Proteção veicular comercializada por associações gera polêmica em audiência 44580

Para defensores da medida, associações suprem uma lacuna do mercado, seguradoras classificam a prática como concorrência desleal

Mais de 200 pessoas acompanharam nesta terça-feira (24) audiência pública da comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa o projeto (PL 3139/15) que proíbe a proteção veicular promovida por associações que funcionam como uma espécie de cooperativa.

Essa modalidade de proteção é diferente do seguro automotivo tradicional por prever o pagamento de indenização por prejuízos que já ocorreram, como furtos e acidentes – e não pelo risco desses casos virem a acontecer. Os valores são divididos entre os associados.

O autor do PL 3139/15, deputado Lucas Vergilio (SD-GO), classifica a modalidade como “seguro pirata” e pretende acabar com a atividade, sob o argumento de que as associações são um risco para o consumidor e não estão sujeitas às mesmas regras das empresas de seguro, que pagam tributos e são obrigadas a manter uma reserva financeira equivalente ao valor dos bens segurados.

“Os associados não têm garantias de que vão receber. As associações fecham da noite para o dia, não tem provisionamento de recursos nem cálculo atuarial. E a atividade estimula o mercado de peças roubadas”, sustentou.

Já Fabrício Klein, da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), defendeu a legalidade da atividade e o tratamento tributário diferenciado das associações. Segundo ele, a Constituição garante liberdade e o direito de livre associação, e a legislação específica dá às cooperativas o direito de oferecer qualquer tipo de serviço.

“As cooperativas também têm de ter um tratamento tributário adequado. Não há incidência de Imposto de Renda e da CSLL simplesmente porque não há fato gerador, não há lucro”, explicou.

Klein acrescentou que os associados, por serem enquadrados como sócios e não como clientes das cooperativas, não estão sujeitos ao Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90).

O relator da comissão especial, deputado Vinicius Carvalho (PRB-SP), discordou: “Isso está enquadrado como relação de consumo, sim”.

Defesa

As críticas à atividade foram rebatidas por representantes de associações que oferecem proteção veicular aos associados – os integrantes das seguradoras serão ouvidos na próxima audiência pública da comissão especial.

Segundo Luiz Carlos Neves, presidente da Federação Nacional das Associações de Caminhoneiros e Transportadores (Fenacat), as associações surgiram em decorrência do elevado número de assaltos e acidentes, aliados ao baixo custo do frete e às recusas das seguradoras. “O que fazemos é um auxílio mútuo na hora de acidente e rateio de custos para pagar caminhões roubados e acidentados, já que 86% dos caminhões simplesmente não são aceitos pelas seguradoras”, afirmou.

O presidente da Agência de Autorregulamentação das Associações de Proteção Veicular e Patrimonial (AAAPV), Raul Canal, concordou que as seguradoras não conseguem atender a todas as demandas da população. Ele contestou ainda a alegada falta de segurança para os associados. “Nos últimos 16 anos, a Susep [Superintendência de Seguros Privados] liquidou 49 seguradoras. Somente seis delas tinham 800 mil segurados, que ficaram no prejuízo. No mesmo período, apenas três associações foram fechadas”, comparou.

Para Cíntia Souza dos Santos, presidente da Federação Nacional de Benefícios (Fenaben), o projeto que proíbe que pessoas se associem para dividir prejuízos relativos a veículos é inconstitucional. “Não há por que criminalizar essa atividade. Inúmeras decisões judiciais são no sentido de que não é crime. Que crime há nessa decisão de dividir prejuízos?”, indagou.

Na avaliação de Cauby Morais, presidente da Força Associativa Nacional (FAN), os corretores de seguros, contrários às associações e que compareceram à audiência com camisetas azuis com os dizeres “Não ao seguro pirata”, deveriam adotar outra postura.

“A sociedade se organizou porque sentiu que estava faltando algo no mercado de seguros. A briga de vocês deveria ser outra: fazer com que as seguradoras construam uma opção popular”, disse, dirigindo-se à plateia.

