O mapa de empatia para desenvolvimento de soluções efetivas 3348

Confira artigo de Whatson Allen, designer de User Experience da GFT

A experiência dos usuários é um assunto latente, e mais, sua análise é imprescindível para o sucesso dos negócios e para promover a transformação digital. Mas será que as empresas realmente sabem quem são os seus clientes? Ou ainda, quais são os desejos e as reais necessidades de seus usuários? Afinal, para oferecer a melhor experiência por meio de um produto ou serviço, principalmente no ambiente digital, é preciso entender efetivamente seu usuário.

O Mapa de Empatia (empathy map), uma ferramenta do Design Thinking criado por Dave Gray, pode ajudar nesta imersão. Trata-se de uma ferramenta que nos leva a pensar sobre os usuários que queremos servir e não sobre o produto que queremos construir. Efetivamente, a proposta é se colocar no lugar do cliente e fazer uma imersão no seu cotidiano a fim de compreender os impactos emocionais e suas percepções sobre um produto ou serviço.

E qual a principal mudança ao usar? De acordo com a Interaction Design Foundation, os usuários são muito mais incentivados a consumir e escolher produtos que efetivamente atendam suas necessidades. E como já dizia Steve Jobs, “não é trabalho do consumidor saber o que ele precisa”, mas é tarefa das empresas anteciparem suas necessidades. Além disso, as relações socioeconômicas e tecnológicas estão em constante evolução, por isso os times de User Experience precisam estar atentos a essas novas necessidades e desejos, bem como seus impactos na sociedade e nos usuários.

Preencher corretamente um mapa de empatia nos permitir visualizar claramente os pontos mais valorizados pelos usuários e, principalmente, a oportunidades de construir soluções assertivas. Começamos abordando o usuário de forma objetiva buscando identificar: 1. Quem é o usuário? Seu nome, posição e papel na empresa ou na sociedade. 2. O que ele vê e sente? Aqui é preciso tentar responder perguntas como: qual é a percepção do cliente sobre o mundo? Como é o mundo (social, familiar e organizacional) em que ele vive? O que ele pensa da vida e do futuro? 3. O que ele espera? Ou seja, quais são as esperanças e desejos para o futuro? Quais são os seus planos? O que ele precisa para se sentir melhor? O que tem feito para ser feliz? 4. O que lhe inspira? Aqui queremos responder perguntas como: quais são os pontos que motivam e alegram o usuário, suas satisfações, seus sonhos? Quem são seus ídolos? Quais os ideais que o inspiram a ser melhor? O que é sucesso para ele? 5. O que ele teme? Quais são seus medos e insatisfações? O que o frustra? O que tem sido uma dificuldade em seu desenvolvimento? De que ele reclama e quais são seus problemas?

Com essas perguntas, podemos entender de forma aprofundada o sentimento do usuário em relação a um processo, software ou produto e propor uma solução que atenda suas reais necessidades.

Não importa o quão excelente e completo o seu trabalho em prol da experiência de usuário seja, nada disso fará a diferença se a solução não for de fato projetada e centrada no cliente. Se esperamos até a fase de projeto e construção de um projeto para expressar a importância da centralização do usuário, demoramos e desperdiçamos muito tempo de reação.

As análises de big data e o uso de algoritmos e de plataformas de inteligência artificial auxiliam as empresas a se antecipar, processar e avaliar as necessidades e desejos dos clientes. Mas, o processo de conhecer a fundo o seu cliente para se colocar em seu lugar, que vai além de ter apenas dados e trocas de informações qualitativas, também conta com o mapeamento e o brainstorming do time de UX para desenhar as personas e compreender o fator humano fatores que serão o grande diferencial na vida do usuário e que promoverão a satisfação e a fidelização à solução desenvolvida.

Todos os negócios de sucesso necessitam de um entendimento profundo dos seus usuários. Apoiá-los nos momentos de dúvida e de tomada de decisão tem o poder de elevar as relações interpessoais a um novo patamar, regidos pela confiança e cumplicidade, alcançando níveis de comprometimento e engajamento entre toda a corporação. Muito além de dados quantitativos, com o mapa da empatia somos capazes de extrair sentimentos e percepções para entregar cada vez mais valor nas nossas soluções de acordo com cada particularidade dos usuários e projetos.

