Conheça os mitos que são divulgados sobre o Seguro DPVAT 5499

Proteção é garantida à toda a população brasileira

O Seguro DPVAT é um direito de toda a população brasileira que se acidenta no trânsito. Ele auxilia os acidentados em casos de reembolso de despesas médicas, invalidez permanente e morte. Logo, é um seguro extremamente abrangente e capilarizado no Brasil. Imagine a operação necessária para garantir um benefício para 207,7 milhões de habitantes em um país de dimensões continentais como o nosso? É muita responsabilidade!

MITO: O modelo de gestão do Seguro DPVAT é um monopólio privado no país.

REALIDADE: O sistema de gestão do Seguro DPVAT não é um monopólio. Até porque qualquer seguradora autorizada a operar no país, no segmento de seguros de danos e/ou pessoas, pode aderir ao Consórcio. Trata-se de um modelo de administração centralizada, que garante atendimento adequado e agilidade no pagamento de indenizações às vítimas de acidentes de trânsito, facilitando seu controle, acompanhamento e fiscalização. Sua implantação reduziu a inadimplência, elevou o número de pontos de atendimento em todo o país e reduziu custos, além disso, vem garantindo o cumprimento da finalidade social do Seguro DPVAT.

MITO: O modelo de livre escolha, com venda de seguros intermediada por corretores, é o mais adequado.

REALIDADE: O modelo de livre escolha já foi adotado anteriormente, sem sucesso, devido ao elevado nível de inadimplência, que, na prática, desconstrói a finalidade social e o caráter universal do Seguro DPVAT. No período em que vigorou – de 1974, data de criação do DPVAT, até 1986 –, a inadimplência alcançou mais de 60%, praticamente inviabilizando o Seguro.

MITO: As altas despesas administrativas da Seguradora Líder-DPVAT fazem com que o valor a ser pago seja maior pela população e o da indenização menor.

REALIDADE: O valor do prêmio do Seguro DPVAT, fixado pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP, autarquia federal ligada ao Ministério da Fazenda), não recebe reajuste no valor do prêmio desde 2013. Pelo contrário: em 2017, esse valor foi reduzido em 37%. Para que o valor da indenização paga aos beneficiários do Seguro DPVAT aumente, é necessária uma atualização da Lei Nº 6.194, de 1974, que deve ser feita pelo Poder Legislativo.

MITO: Uma moto de 100 cilindradas deveria pagar menos do que uma de 300 cilindradas.

REALIDADE: O valor do prêmio do Seguro DPVAT – que é pago pelo proprietário de veículo automotor – é definido de acordo com o índice de sinistralidade de cada veículo e não pela sua potência. Neste caso, o valor da moto é superior aos dos demais veículos porque esta gera mais acidentes – corresponde a 75% das indenizações, para sermos mais exatos. Se a lógica para formação de preço funcionasse dessa maneira, um carro 1.0 pagaria menos do que um 2.0, não é mesmo?

MITO: O dinheiro arrecadado com o Seguro DPVAT é destinado à manutenção de rodovias e estradas.

REALIDADE: Por lei, do total dos recursos arrecadados pelo Seguro DPVAT, 45% são repassados ao Ministério da Saúde (SUS), para custeio do atendimento médico-hospitalar às vítimas de acidentes de trânsito em todo país. Outros 5% são repassados ao Denatran, para aplicação exclusiva em programas destinados à prevenção de acidentes de trânsito. Os outros 50%, administrados pela Seguradora Líder-DPVAT, são destinados ao pagamento das indenizações.

Seguro para casas de praia e campo cresce em 2017 772

Proteção para esse segmento de imóvel é tão importante quanto para moradias fixas

A Porto Seguro registrou aumento de 10% no segmento de Seguro Residência Veraneio em 2017, comparado a 2016. O crescimento mostra que os brasileiros estão mais conscientes sobre a importância deste tipo de seguro e apesar de o roubo ainda ser a maior preocupação dos proprietários, é preciso ficar atento a outros danos.

Com a chegada do verão, que vem acompanhado de muito calor, pancadas de chuvas e temporais, o risco de quedas de raios e danos elétricos é maior, ocasionando a queima de bens, como ar-condicionado, TV, geladeira, câmeras de segurança, além de vendavais, que destroem telhados e trazem prejuízos repentinos. Nesta estação, muitas casas de campo e de praia ficam fechadas e, quando os proprietários chegam ao local, se deparam com problemas que poderiam ser evitados. Pensando em ajudar esses viajantes a aproveitarem as férias e feriados prolongados com tranquilidade, o Porto Seguro Residência apontou alguns cuidados que devem ser tomados:

  • Trancar a residência sempre que sair, ainda que por alguns instantes;
  • Verificar se o gás vazou durante o tempo que a casa ficou vazia, antes de ligar o fogão. Isso pode prevenir uma explosão;
  • Certificar de que a caixa d’água está limpa para evitar a proliferação de insetos, principalmente o Aedes Aegypt. Seguradoras como a Porto Seguro oferecem o benefício de limpeza das caixas d’água a seus segurados, então, pode ser acionada nesses casos;
  • Ao final das férias, lembrar de tirar os equipamentos de tomadas, evitando assim a queima por quedas de raios ou curto circuito.