Regulamentação

O deputado João Campos (PRB-GO), um dos autores do pedido de realização do debate, anunciou que vai apresentar um voto em separado com previsão de regulamentação das associações.
“Não faz sentido proibir ou criminalizar a atividade. Proponho que a gente simplesmente normatize, regulamente, para dar segurança jurídica aos associados e para que sejam definidos a responsabilidade dos dirigentes e o órgão fiscalizador”, justificou.

O deputado George Hilton (PSB-MG) foi na mesma linha e defendeu a regulamentação das associações de auxílio mútuo. Ele considerou a proposta de Lucas Vergilio um retrocesso. “O texto busca criar uma reserva de mercado para as empresas de seguro. Temos, na verdade, de alterar a lei de seguros para que as cooperativas sejam fiscalizadas. Essas entidades só cresceram porque há uma demanda reprimida, e as corretoras colocam obstáculos”, sustentou.

Corretores

Representantes dos corretores de seguros não concordam e dizem que as associações fazem concorrência desleal com as seguradoras. “A seguradora é obrigada a fazer uma reserva financeira, paga uma tonelada de impostos e não pode consertar o carro com peças usadas”, enumerou Carlos Valle, da Federação Nacional dos Corretores, que estava na plateia.

Confira a proposta, na íntegra (PDF).

MBM apresenta Seguro AP Caminhoneiro em Minas 79

Evento apresentou o produto para parceiros e assessorias com foco em transporte

Alexsander Kaufmann, superintendente do Grupo MBM / Divulgação

A filial do Grupo MBM de Minas Gerais promoveu o lançamento do Seguro Acidentes Pessoais (AP) Caminhoneiro. Durante o encontro, que aconteceu no dia 10 de janeiro, os corretores parceiros, futuros parceiros e Assessorias com foco em transporte esclareceram dúvidas sobre o produto. O Superintendente, Alexsander Kaufmann, que além de explanar sobre o produto, ressaltou o crescimento da seguradora nos últimos anos e tirou dúvidas dos convidados presentes.

O evento teve um clima bastante descontraído e no final foi realizado um sorteio de brindes, sendo contemplados representante da Salco Corretora e o representante da Souza Pinto Corretora.

“Além de aproximar os corretores do Grupo MBM, o evento foi muito importante para fortificar a marca e trazer boas expectativas de produção”, comentou Marinada dos Santos Dias, gerente da filial MBM Minas Gerais, que também participou do evento.

A filial do Grupo MBM de Minas Gerais está localizada na Avenida Augusto de Lima, 479, Belo Horizonte. Os telefones são (31) 3271-2395 e (31) 3271-6078.

SulAmérica Auto eleva satisfação do segurado com oficinas referenciadas 80

Programa de Relacionamento com Prestadores (PRP) certificou 126 parceiros com selo de excelência Diamante em 2017

A SulAmérica Auto elevou em cerca de 70% o nível de satisfação do cliente com as oficinas referenciadas da seguradora por meio do Programa de Relacionamento com Prestadores (PRP), que visa aprimorar a rede de serviços ao segurado em sinistros automotivos. Em 2017, 126 prestadores foram reconhecidos com o selo Diamante, a classificação máxima de excelência do programa, pela apresentação de elevados índices de satisfação dos clientes com o atendimento, qualidade do serviço e infraestrutura de oficina, dentre outros indicadores. Ainda dentro do PRP, 224 oficinas receberam o selo Ouro e 569 foram classificadas como Prata, atestando o foco crescente da rede em qualidade, eficiência e satisfação.

“A SulAmérica investe continuamente no relacionamento com prestadores e no aprimoramento constante da rede, reforçando o compromisso da companhia em garantir um serviço de excelência ao segurado. Neste cenário, as oficinas de reparação são fundamentais, pois realizam uma das principais entregas do seguro de automóveis. Estamos muito orgulhosos do desempenho daquelas que participam do PRP e que, por meio de melhorias internas, têm conquistado a satisfação do cliente”, afirma o diretor de Operações Auto e Massificados, Renato Roperto.

