer a sociedade brasileira resolver rapidamente questões como essa e da a previdência social”, comentou.

Foto: Matheus Henrique/JRS

O superintendente da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Joaquim Mendanha de Ataídes, disse que, desde que assumiu o cargo, procura fazer com que a autarquia tenha um papel de fomentadora. “Criar um ambiente propício é nosso papel também, fazendo o mercado voltar as suas origens, sendo mais ousado e com trabalho em conjunto”, falou. Além disso, Mendanha prometeu que, em vinte dias, a Susep terá a proposta/decisão final a respeito do seguro auto popular: “Tenho certeza de que ele será uma ferramenta importantíssima no combate ao mercado marginal”.

Foto: Matheus Henrique/JRS

Das mãos do Superintendente, o presidente da Fenacor Armando Vergílio recebeu a carteira de identificação profissional de número um durante a cerimônia de abertura. O deputado Federal Lucas Vergílio, os ministros Ronaldo Nogueira e Dyogo de Oliveira e o governador do Estado de Goiás Marconi Perillo também participaram do momento e defenderam ativamente o espaço do setor na agenda do Governo Federal.

Show do cantor Leonardo embalou o primeiro dia de Congresso – Foto: Matheus Henrique/JRS

Autosul Express marca presença nas ações de verão do JRS 4334

Empresa oferece revisão e manutenção veicular de forma ágil

O #VerãoSuperSeguro do JRS conta com um time campeão de apoiadores. Hoje, vamos dar destaque ao Grupo Autosul, que cedeu uma unidade móvel para as produções da empresa jornalística na temporada de veraneio. São mais de duas décadas como referência em serviços de reparos automotivos e mais de 15 anos como locadora de veículos. Ao todo, quase 80 mil veículos já foram consertados pelo Grupo, 80% oriundos do mercado segurador.

As operações do Autosul Express trazem um grande diferencial de mercado: entrega do veículo no mesmo dia em que ele é recebido pela equipe. A ideia é que os autos não passem a noite na oficina. “Desde sempre procuramos inovar. Sempre estamos pensando em novas formas de empreender”, comentou o diretor Fernando Della Flora, em recente entrevista.

Serviço:
Autosul Express
Endereço: Av. Brasil, 863 – São Geraldo, Porto Alegre (RS).
Horário de Funcionamento: Entre 8h e 18h, de segunda a sexta-feira.
Telefone: (51) 3073-4040.

Ferramenta reúne estatísticas do mercado brasileiro de seguros e resseguros 1502

Base conta com 627 companhias de seguro

Tornar simples, intuitiva e ágil a busca e a geração de informações sobre o mercado segurador e ressegurador. Foi com esse propósito que a JLT Resseguros decidiu reunir em uma plataforma online os dados disponíveis no sistema de informações da Susep.

A ferramenta JLT ID permite extrair dados básicos ou criar relatórios personalizados de volume de prêmio, sinistros, custos, resultados e outras variáveis desde 2013, por mês ou por ano. A plataforma traz as informações de maneira mais dinâmica, funcional e amigável em relação ao sistema de informações do órgão regulador. A atualização da base é semanal e automática.

Por meio de dois módulos complementares, o usuário pode analisar as estatísticas pela ótica cedida (do segurador) e também assumida (do ressegurador).

“Cada usuário pode criar relatórios a partir do critério que preferir, de acordo com os interesses da gestão do negócio e da decisão de investimentos”, explica o vice-presidente de Treaty da JLT Resseguros, Pedro Farme D´Amoed.

A base conta com 627 companhias de seguro, 80 grupos seguradores e quase 20 parâmetros de análise que podem ser extraídos com a soma, a média, o valor mínimo ou máximo e o desvio padrão do período selecionado. O conteúdo gerado pode ser exportado para diversas plataformas.

“A geração de inteligência no mercado brasileiro de resseguros está alinhada à estratégia de negócios da JLT na medida em que evoluímos de broker transacional para broker consultivo”, completa.

Pós oferece formação completa para gestores comerciais 1440

Aulas terão início a partir de 16 de março e serão ministradas em oito cidades

O gestor comercial desempenha um importante papel na cadeia de valor de uma empresa seguradora ou corretora. É este profissional que avalia necessidades de mercado, prospecta clientes, oferece produtos e soluções, acompanha os movimentos e tendências do consumidor, e fornece atendimento de manutenção e relacionamento.