Segundo Jarbas Medeiros, superintendente de Ramos Elementares da Porto Seguro, o seguro para esse segmento de imóvel é tão importante quanto para moradias fixas. “Entendemos que é um nicho promissor que vem crescendo consideravelmente. Com a residência fechada, questões como fechadura emperrada, lâmpadas queimadas, roubos, só são percebidas em último caso, pois muitos só se atentam em ter um seguro residencial quando algo realmente acontece”.

Seguro residencial

O Porto Seguro Residencial Veraneio oferece coberturas de incêndio, explosão, fumaça, vendaval, danos elétricos, quebra de vidros e inclusive cobertura para subtração de bens como: tv, home theater, eletrodomésticos, móveis, roupas, malas, artigos esportivos, entre outros. O produto ainda dispõe de reparos emergenciais 24 horas por dia, 7 dias por semana. Na contratação de um dos planos de serviços, ele também disponibiliza o Check-up Veraneio, que proporciona diagnósticos hidráulico e elétrico, troca de lâmpadas e lubrificação de fechaduras e dobradiças.

Mudanças para pagamento do DPVAT no Rio de Janeiro 891

Alteração se deu para atender o cumprimento de legislação estadual

Conforme noticiado nos principais jornais nacionais e cariocas, o calendário de pagamento do DPVAT 2018 no Rio de Janeiro conta com novidades para os proprietários de veículos do Estado. A partir deste ano, os motoristas desta UF devem emitir o boleto do Seguro DPVAT diretamente pelo site da Seguradora Líder, acesse aqui para realizar o pagamento na data do vencimento da cota única do IPVA, ainda que em boleto separado do IPVA, nos seguintes bancos: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú ou Santander.

A desvinculação do DPVAT do IPVA, na GRD emitida junto ao Banco Bradesco, se deu para atender o cumprimento da Lei Estadual 7.718/2017, que permite ao cidadão fluminense a realização da vistoria anual e licenciamento de seu veículo sem a necessidade de pagamento do IPVA. No entanto, os demais custos associados ao processo de licenciamento anual, como o Seguro DPVAT, seguem obrigatórios. Ou seja, a desvinculação do DPVAT da cobrança do IPVA não prejudica o processo anual de licenciamento no que diz respeito ao DPVAT, pois o Detran-RJ continua a exigir sua quitação para a emissão do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV).

Importante reforçar que, desde 2013, a Seguradora Líder emite a guia de arrecadação do DPVAT, desvinculada da cobrança do IPVA, para veículos das categorias 3, 4, 8 (esta última a partir de 2016, quando foi criada a categoria) e 9, em função da possibilidade do parcelamento do prêmio. A quantidade de bilhetes processados destas categorias, em 2017, representa 15% do total de bilhetes processados no Rio de Janeiro ou 34% do prêmio total arrecadado.

Lembramos, ainda, que a desvinculação do DPVAT da cobrança do IPVA é uma realidade na maioria dos Estados brasileiros, a exemplo de São Paulo. No entanto, a exigência de sua quitação para fins de emissão do licenciamento anual continua a ser um compromisso de todos os Detrans para com a Seguradora Líder.

Balança comercial tem superávit recorde em 2017 e atinge US$ 67 bilhões 878

Indicador foi divulgado hoje pela Fundação Getúlio Vargas

O Brasil registrou em 2017 superávit recorde de US$ 67 bilhões na balança comercial, de acordo com o Indicador do Comércio Exterior (Icomex), divulgado hoje (17), pelo Instituto Brasileiro de Economia de Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). O resultado foi puxado por um aumento de 17,6% nas exportações; acima dos 9,6% das importações. De acordo com a FGV, porém, em 2018, o superávit deve ser menor, “com aumento das importações e menor crescimento das exportações”.

Em volume, as exportações aumentaram 9,4%, lideradas pelo setor agropecuário, com expansão de 24,3%. Os preços, de maneira geral, cresceram 9,5%, com destaque para a indústria extrativa, que aumentou de 34%.

Segundo o estudo, as 23 principais commodities exportadas pelo país responderam por 77% do aumento das exportações de 2016 para 2017 e representaram 52% do total exportado no ano passado. Já as exportações de não commodities experimentam crescimento inferior ao das commodities atingindo 8,8%, em valor.

O bom desempenho das commodities é explicado tanto pelo aumento de 13,8% nos preços quanto pelos 10,5% relativos à expansão em volume, entre 2016 e 2017. Já as importações de bens de capital da indústria de transformação continuam a trajetória de queda iniciada em 2014. O setor agropecuário que seguia a mesma tendência, aumenta suas importações de bens de capital em 2017 em 39,7%, neste caso, puxado pela safra recorde de grãos do ano passado.

Também as importações de bens intermediários pela indústria de transformação, que estavam em queda desde 2013, voltaram a crescer fechando 2017 com expansão de 7,4% – o que, na avaliação dos economistas da FGV, “confirmam a recuperação da indústria”.