Riscos em segurança: prevenir ou remediar? 11280

Confira artigo de Paulo Sergio, especialista em Gestão de Riscos e Segurança Patrimonial da ICTS Security

Surpresas boas ou ruins são inevitáveis. Situações adversas que causam danos físicos e materiais podem ocorrer em qualquer atividade. Por isso, é importante que os empresários ou os comerciantes considerem a possibilidade de danos a equipamentos, instalações, perdas no processo de produção e até mesmo a redução ou interrupção da capacidade produtiva do seu negócio. Conhecer os custos destes possíveis prejuízos também é importante.

Todos nós já vivenciamos ou conhecemos alguém que esteve em uma situação de perigo, trazendo danos financeiros ou fatalidades como a perda de um ente querido. A tendência do ser humano é pensar que nada acontecerá com ele, deixando-o na zona de conforto para enfrentar as adversidades.

Dominar o cenário no qual estamos inseridos e os riscos aos quais estamos expostos ajuda a escolher, entre as opções disponíveis, as que propiciam melhor controle das situações. Uma análise detalhada de sua rotina profissional ou de seus hábitos domésticos ajudam a fazer escolhas. O olhar de um profissional especializado é efetivo na tomada de decisões sobre nossa segurança.

Em função do fácil acesso à informação, temos como conhecer antecipadamente uma série de fatores, a exemplo menciono condições climáticas, locais de grande concentração de violência, frequência de furtos em um determinado bairro, entre outros. Estar informados nos mantém atentos aos riscos e faz a diferença no modo como nos preparamos para evitar ou desviar de situações desagradáveis.

Quando escolhemos um automóvel, de modo geral, os critérios de escolha são gosto pessoal, motorização, conforto e tecnologia embarcada. Para comportar-se preventivamente, é importante acrescentar nesta análise o quanto este modelo é visado para roubos e furtos e seus índices de sinistros. Custos com seguros também são importantes, pois ao assumir despesas muito altas, é provável que o proprietário passe a economizar em itens como estacionamento, o que o torna mais vulnerável.

O pior risco é aquele que não é assim considerado e, portanto, não tratado. Profissionais especializados em gestão de riscos identificam e categorizam vulnerabilidades, planejam e controlam processos, treinam e a capacitam pessoas, orientam sobre uso e investimentos em tecnologia, bem como atuam em monitoramento e reavaliação constantes para garantir a qualidade da gestão dos riscos.

Eliminar todos os riscos não é uma possibilidade real, entretanto, gerenciar de maneira inteligente, antecipar possibilidades e condições inseguras é a alternativa mais adequada. O comportamento preventivo tem por objetivo manter os riscos aos quais estamos sujeitos em níveis mínimos e aceitáveis para garantir o bem-estar e a tranquilidade em nossa vida e da nossa família.

Com sinistros em alta, consultoria oferece novas soluções para a aceitação de seguros patrimoniais 1742

Tailor Insurance destaca aumento de sinistros em armazéns e depósitos

O mercado de seguros empresariais fechou o primeiro semestre de 2017 com quase R$ 8,2 bilhões em prêmios de seguros, comparados com R$ 7,7 bilhões no mesmo período de 2016. Em 2015, o número foi de R$ 7,1 bilhões, segundo dados da Susep. O seguro patrimonial ou empresarial é o que protege empresas, como indústrias, fábricas ou escritórios, de incêndios, danos elétricos, mercadorias, responsabilidade civil, lucros cessantes, entre outros.

Em paralelo a crescente procura pelo mercado de seguros empresariais, o número de sinistros também observou um aumento em 2017. Segundo dados da Tailor Insurance, o aumento foi observado, em sua maior parte, em incêndios de armazéns e depósitos. Este aumento de sinistros provoca uma redução do apetite das seguradoras para estes tipos de locais e atividades.

