Como o mercado de seguros ganha com a robotização do atendimento? 3886

Confira artigo de Daniel Moretto

As seguradoras e a indústria de serviços financeiros estão inseridas em um ambiente complexo de sistemas legados, que além de poderem se tornar um grande risco para as empresas, também são um tópico cada vez mais presente na agenda dos CIO’s: como navegar ou substituir sistemas que carregam consigo uma diversidade enorme de informações sobre clientes, mercados, perfis de consumo e informações históricas?

Quando este cenário é projetado em um ambiente onde as pessoas – que utilizam e manipulam dados dentro destes sistemas – se encontram preenchendo lacunas entre sistemas legados, processos de negócios e legislação, a complexidade e a percepção de que o serviço pode ter falhas, é ainda maior. Por isso, é muito comum hoje perceber que dentro da indústria de seguros, muitas vezes, os serviços possuem um prazo muito longo, justamente pela amplitude de sistemas, telas, comandos e consultas, que devem ser decifrados pelos analistas. E ainda quando novas versões de sistemas são colocadas no ar, acontece toda uma movimentação das áreas de TI e gestão de mudança, e uma exposição à riscos financeiros não controlados.

Desta forma, a velocidade com que os executivos de seguradoras desejam que os processos de negócio atendam às necessidades do mundo de seguros nem sempre é acompanhada na prática, dada à complexidade deste emaranhado de sistemas, processos de negócio, e pessoas.

Então, como encontrar o equilíbrio em uma equação difícil como esta, e adaptar os elementos de negócio, considerando a sensibilidade, o risco financeiro e diversidade das informações dentro destes sistemas? A resposta é que uma nova abordagem – conceitual e prática – precisa ser adotada.

É o que acontece com o uso da solução de Automação Robótica de Processo (RPA), que troca os esforços manuais por um atendimento robotizado. O conceito é utilizar a programação para serviços básicos, e, para os mais complexos, continuar com o atendimento efetuado por pessoas. Isso ajuda a substituir áreas e departamentos de esforços repetitivos e manuais, que consomem tempo e recursos, deixando de agregar valor ao negócio.

No universo das seguradoras, por exemplo, existe uma grande demanda de atendimento em casos de segunda via de boletos, carnês e extratos, assim como, em períodos sazonais de declaração de imposto de renda, picos de chamadas para resolução de casos de informe de rendimentos. O atendimento de todos estes setores envolve a manipulação de diversos sistemas e muitas etapas manuais, que podem alcançar patamares equivalentes a 30% ou 40% do volume total de acionamentos. Desta forma, o processo acaba requerendo muitos agentes tratando um volume alto de casos, que ocupam tempo e impactam a capacidade do agente em dar uma melhor experiência ao cliente do outro lado da linha, afetando a percepção dos consumidores sobre a qualidade do serviço prestado.

Diante desse cenário, a robotização do atendimento é uma saída para as empresas do mercado de seguros que buscam melhorar seus processos. Na Concentrix, por exemplo, realizamos um papel consultivo, mapeando os principais gargalos nesses processos com o propósito de desenvolver um serviço de automação “end to end”, no qual robôs executam todo o processo, tal qual um humano faria. Assim, é possível eliminar o esforço humano desnecessário em tarefas repetitivas, empregando a robotização e o conceito da força de trabalho virtual para atingir altos níveis de produtividade e escala.

Desenvolvemos esse trabalho em uma das maiores companhias de seguros privados do País e, como resultado, tivemos, em um período de um mês, uma melhoria de aproximadamente 40% de eficiência no TMA (Tempo Médio de Atendimento), comparado aos períodos anteriores, e a força de trabalho total conseguiu ser economizada em cerca de 20%. A capacidade desta operação em absorver futuras demandas e picos sazonais também aumentou consideravelmente sem a necessidade de grandes contratações, proporcionando mais tempo disponível para novos atendimentos que demandavam mais complexidade dos atendentes. De modo geral, a implantação desta nova ferramenta de atendimento reduz de 70% a 80% o custo fixo desta unidade de negócio, assegurando um retorno sobre o investimento perene em aproximadamente 4 meses.

