Proteção veicular comercializada por associações gera polêmica em audiência 59148

Para defensores da medida, associações suprem uma lacuna do mercado, seguradoras classificam a prática como concorrência desleal

Mais de 200 pessoas acompanharam nesta terça-feira (24) audiência pública da comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa o projeto (PL 3139/15) que proíbe a proteção veicular promovida por associações que funcionam como uma espécie de cooperativa.

Essa modalidade de proteção é diferente do seguro automotivo tradicional por prever o pagamento de indenização por prejuízos que já ocorreram, como furtos e acidentes – e não pelo risco desses casos virem a acontecer. Os valores são divididos entre os associados.

O autor do PL 3139/15, deputado Lucas Vergilio (SD-GO), classifica a modalidade como “seguro pirata” e pretende acabar com a atividade, sob o argumento de que as associações são um risco para o consumidor e não estão sujeitas às mesmas regras das empresas de seguro, que pagam tributos e são obrigadas a manter uma reserva financeira equivalente ao valor dos bens segurados.

“Os associados não têm garantias de que vão receber. As associações fecham da noite para o dia, não tem provisionamento de recursos nem cálculo atuarial. E a atividade estimula o mercado de peças roubadas”, sustentou.

Já Fabrício Klein, da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), defendeu a legalidade da atividade e o tratamento tributário diferenciado das associações. Segundo ele, a Constituição garante liberdade e o direito de livre associação, e a legislação específica dá às cooperativas o direito de oferecer qualquer tipo de serviço.

“As cooperativas também têm de ter um tratamento tributário adequado. Não há incidência de Imposto de Renda e da CSLL simplesmente porque não há fato gerador, não há lucro”, explicou.

Klein acrescentou que os associados, por serem enquadrados como sócios e não como clientes das cooperativas, não estão sujeitos ao Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90).

O relator da comissão especial, deputado Vinicius Carvalho (PRB-SP), discordou: “Isso está enquadrado como relação de consumo, sim”.

Defesa

As críticas à atividade foram rebatidas por representantes de associações que oferecem proteção veicular aos associados – os integrantes das seguradoras serão ouvidos na próxima audiência pública da comissão especial.

Segundo Luiz Carlos Neves, presidente da Federação Nacional das Associações de Caminhoneiros e Transportadores (Fenacat), as associações surgiram em decorrência do elevado número de assaltos e acidentes, aliados ao baixo custo do frete e às recusas das seguradoras. “O que fazemos é um auxílio mútuo na hora de acidente e rateio de custos para pagar caminhões roubados e acidentados, já que 86% dos caminhões simplesmente não são aceitos pelas seguradoras”, afirmou.

O presidente da Agência de Autorregulamentação das Associações de Proteção Veicular e Patrimonial (AAAPV), Raul Canal, concordou que as seguradoras não conseguem atender a todas as demandas da população. Ele contestou ainda a alegada falta de segurança para os associados. “Nos últimos 16 anos, a Susep [Superintendência de Seguros Privados] liquidou 49 seguradoras. Somente seis delas tinham 800 mil segurados, que ficaram no prejuízo. No mesmo período, apenas três associações foram fechadas”, comparou.

Para Cíntia Souza dos Santos, presidente da Federação Nacional de Benefícios (Fenaben), o projeto que proíbe que pessoas se associem para dividir prejuízos relativos a veículos é inconstitucional. “Não há por que criminalizar essa atividade. Inúmeras decisões judiciais são no sentido de que não é crime. Que crime há nessa decisão de dividir prejuízos?”, indagou.

Na avaliação de Cauby Morais, presidente da Força Associativa Nacional (FAN), os corretores de seguros, contrários às associações e que compareceram à audiência com camisetas azuis com os dizeres “Não ao seguro pirata”, deveriam adotar outra postura.

“A sociedade se organizou porque sentiu que estava faltando algo no mercado de seguros. A briga de vocês deveria ser outra: fazer com que as seguradoras construam uma opção popular”, disse, dirigindo-se à plateia.