Para a grande maioria das empresas com atividades de armazenagem, depósitos, logística, ou similares, que conseguem algum tipo de colocação para o seu seguro, o prêmio (valor a pagar pelo seguro) torna-se muito alto. “Muitas empresas deste setor que possuíam uma estabilidade recorrente ao longo dos últimos anos enfrentaram dificuldades na renovação do seus seguros devido ao péssimo resultado que este tipo de risco leva para as seguradoras e, principalmente, aos resseguradores. Em algumas seguradoras observamos que o prêmio do seguro chegou a dobrar devido aos reajustes das taxas atribuídas a estas atividades”, conta Antoine Maleh, executivo de contas da Tailor Insurance.

Por outro lado, a Tailor Insurance traz soluções diferenciadas para montar esses tipos de seguro com valores mais acessíveis aos seus clientes. “Desenvolvemos outros meios que entregam maior valor agregado para garantir ao cliente uma colocação para seu risco. Com isso, conseguimos apresentar ao segurado um preço justo cobrindo seu risco na totalidade desestimulando o cliente a fazer o chamado “auto-seguro” que no caso de um sinistro, pode trazer prejuízos insustentáveis”, completa Maleh.

Os seguros empresariais de empresas com maior valores em risco, em sua maioria indústrias e fábricas, são conhecidos como riscos nomeados e operacionais (all risks). Atividades como Armazéns secos, armazéns gelados, frigoríficos, armazéns logísticos e similares, vem cada vez mais se tornando atividades empresas com maiores dificuldades de colocação no mercado segurador.

“Nosso mestre Sérgio Petzhold” 6731

Ricardo Pansera descreve momentos com um dos ícones do mercado segurador brasileiro

Tive o privilégio de conhecer o Sérgio Petzhold no começo dos anos 1980, quando ele era presidente do Sincor-RS e convidou meu pai Albino, a mim e meu irmão Roberto para colaborarmos com o Sindicato. Graças a ele, o Sincor abriu sua primeira delegacia regional, em Canoas, começando aí o processo de interiorização.

Logo nos primeiros contatos, vi que estava diante de um verdadeiro líder, um guerreiro que contagiava a todos com suas iniciativas pioneiras e não desistia enquanto não via os planos saírem do papel e se transformarem em realidade. Sérgio delegava poderes, incentivava a equipe a trabalhar, como deve fazer um comandante.

Foi um dos pioneiros que, em 1975, lançou a ideia da nossa Fenacor, em união com presidentes dos principais Sincor’s do Brasil. Batalhou incansavelmente para a compra da primeira sede própria do nosso Sindicato, na Galeria A Nação, em Porto Alegre. E se empenhou mais ainda na compra da atual sede, no 17º andar do Edifício Coliseu, bem como em sua reforma e ampliação.
Como esquecer sua obstinação para varrer do nosso setor de atividade aqueles “falsos corretores”, pessoas sem nenhum preparo que “vendiam” apólices? E sua dedicação para mostrar as diferenças entre um contrato de seguro feito por um corretor e um gerente de agência bancária?

Nesta mesma esteira, teve uma luta especial em apoiar o curso da Escola Nacional de Seguros para a formação de Corretores de Seguros, com direito a se habilitar junto à Susep para exercer a digna e relevante atividade de Corretor Profissional de Seguros (assim mesmo, com letras maiúsculas).

Foi ele quem, no esforço de valorizar a imagem do corretor de seguros, criou o slogan “Com Corretor de Seguros, é muito mais seguro”, mote de campanhas publicitárias institucionais, com o qual sempre encerrava seus pronunciamentos.

Sérgio esteve entre os fundadores da nossa Cooperativa de Crédito Mútuo de Corretores de Seguros (Credicor-RS), em 1º de julho de 1999, entidade que presidiu até seu falecimento. Foi sempre um defensor convicto do “Banco dos Corretores de Seguros”, uma alternativa para nossa categoria com os menores juros do mercado para quem precisa tomar empréstimos e com as maiores rentabilidades para quem aplicar.

Não posso esquecer de sua capacidade de liderança, que impulsionou a realização dos Encontros Regionais, dos Encontros Femininos, das palestras para jovens estudantes do projeto Cultura do Seguro, do Jantar dos Cozinheiros, dos torneios de tênis entre os corretores, esporte pelo qual era apaixonado.