Já sendo uma realidade, a automação robótica promete grandes mudanças para o setor de contact center, que está se adaptando e readequando seu formato, sem perder a essência. É fato que muitas pessoas ainda preferem o contato humano na hora do atendimento, mas otimizar processos que demandam menos complexidade é um ganho para ambos os lados. Além disso, com estas inovações, teremos uma nova demanda de profissionais – aqueles responsáveis pela programação dos robôs. O importante é lembrar que, com estes novos processos robotizados, o ideal é sempre atingir o equilíbrio entre humanos e máquinas, tornando o negócio robusto, eficaz e adequado aos dias de hoje.

*Daniel Moretto é presidente da Concentrix, multinacional especializada em soluções de outsourcing.

Corretora de Porto Alegre contrata gestor comercial 531

Experiência na ramo é pré-requisito

Conceituada corretora de seguros de Porto Alegre (RS) está a procura de gestor comercial para todos os ramos. Ter experiências anteriores no segmento segurador, através da atuação em companhias ou corretoras, e residir na Capital gaúcha ou região são pré-requisitos para preencher a vaga da empresa que possui 30 anos de mercado.

A oportunidade conta com salário compatível ao cargo. Ficou interessado? Currículos devem ser enviados para o e-mail jrs@jrscomunicacao.com.br.

Associados têm prioridade na participação em eventos do CVG-RS 742

Entidade abre atividades a partir do dia 27 de março

O Clube de Seguros de Vida e Benefícios do Rio Grande do Sul (CVG-RS) recebe o gerente executivo da diretoria geral de Vida do Banco do Brasil e Mapfre, Wagner Torres, em sua primeira palestra de 2018. O encontro acontece no dia 27 de março, a partir das 8h30min, no Clube do Comércio (Rua dos Andradas, 1085 – Porto Alegre/RS).

O executivo possui mais de 20 anos de experiência no mercado e aborda o assunto: Um novo corretor de seguros para o mercado de vida? Ou um novo mercado para este corretor?

Veja também: A agenda completa do CVG-RS em 2017

O número de participações é limitado, por isso, os associados ao CVG-RS possuem prioridade nas inscrições, a partir do dia 14 de março. No dia 15, se ainda houverem vagas, as mesmas serão disponibilizadas ao mercado em geral. As seguradoras sócias podem inscrever até 12 colaboradores e as Corretoras/Prestadores Sócias até 6 colaboradores, o pedido deve partir sempre da Seguradora ou PJ Associada para os e-mails secretaria@cvgrs.com.br ou cvgrs@terra.com.br com o nome completo das pessoas a serem inscritas e a respectiva atividade que exercem junto à Associada.

Segmento de franquias cresceu 8% em 2017 1849

Investimento em um negócio consolidado é a grande chance para quem quer abrir o seu próprio negócio

Cresce cada vez mais o número de franqueados no Brasil. É o que apontam os dados preliminares da Associação Brasileira de Franchising (ABF) em relação ao ano de 2017, divulgados no dia 11 de janeiro. De acordo com a entidade, o mercado de franquias teve um crescimento de 8% no ano passado, gerando um faturamento de 163 bilhões.

Ser dono da sua própria empresa e investir em um sistema de negócio já modelado são algumas das atribuições que fazem as pessoas pensarem em adquirir franquias de empresas já consolidadas no mercado. Os dados da ABF mostram que, no Brasil, 88% dos novos empreendedores estão concentrados no Sudeste. A alta concentração de franqueados na região faz com que os outros 12% sejam divididos entre Centro-Oeste (6%), Nordeste (4%), e Sul (2%).

Além disso, os números indicam que no mercado brasileiro, o investimento em franquias nacionais ((88%) é superior em relação ao de países como Estados Unidos (4%), Espanha (4%), Japão (2%) e França (2%). Logo, com o aumento de franquias no Brasil, cresce também o número de oportunidades de emprego. Só em 2017, mais de 1,2 milhões de empregos foram gerados pelo franchising.

Life Brasil Franchising teve início em 2017 e conta com franqueados nas regiões Sudeste e Sul do Brasil

Além dos dados que mostram o crescimento do mercado de franquias no Brasil, a expansão da empresa e a importância do garantir um seguro de vida foram alguns dos pontos que levaram o Grupo Life Brasil a inovar e lançar o seu próprio sistema de franquias: a Life Brasil Franchising. O projeto teve início em 2017 e já conta com franqueados nas regiões Sudeste e Sul do Brasil.

Um dos diferenciais da holding, que possui quase 20 anos de experiência na venda direta de seguro de vida, é o treinamento da metodologia de sucesso em vendas. Com isso, além de receber o negócio modelado, os futuros empreendedores também têm a oportunidade de aprender, em duas semanas de ensinamentos, com a equipe de formação em ProteCoaching do Grupo.