Até pouco tempo atrás, havia uma lacuna na capacitação desses profissionais, que foi preenchida pela Escola Nacional de Seguros em 2017, com o lançamento da pós-graduação em nível de extensão Gestão Comercial do Seguro.

Com uma visão holística da gestão comercial, o curso aborda o planejamento, o controle e a gestão do ambiente, os recursos envolvidos no processo de comercialização, e técnicas utilizadas em negociações.

O conteúdo é dividido em nove disciplinas presenciais, dentre elas Ambiente de Negócios de Seguros, Cenários Econômicos, Planejamento Estratégico de Vendas, Negociações Complexas em Seguros, Gestão do Relacionamento com o Cliente e Marketing de Serviços.

As aulas terão início a partir de 16 de março e serão ministradas em oito cidades: Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA) e São Paulo (SP).

Parcelável em até sete vezes, o investimento é de R$ 5.000,00 em todas as localidades, com exceção de São Paulo, que tem o valor de R$ 5.500,00.

As inscrições estão abertas e devem ser feitas no site da Escola Nacional de Seguros, onde mais informações encontram-se disponíveis.

Curso para formação de corretores terá material didático 100% digitalizado 1456

Estão abertas as inscrições para o Curso para Habilitação de Corretores de Capitalização, em 68 localidades

Acompanhando as tendências tecnológicas e sempre buscando formas de facilitar a rotina dos alunos, a Escola Nacional de Seguros está lançando novidades para o Curso para Habilitação de Corretores em 2018.

Uma delas é que todo o material didático passará a ser disponibilizado em ambiente digital, podendo ser acessado em plataformas variadas, como notebooks, celulares, tablets, entre outras. A mudança garantirá aos alunos mais flexibilidade e conveniência aos estudos, que poderão ser realizados em qualquer horário e local, de forma prática e ágil.

“Por meio de avaliações e pesquisas entre alunos e professores, procuramos entender as necessidades dos estudantes e adaptamos o curso de forma a torná-lo mais funcional, num esforço contínuo. Acreditamos que essas inovações irão contribuir para que os alunos absorvam o conteúdo de forma ainda mais eficiente”, afirma a diretora de Ensino Técnico da Escola, Maria Helena Monteiro.

Inscrições abertas

No momento, estão abertas as inscrições para o Curso para Habilitação de Corretores de Capitalização, em 68 localidades de todo o País. As aulas terão início a partir de fevereiro.

A Escola é a única Instituição credenciada a ministrar o Curso para Habilitação de Corretores de Seguros. Os aprovados recebem certificado e podem solicitar registro profissional junto à Superintendência de Seguros Privados (Susep).

O Curso de Capitalização é o primeiro do programa completo, que tem outros dois: Vida e Previdência, e Demais Ramos. Os requisitos para participar são ensino médio e maioridade.

Inscrições e mais informações, como investimento e conteúdo programático, estão disponíveis neste hotsite.

Enxugamento de subsídio ao seguro rural muda estratégia do setor 1430

Mudança impulsiona oferta de outras linhas

As seguradoras que oferecem cobertura a agricultores têm alterado suas estratégias para compensar a redução de subsídios do governo. O valor originalmente destinado subvenção ao prêmio do seguro rural em 2018 caiu de R$ 550 milhões para R$ 395 milhões.

Essa mudança leva a uma maior oferta de linhas que não dependem do orçamento federal, como a que segura as receitas do agricultor, diz Wady Cury, presidente da comissão do segmento na FenSeg (Federação Nacional de Seguros).

“Para quem planta café, milho e soja, principalmente, o ideal que seguremos mais o faturamento do que o risco climático. algo que dever ganhar fora em 2018”, diz Fernando Barbosa, presidente da área no Grupo Segurador BB e Mapfre.

Cerca de 25% dos prêmios emitidos pelo grupo no ramo agrícola são desse tipo.

“Como nunca há certeza do orçamento do programa de subvenção, fizemos um modelo de negócio que anda sozinho”, afirma Barbosa. “A maior preocupação a Selic (taxa básica de juros). Estamos estudando como a queda afeta a contratação”, completa.

A redução dos juros pode levar a uma alta de preços para compensar a perda de receita das seguradoras, já que parte significativa de seus ganhos financeiros são atrelados a títulos públicos.

A Swiss Re Corporate Solutions diz no acreditar em um corte drástico dos subsídios, mas afirma que também tem trabalhado modalidades que independem do governo.