Regulamentação

O deputado João Campos (PRB-GO), um dos autores do pedido de realização do debate, anunciou que vai apresentar um voto em separado com previsão de regulamentação das associações.
“Não faz sentido proibir ou criminalizar a atividade. Proponho que a gente simplesmente normatize, regulamente, para dar segurança jurídica aos associados e para que sejam definidos a responsabilidade dos dirigentes e o órgão fiscalizador”, justificou.

O deputado George Hilton (PSB-MG) foi na mesma linha e defendeu a regulamentação das associações de auxílio mútuo. Ele considerou a proposta de Lucas Vergilio um retrocesso. “O texto busca criar uma reserva de mercado para as empresas de seguro. Temos, na verdade, de alterar a lei de seguros para que as cooperativas sejam fiscalizadas. Essas entidades só cresceram porque há uma demanda reprimida, e as corretoras colocam obstáculos”, sustentou.

Corretores

Representantes dos corretores de seguros não concordam e dizem que as associações fazem concorrência desleal com as seguradoras. “A seguradora é obrigada a fazer uma reserva financeira, paga uma tonelada de impostos e não pode consertar o carro com peças usadas”, enumerou Carlos Valle, da Federação Nacional dos Corretores, que estava na plateia.

Confira a proposta, na íntegra (PDF).

Seguro prestamista e regras para títulos de capitalização em consulta pública 407

Comunicação

Interessados podem colaborar por 15 dias

A Superintendência de Seguros Privados (Susep) decidiu colocar em consulta pública a minuta de Resolução do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) que dispõe sobre as regras e critérios para operação do seguro prestamista. A partir da data de publicação desse edital e em até 15 dias, os interessados poderão encaminhar seus comentários e sugestões por meio dos e-mails: dipes.rj@susep.gov.br ou copep.rj@susep.gov.br.

Além disso, a Susep também colocou em consulta pública a minuta de Circular que estabelece regras para a elaboração, a operação, desenvolvimento de propaganda e material de comercialização de títulos de capitalização. Neste caso, os interessados poderão, em até 15 dias, encaminhar seus comentários e sugestões por meio dos e-mails cgcom.rj@susep.gov.br ou coset.rj@susep.gov.br.

Em ambos os casos, o quadro específico padronizado disponível no site da autarquia deverá ser consultado.

Mobilização colaborativa é o assunto do momento 348

Colaboração

Proximidade das eleições impulsiona interesse em plataformas de engajamento e arrecadação

Nunca o mundo esteve tão conectado e com diferentes possibilidades de mobilização. O movimento colaborativo tem evoluído rápido e em várias direções. O crescimento de plataformas e trabalhos cooperativos, o aumento da consciência da população, a evolução do coworking e as novas tecnologias apontam para uma tendência: a da colaboratividade.

Atenta a este mercado, a Action Labs, empresa que trabalha com uma metodologia de modelagem de negócios, produtos e serviços inovadores, desenvolveu o MobNex, uma plataforma completa de mobilização colaborativa que pode ser usada para qualquer tipo de causa. Pode ser pela melhoria na saúde, para eleger um amigo, melhorar a segurança no bairro, ou para cuidar dos animais em uma cidade, por exemplo.

“Somos os pioneiros, no Brasil, no desenvolvimento de uma plataforma de mercado completa, com o conceito de gameficação e colaboração tão forte, que integra um painel de controle da campanha com aplicativo e site”, afirma Paulo Renato Oliveira, diretor criativo da Action Labs.

Este tipo de mobilização e engajamento é uma tendência mundial e que está chegando ao Brasil agora. O grande marco foi a eleição norte-americana de 2008, que resultou na vitória de Barack Obama. “Na eleição passada, em 2016, isso já era uma tendência e, agora, com o aumento do engajamento político, é o grande momento de os homens públicos aderirem a isso. A eleição colaborativa ajuda a combater as fake news, já que as pessoas ajudam a combater as notícias falsas”, diz Paulo Renato. As fake news, inclusive, foram apontadas pelo ministro Tarcísio Vieira, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), como um dos desafios das eleições de 2018.