Entre as honrarias recebidas com toda a justiça, cito o título de membro da Academia Nacional de Seguros e Previdência (ANSP) por seu conhecimento sobre o tema e de Cidadão Emérito de Porto Alegre, cidade onde nasceu e residia, que soube honrar com seu trabalho e liderança, concedido pela Câmara Municipal da Capital. Também a honraria recebida da Fenacor por ocasião do Encor Gramado, comenda que ele exibia com muito orgulho.

Com o seu passamento, perdemos um líder, um guia competente, um corretor que se dedicou de corpo e alma à sua profissão, à sua família e ao nosso Sincor.

Por tudo isto, muito do que somos e conquistamos, devemos ao Sérgio.

Tenho certeza que onde ele estiver, continuará a fazer amigos, reunindo, liderando, empreendendo, contando causos e passagens do cotidiano. Perdemos um grande e fiel amigo, mas o céu ganhou uma estrela de brilho ímpar.

Saiba mais: Falece Sérgio Alfredo Petzhold

Os planos de saúde não são o diabo 3899

Confira artigo de Antonio Penteado Mendonça

em gente que sataniza os planos de saúde privados colocando neles a culpa por todas as mazelas do sistema de saúde nacional. Das filas no SUS aos desempregados que perderam seus planos, as operadoras dos planos de saúde privados, para eles, são os vilões da história porque querem ganhar dinheiro com saúde, o que seria um crime.

Minha primeira reticência começa aí. Que profissional que trabalha com saúde não ganha dinheiro exercendo sua profissão? Indo além, será que o melhor dos mundos não seria as Santas Casas serem superavitárias? Se o fossem, não dependeriam do SUS para exercer a misericórdia e oferecer atendimento digno aos milhões de brasileiros que dependem delas.

Não tenho procuração para defender os planos de saúde privados e concordo que as diferenças entre eles são grandes e que uns operam melhor do que outros. O que não quer dizer que sejam todos bandidos ou responsáveis pelas mazelas que condenam milhões de pessoas a um atendimento chinfrim porque o governo não tem mais dinheiro para investir em saúde.

Os planos de saúde privados não são heróis. Não é essa sua função. O que eles prometem e na maioria das vezes entregam é o cumprimento de seus contratos, arcando direta ou indiretamente com os custos dos procedimentos médico-hospitalares de seus consumidores, desde que estejam cobertos.

Mas se os planos de saúde privados não são heróis, também não são demônios, nem estão aí para assombrar a vida de quem tem um problema de saúde e necessita deles. Na imensa maioria das vezes, os clientes são atendidos dentro de rotinas operacionais fáceis e sem nenhuma complicação, bastando a apresentação da carteira do plano para a realização de uma série de procedimentos.

Existem situações em que o segurado é obrigado a solicitar a autorização prévia para a realização dos procedimentos indicados, mas mesmo estas autorizações normalmente são dadas de forma rápida, sem maiores burocracias. O exemplo da judicialização crescente do tema não é argumento válido para mostrar a má-fé ou a intenção da operadora do plano em não atender o cliente. É evidente que as operadoras não são iguais e isso pode levar a diferenças importantes nos serviços prestados, variando bastante de plano para plano.

É verdade que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) está buscando soluções viáveis para permitir que os segurados de operadoras sem escala ou condições mínimas para atendê-los dentro dos requisitos exigidos possam migrar para outras operadoras capazes de garantir-lhes o atendimento para o qual pagam. Um grande número de operadoras pequenas não tem condição de fazer frente ao quadro e a única solução é sua saída do mercado, seja pela interrupção das atividades, seja porque é absorvida por outra empresa maior e mais capitalizada.

Esta situação é consequência da Lei dos Planos de Saúde, que impede o surgimento de produtos mais afinados com a realidade.

Além disso, a crise por que o Brasil passa afastou milhões de pessoas dos planos de saúde privados. O impacto da perda de receita fragilizou mais de uma operadora, pela perda de escala, para fazer frente aos seus compromissos. Simplesmente suas despesas passaram a ser maiores do que suas receitas e ninguém consegue viver muito tempo gastando mais do que ganha.