Um dos exemplos mais recentes de novos franqueados da holding é o empresário Daniel Mendes Campos Cardoso, 32 anos. O novo franqueado do Grupo Life Brasil adquiriu uma franquia home office, recebeu os treinamentos da metodologia de vendas da empresa e já conta com uma equipe de trabalho em Belo Horizonte, Minas Gerais.

“Nesse processo, o ponto mais importante no meu treinamento foi a metodologia do Grupo Life Brasil e os números apresentados. Todo esse conceito que a empresa criou para alcançar esse sucesso foi comprovado e funciona. Além disso, todo esse método para garantir excelência nas vendas foi repassado passo a passo para aplicarmos no nosso negócio”, disse Daniel.

Com a estimativa a favor do franchising em 2018, o Grupo Life Brasil possui uma grande meta: expandir suas franquias pelo país e garantir 80 franqueados neste ano. Para isso, a holding conta com quatro modelos de franquia (home office e três opções de escritório), com investimento inicial a partir de R$ 23.990 e tempo de retorno estimado em seis a dez meses. O franqueado pode alcançar até 2.500% de retorno num prazo médio de cinco anos.

Para saber mais informações sobre como adquirir uma franquia da holding, basta acessar este site..

Tokio Marine cresce 24,5% em cidades do interior de São Paulo 769

Destaques da unidade regional I foram as carteiras de Auto e Transporte

Julio Sato, diretor comercial Varejo São Paulo Interior I
Julio Sato, diretor comercial Varejo São Paulo Interior I / Divulgação

A Tokio Marine amplia cada vez mais sua participação no interior paulista. A seguradora registrou aumento de 24,5% no volume de negócios gerados em 2017, na comparação com o mesmo período de 2016. Os resultados obtidos são fruto, principalmente, do desempenho nas carteiras de Auto, com incremento de 27,9%, e de Transportes, com crescimento de 40,8%.

“Essa conquista mostra a força da parceria com os corretores e assessorias nas regiões de Campinas, Jundiaí, São Jose dos Campos, Mogi das Cruzes, Sorocaba, Piracicaba, Santos e Americana. Para 2018, vamos continuar investindo na capacitação da nossa equipe e dos parceiros de negócios, Corretores e Assessorias. Temos um excelente portfólio de produtos e um mercado cheio de oportunidades e, com isso, pretendemos continuar crescendo visando melhorar ainda mais a nossa rentabilidade”, afirma Julio Sato, diretor comercial Varejo São Paulo Interior I.

Em território nacional, a seguradora comemora o melhor desempenho em 58 anos. Em 2017, a companhia registrou crescimento expressivo de 17% e uma produção histórica de R$ 4,8 bilhões, o que a consolida como a quinta maior seguradora do País. Na carteira de Auto, o crescimento foi de 32%, com um recorde de 1,6 milhão de veículos segurados. Além da alta qualidade dos serviços e de uma ampla rede de corretores, a estratégia de lançar produtos inovadores, que atendam a diferentes nichos, a exemplo do Vida Individual, Auto Popular e Auto Roubo+Rastreador, seguros mais acessíveis em momentos econômicos desafiadores sustentaram esse significativo incremento.

Verão Super Seguro entrega mais prêmios 699

Ação litoral movimentou as redes sociais

A ação Verão Super Seguro do JRS realizou a entrega de mais dois prêmios dos sorteios realizados em nossa página no Facebook. Centenas de participantes disputaram os presentes ideais para levar à beira da praia.

A corretora de seguros Vera Gewehr e a Gerente da Unidade de Negócios Porto Alegre, Cíntia Ávila

Nesta segunda-feira foi a vez da corretora Vera Gewehr receber um super cooler e uma cadeira de praia do GBOEX. A entrega do prêmio foi realizada pela Gerente da Unidade de Negócios Porto Alegre do GBOEX, Cíntia Ávila.

A corretora Juraci Seleri, em visita ao JRS

Na sexta-feira, a corretora de seguros Juraci Seleri visitou a redação do JRS para receber sua cadeira de praia e um super guarda-sol exclusivo da Rio Grande Seguros e Previdência.

A ação de verão ainda não acabou e logo vamos anunciar novas promoções e ações especiais. Acompanhe tudo pelo nosso Facebook!