O MobNex foi concebido a partir de experiências trocadas com as equipes que fizeram a campanha do presidente Barack Obama. Em 2009, o diretor criativo da Action Labs participou de um workshop com coordenadores de campanha, equipes de mobilização digital e fornecedores de tecnologia utilizados nas campanhas tanto offline quanto online, de Barack Obama. “Com esse referencial e muitas pesquisas, desenvolvemos um sistema que permite o empoderamento de todos os participantes, que dá controle à equipe de coordenação de campanha e, ao mesmo tempo, capacidade de ativação a todos os envolvidos”, explica.

Um dos diferenciais do MobNex é a possibilidade de ampliar a capacidade de mobilização pelo aplicativo, que possui estratégias de gameficação e conecta toda a equipe à campanha, atribuindo metas semanais de atuação, compartilhando informação em tempo real e valorizando os mobilizadores mais ativos. “Campanhas altamente conectadas são mais ágeis e eficientes. Em tempos de grandes restrições, legais e orçamentárias, empoderar os mobilizadores é sair na frente. E pode significar chegar na frente”, afirma Paulo.

O diretor criativo destaca as vantagens de uma campanha colaborativa. “Para o candidato, este modelo permite o trabalho em rede e a mobilização mais rápida. Todos podem participar compartilhando os conteúdos, incluindo novas pessoas, dando ideias e defendendo suas causas. Já para o cidadão, a campanha colaborativa é a essência da democracia. Mais do que a eleição, ela representa a participação política. As pessoas continuam em contato com o seu representante, o que é tão importante quanto elegê-lo, pois é a partir daí que ele poderá ser cobrado”, finaliza.

Previsul Seguradora promove festejos juninos 187

Festa Junina

Companhia realiza ações de endomarketing para trazer leveza ao ambiente de trabalho

A Previsul Seguradora, com objetivo de integrar os colaboradores, promoveu o “Hora + Leve”, que tem como objetivo promover a integração e a leveza no ambiente de trabalho, em um espaço descontraído e fora do expediente.

A companhia ainda realiza o concurso cultural “Arraial da Previsul” que premiará um colaborador com um happy hour em qualquer restaurante Outback do Brasil. O vencedor, que poderá levar com ele mais cinco colegas de trabalho, será conhecido no dia 25 e será aquele cuja foto tiver mais votações na intranet da companhia. As fotos foram tiradas no dia 20, nas dependências da matriz e também nas sucursais espalhadas pelo Brasil.

“A Previsul busca proporcionar o bem-estar para os colaboradores da companhia e estas ações de endomarketing colaboram para momentos de descontração entre os colegas e interação do colaborador com a Companhia, proporcionando mais leveza no ambiente de trabalho”, afirma Andreia Araújo, diretora de Negócios e Marketing.

A Previsul Seguradora possui 111 anos de atuação e é referência em seguro de pessoas no Brasil. Está presente em 12 estados brasileiros, com aproximadamente 30 pontos de atendimento em todo o país, que oferecem todo o suporte para o corretor, principal parceiro da companhia.

CVG comemora 52 anos de atividades no Rio de Janeiro 355

Missa e coquetel marcam momentos especiais

O presidente do CVG-RJ, Carlos Ivo Gonçalves, e a diretoria executiva da entidade anteciparam a missa de ação de graças em comemoração aos 52 anos de fundação do CVG-RJ para o dia 26 de junho. A missa será celebrada às 11 horas, na tradicional Igreja de Nossa Senhora Mãe dos Homens, Rua da Alfândega, número 54 – Centro.

No dia 28 de junho, os convidados do CVG-RJ serão recepcionados para um coquetel no Museu do Amanhã, a partir das 19 horas. Um dos mais exuberantes monumentos da arquitetura moderna do mundo é o cenário em que o presidente da CNseg, Márcio Coriolano, recebe a medalha de Honra ao Mérito do CVG-RJ.

Durante o evento, cinco empresas receberão a placa comemorativa do ingresso no quadro de sócias beneméritas do CVG-RJ. São elas: Seguros Unimed, ExperMed – Perícias Médicas Administrativas e Judiciais, Grupo Negrini, Grupo MBM e Sudamérica Vida Corretora de Seguros.