A importância da contribuição das operadoras de planos de saúde pode ser aferida pelo número impressionante de 1,5 bilhão de procedimentos autorizados anualmente. Não só porque significam bilhões de reais pagos aos prestadores de serviços, mas porque praticamente desoneram o SUS do atendimento de 50 milhões de brasileiros que integram o sistema.

Com a retomada do crescimento, alguns milhões de pessoas devem voltar a ser clientes dos planos de saúde privados. É bom, mas é pouco para melhorar o atendimento médico-hospitalar. Os planos privados respondem por mais de 60% dos recursos investidos em saúde. Uma legislação com menos ideologia e mais pragmatismo poderia permitir que mais gente fosse atendida por eles.

*Antonio Penteado Mendonça é sócio de Penteado Mendonça e Char Advocacia e secretário Geral da Academia Paulista de Letras

Compliance é tema dos atuais MBAs do País, reporta advogado 4581

Cursos atuais Lato Sensu incluem novas questões para a formação de executivos e é fundamental que estejam antenados às mudanças na sociedade

Master of Business Administration é um grau acadêmico de pós-graduação Lato Sensu (expressão em latim que significa “em sentido mais amplo”) voltado para quem se interessa pelas áreas de gestão de empresas e gestão de projetos. Esse tipo de curso é capaz de auxiliar os executivos a se preparem para lidar com os possíveis desafios da empresa – e, acredite, temas como Compliance estão cada vez mais presentes em debates em sala de aula. Assim como, design thinking, inovação, tecnologia e política nacional e internacional, reporta o advogado Bruno Fagali, que também é membro da Fagali Advocacia.

O diretor do Instituto Coppead de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o professor Vicente Ferreira, ressalta que grandes escolas incorporaram, de maneira transversal, discussões que tratam sobre responsabilidade social e ambiental, necessidade de garantia de transparência, afastando ou minimizando os conflitos de interesse (governança), dentro do mais elevado padrão ético.

A Fundação Getúlio Vargas, por exemplo, para se adequar aos novos tempos, faz reuniões periódicas com as empresas que a informa o que se espera ver nos cursos, aponta Fagali. “Nossos cursos são atualizados a cada dois anos ou menos se um conteúdo for muito relevante. De maneira geral, estes novos conteúdos geram cursos de pequena e média duração e em seguida incorporados aos MBAs”, explica o diretor de Programas e Processos Acadêmicos, Gerson Lachtermacher.

O professor de marketing e branding e coordenador do MBA de Marketing Estratégico da ESPM-Rio, Marcelo Boschi, evidencia que os atuais cursos Lato Sensu incluem novas questões para a formação de executivos e é fundamental que estejam antenados às mudanças na sociedade. Ou seja, é necessário fazer revisões constantes do conteúdo das disciplinas – tanto na elaboração de grades curriculares novas ou atualização de disciplinas específicas, reproduz Fagali.

“A questão do compliance, por exemplo, é sempre um grande desafio, seja pela atualidade do tema, seja complexidades que ele pressupõe. É preciso estar atento para que esta questão seja tratada de forma multidisciplinar e que os professores estejam preparados para discutir esta questão, sob uma ótica inovadora e integrada ao conteúdo. Em nosso caso entendemos que esta é uma questão que deve ser abordada, por exemplo na disciplina de Branding, pois diz respeito ao principal ativo intangível da empresa que é sua reputação”, avalia Marcelo Boschi.

Outro assunto que tem sido bastante tratado nos MBAs atuais é o empreendedorismo, reporta Bruno Fagali. De acordo com o reitor acadêmico da UniCarioca, Maximiliano Damas, o tema é essencial para o desenvolvimento dos alunos e, consequentemente, do país.

Fagali destaca, ainda, que, segundo o diretor de ensino de pós-graduação da Unisuam, Eduardo Murad, em geral, os estudantes buscam em um MBA um conjunto de aspectos, tais como: conteúdo atual e inovador; aplicabilidade na realidade dele; um network que traga novas ideias, oportunidades e projetos metodologias de ensino ativas e adaptativas; tecnologia em sala de aula; e, em alguns casos, suporte para um reposicionamento, atividades de coach e similares.