Desde 2014, quando foi lançado, o PRP vem promovendo uma revisão completa de processos, indicadores e metas na operação de oficinas referenciadas, por meio de ações estruturadas com foco nos pilares de comunicação e reconhecimento. Até o momento, já foram realizados 16 eventos de alinhamento de metas e 17 premiações de oficinas destacadas com o selo Diamante por três anos consecutivos, além de treinamentos de legislação ambiental e boas práticas de gestão.

Planejamento Estratégico é essencial para todo empreendedor 89

Kuantta Consultoria ministra palestra em diversas sucursais da Porto Seguro

O empreendedorismo é essencial para o crescimento profissional do corretor de seguros. O Professor da Escola Nacional de Seguros e idealizador da Kuantta, Arley Boullosa, faz parte do Programa Porto Seguro Educação e está apresentando o tema “Corretor Empreendedor”, onde a companhia promove uma série de palestras e treinamentos para corretores de seguros em todo o Brasil. As apresentações iniciaram no dia 11 de janeiro, com parceiros de negócios que são atendidos na Sucursal Tijuca, no dia 12 teve continuidade com os profissionais que recebem suporte no escritório de Nova Iguaçu. No dia 16, a sucursal Petrópolis realiza palestras em Nova Friburgo e Teresópolis e no dia 17 será a vez da sucursal Petrópolis e Volta Redonda, localizada na Região Sul-Fluminense.

Para Arley, a importância do Planejamento Estratégico é essencial para todo empreendedor. “Estou bastante feliz com o resultado das palestras que realizamos até agora. O foco principal é trabalharmos o Planejamento, estratégia e utilizarmos OKR (Objetives and key results) para isso. Trata-se de uma framework de gestão de metas criada em 1970 pela Intel e popularizada em 1999 quando foi adotada pelo Google quando tinha menos de um ano de vida e 40 funcionários. Até hoje, com 60 mil funcionários, o Google utiliza a ferramenta devido a sua simplicidade e direcionamento focado em resultados. Precisamos que os corretores tenham mais foco na execução para mudarem de patamar e se prepararem para as mudanças que estamos enfrentando em nosso mercado”, declarou.

Empreender é imprescindível no mercado segurador. As atitudes empreendedoras produzem o aumento na demanda de comercialização das apólices e é algo maior, que a simples ideia de abrir um negócio. Significa melhorar o desempenho e planejar para alcançar metas e objetivos traçados durante o trabalho, encontrando novas soluções para o crescimento da produtividade.

iFood busca talentos no RS 84

Oportunidade é para atuar em Caxias do Sul

O iFood está em busca de profissionais da região Sul para trabalhar na posição de Vendedor Externo na cidade de Caixas do Sul. As candidaturas devem ser feitas na aba Vagas na página do iFood no Linkedin.

O colaborador do iFood tem a oportunidade de ingressar em uma das mais inovadoras foodtechs do mundo e trabalhar em uma plataforma estratégica para o negócio dos restaurantes parceiros, com soluções que contribuem para o crescimento destes estabelecimentos e, ao mesmo tempo, facilitam a vida do consumidor.

Na empresa, o profissional tem a liberdade de criar e ter ideias que podem ter grande impacto no negócio, por isso, é sempre estimulado a empreender, trabalhar com transparência, além de ser colaborativo. O iFood valoriza a diversidade e está em busca de todos os ingredientes que se complementam e fortalecem a cultura e os valores.

A empresa brasileira, com seis anos de mercado, acaba de ganhar dois prêmios Great Place To Work e é uma das mais bem avaliadas na plataforma Love Mondays. Com mais de 650 colaboradores no Brasil e cerca de 200 entre México, Colômbia e Argentina. A empresa vem registrando um crescimento médio de 120% ao ano, mantém a cultura de startup e não para de contratar.