“Sem dúvida um time de primeira qualidade, que nos honra com o seu ingresso no quadro de beneméritas de nossa entidade. O CVG-RJ só tem a agradecer a confiança depositada em nossa diretoria e se compromete a corresponder às expectativas com um trabalho dedicado e de qualidade, visando à capacitação e informação da mão de obra deste importante segmento do mercado, o Seguro de Pessoas e de Benefícios”, disse o presidente do CVG-RJ, Carlos Ivo Gonçalves.

Seguro odontológico é forte aliado na hora de reter de talentos 278

Sorriso

Benefício é cada vez mais valorizado no Brasil

A conscientização sobre a importância da saúde bucal tem dado sinais de crescimento no país. De acordo com dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgados em abril, 23,2 milhões de brasileiros possuem seguros odontológicos – um aumento de 1,3 milhão de beneficiários em comparação com março do ano anterior. Este aumento sugere que os cuidados odontológicos, vistos por muito tempo como uma preocupação secundária, já passam a ser reconhecidos como parte integrante da rotina de cuidados com a saúde e prevenção de doenças.

Além de ser um benefício cada vez mais valorizado no Brasil, o seguro odontológico pode ser um importante aliado das organizações para fins de retenção de talentos. “Para manter os profissionais engajados, muitas companhias brasileiras já apostam em mudanças nos planos de carreira, cultura e remuneração. Mas, em termos de bem-estar e qualidade de vida, essas ações podem precisar de complementos”, explica Sandra Ossent, gerente do Porto Seguro Odontológico. “Por essa razão, planos odontológicos passam a ser oferecidos também como ferramentas de retenção que, muitos casos, ajudam a reduzir o absenteísmo e melhorar a produtividade. Trata-se de uma opção benéfica tanto para os funcionários quanto para as empresas”, completa.

Tendo em vista este cenário, o Porto Seguro Odontológico destaca algumas das principais vantagens que este produto proporciona:

Assistência e prevenção de doenças a custo acessível

Com baixo impacto sobre a folha de pagamento, os planos odontológicos oferecem acessibilidade a tratamentos e procedimentos preventivos que, muitas vezes, por conta do valor, deixam de ser realizados pela população, possibilitando a ocorrência de problemas odontológicos mais graves. Nesse sentido, a fim de agregar boas práticas de saúde a um custo compatível com a realidade de cada empresa, o Porto Seguro Odontológico atua com três opções de planos – Bronze, Prata e Ouro.

Opções para pequenas e médias empresas

O mercado de PMEs pode concentrar um grande potencial de crescimento em meio ao segmento. De acordo com dados do Ministério do Trabalho divulgados no segundo semestre de 2017, as pequenas e médias empresas geraram mais de 320 mil vagas formais de emprego entre janeiro e agosto do mesmo ano.

Atento a este mercado, o Porto Seguro Odontológico disponibiliza o Plano Odonto Bronze, voltado para PMEs a partir de 4 vidas. Além de oferecer coberturas compatíveis com o nicho, esta modalidade também possibilita a extensão do benefício a familiares e agregados (conforme regras de aceitação da ANS).

Capilaridade

A diversidade de clínicas referenciadas é um dos pontos-chave para conferir ao usuário uma boa experiência. Não por acaso, o Porto seguro Odontológico também conta com mais de 20 mil opções de atendimento por especialidade na Rede Referenciada, além de abrangência nacional com foco nas capitais.

Serviços e coberturas sempre à mão via aplicativo

As plataformas de autoatendimento são um dos principais recursos para obter atendimento ágil e sem burocracias. Alinhado a esta tendência, o app do Porto Seguro Odontológico disponibiliza recursos para consulta à Rede Referenciada, cartão virtual do segurado e recebimento de dicas de saúde. O app está disponível para os sistemas IOS e Android, e o download é gratuito.

Rede referenciada na tela do smartphone

Este é mais um recurso oferecido para proporcionar praticidade e agilidade: basta o segurado enviar um SMS para o número 26562 com o CEP do local onde deseja ser atendido e, em questão de minutos, o Porto Seguro Odontológico indicações de clínicos gerais disponíveis na região.