Na pesquisa do ano passado, a FGV introduziu o índice de petróleo e derivados. Em 2017, os preços aumentaram 32% e o volume, 19,6%. Segundo a FGV, desde 2010, não era registrada variação positiva conjunta destes dois índices.

A pesquisadora da área de Economia Aplicada do Ibre, Lia Valls, confirma a projeção de um aumento menor no superávit para 2018. “[Em 2017], a recuperação se deu em comparação aos níveis baixos de 2015/2016, em especial para o minério de ferro e o petróleo”, destacou.

Lia Valls diz que o aumento no volume depende do crescimento do comércio mundial, que deverá ser menor em 2018, devendo ficar em 3,5%. A avaliação é de que a expansão do ano passado partiu de uma base baixa, uma vez que o crescimento 2015/2016 foi de apenas 1,3%.

“Logo, para assegurar expansão no valor exportado, as manufaturas deveriam crescer acima do percentual de 9% ocorrido em 2016/2017. Pouco provável, pois o aumento nas exportações de manufaturas liderada pelo setor automotivo foi beneficiada pela recuperação da economia argentina e pela ampliação de cotas em acordos assinados em 2016/2017. E não é esperado que o crescimento de 2018 supere o de 2017 na Argentina”, explicou.

Corrente de comércio

Ao interromperem trajetória de queda e cresceram 17,6% e 9,6%, respectivamente de 2016 para 2017, as exportações e as importações fizeram com que a corrente de comércio aumentasse entre esses dois últimos anos de US$ 23 bilhões para US$ 369 bilhões.

A FGV ressalta, no entanto, que, apesar desse crescimento, a corrente de comércio ainda está longe do pico de 2013, quando alcançou o valor de US$ 482 bilhões.

“No caso das exportações, esperamos aumento inferior ao do ano de 2017. O superávit de 2018 será, portanto, inferior ao de 2017, ao redor de US$ 50 bilhões. Observa-se, porém, que essa é uma estimativa preliminar e que deverá mudar ao longo do ano”, informa a FGV.

Rede Lojacorr inaugura 46ª Unidade, em Sergipe 773

Maior rede de corretoras de seguros do Brasil segue processo de expansão

A Rede Lojacorr, maior Rede de Corretoras de Seguros independentes do Brasil, segue em processo de expansão por todo o país e inaugurou na última quinta-feira (11/01), na capital de Sergipe, Aracaju, sua 46ª Unidade.

Para celebrar a nova Unidade Rede Lojacorr Sergipe, foi oferecido um café da manhã no hotel Aquarios, com a presença de aproximadamente 50 pessoas, entre corretores e representantes das companhias seguradoras locais, e diretores da empresa. “A expectativa de desenvolvimento da Unidade Sergipe é ótima”, afirma Mayara Barreto, concessionária responsável pela Unidade. “O evento rendeu muitos contatos de corretores interessados em realizar o cadastro conosco, e já iniciamos os agendamentos para reuniões com eles. Temos, de imediato, dois inscritos, já produzindo, e mais oito agendados interessados em ingressar”.

O diretor Comercial da Rede Lojacorr, Geniomar Pereira, declara a satisfação com a chegada a Sergipe. “Há dois anos estávamos planejando ingressar no Nordeste e agora inauguramos a Unidade Sergipe, que já é a nossa quinta na região. Essas conquistas são motivo de muito orgulho e dão a noção de onde queremos chegar – a Rede Lojacorr pretende, no curto prazo, atender corretores de seguros de todos os pontos do Nordeste. Iremos inaugurar ainda no primeiro semestre de 2018 as Unidades Maceió, Fortaleza e Recife, e nosso objetivo é chegar até o início de 2019 com uma Unidade em cada estado nordestino. Estamos dando passos firmes para abranger todo o Nordeste e todo o Brasil”, demonstra.

Multiplus oferece 15 pontos por real gasto na contratação de seguro viagem Assist Card 707

Promoção é válida até 25 de janeiro

Os participantes Multiplus que estão com viagem marcada para o mês de janeiro poderão acumular ainda mais pontos na contratação do seguro viagem. Até o dia 25 deste mês, será possível acumular 15 pontos por real gasto na contratação de uma apólice da Assist Card, por meio da Multiplus Corretora de Seguros. Membros do novo Clube Multiplus terão até 30% de pontos extras, conforme o plano contratado, e assim acumularão ainda mais pontos.

A promoção é válida para os seguros emitidos por meio da plataforma da Multiplus, com vigência inicial ainda no mês de janeiro e com voo saindo do Brasil. Os pontos serão creditados na conta do participante em até 30 dias após a data do pagamento.

Os planos da Assist Card incluem assistência médica, rastreamento de bagagem, reembolso em caso de cancelamento ou atraso de voos, emergências odontológicas, cobertura para práticas de esportes radicais e acompanhamento de menores de idade.

Países da Europa que fazem parte do Tratado de Schengen, por exemplo, exigem que o viajante tenha um seguro viagem. Com a promoção, além de garantir uma viagem tranquila, o participante incrementará a sua poupança de pontos e poderá utilizá-los em novas viagens para mais de mil destinos operados pela LATAM e companhias aéreas parceiras pela oneworld.