Atendimento médico de emergência no exterior pode comprometer as finanças 84

Sem proteção do seguro, custo de diária para internação hospitalar pode chegar a US$ 5 mil 

Com a chegada das férias, aumenta o número de viajantes em busca de descanso em destinos nacionais e internacionais. Para garantir a tranquilidade durante esse período fora de casa, é importante contar com a cobertura de um seguro de viagem que evite desequilíbrios financeiros em caso de necessidade de atendimento médico ou problemas com ocorrências de perda ou furto de documentos. A Mapfre Assistência, empresa especializada em assistência a pessoas, residências e veículos, alerta que, principalmente para quem viaja ao exterior, os custos com atendimento médico em uma situação de emergência podem ser bastante elevados.

De acordo com um estudo feito pela companhia, os honorários de atendimento médico nos Estados Unidos chegam a US$ 1500, uma consulta no dentista pode chegar a US$ 750 e um exame de raio-X odontológico fica em torno de US$ 350. Os valores de internação podem custar U$ 5 mil (por dia) e uma consulta com um ortopedista, US$ 800. “Custos com problemas de saúde durante o passeio ou com a perda dos bens dentro e fora do país costumam ser realmente altos”, afirma Almir Fernandes, presidente da Mapfre Assistência. Segundo o executivo, as pessoas podem e devem encarar a contratação de uma assistência viagem como um investimento. “Essas despesas inesperadas podem impactar as finanças de quem viaja, mas a inclusão de um seguro entre as providências para as férias, principalmente no caso de destinos internacionais, elimina esse risco”, explica.

Perfil dos acionamentos em 2017

Um levantamento da Mapfre Assistência mostra que, em 2017, os principais motivos de acionamentos foram consulta com clínico geral (44,3%) e honorários médicos por reembolso (37,5%), seguidos de atendimento médico a domicílio (5,7%), odontologia (3%) e ortopedia (2,2%). A maioria dos seguros é contratada pelos viajantes entre 31 e 40 anos, com 21,9% dos bilhetes emitidos, seguidos pelas faixas etárias dos 19 aos 30 anos (17%) e de 41 a 50 anos de idade (com 16,4%). Os principais destinos dos viajantes que contrataram o SEGURVIAJE em 2017 foram Estados Unidos (33,5%), Brasil (24%), Chile (7,5%), Argentina (6%), França (2,8%), Itália (2,8%), Espanha (2,7%), Portugal (2,3%), México (2,2%) e Uruguai (2,2%). A companhia é a responsável pelos atendimentos aos segurados do SEGURVIAJE, produto que provê proteção em viagens nacionais e internacionais, da saída até a volta para casa, com planos personalizados.

Confira dicas para uma viagem mais segura:

· Avaliação médica: antes de qualquer viagem, é indicado que os turistas façam um check-up. Uma simples consulta e exames preventivos evitam dores de cabeça longe de casa.

· Medicação: para casos crônicos, o recomendado é levar a medicação necessária com original da receita médica assinada pelo especialista, pois cada país tem seus critérios para venda de medicação.

· Alimentação: faz parte do roteiro conhecer a gastronomia regional, mas é preciso evitar exageros; antes de viagens longas, não consuma pratos pesados, de difícil digestão; finalmente, tenha atenção com prazos de validade e ingredientes que possam causar alergia.

· Bagagem a despachar: muitas malas têm formato e cor similares, personalize sua bagagem, com fitas, por exemplo, para facilitar a visualização na esteira e evitar que outro passageiro a pegue por engano. Em viagens internacionais, embalagens com líquidos acima de 100 ml precisam ser despachadas.

· Cadeado TSA: se seu destino for os Estados Unidos, certifique-se de que seu cadeado é aprovado pela TSA (Transport Security Administration) – órgão responsável pela segurança nos aeroportos do país. Dessa forma, os fiscais podem checar sua bagagem e fechá-la novamente sem qualquer dano. A checagem é procedimento comum e acontece de forma aleatória.