2017: Um grande ano 10619

Confira uma seleção especial de reportagens da Revista JRS na edição 208

Chegamos ao fim de mais um ciclo. É chegada a hora de rever alguns dos principais momentos do mercado de seguros no ano de 2017. Um ano marcado por grandes eventos, como a 15ª edição do Troféu JRS.

A seleção de reportagens veiculadas nessa edição usou como critério a relevância de conteúdos mais acessados no site da Revista JRS na internet e também o período em que foram veiculados, sendo priorizados os conteúdos publicados em edições não tão recentes de nossa publicação, que, mais uma vez, esteve ao lado do mercado de seguros.

Analisando os caminhos do setor e de seus profissionais podemos ter a certeza de um 2018 com resultados ainda melhores. Que o otimismo tome conta de seu negócio no próximo ano e que possamos estar juntos novamente!

Autosul Locadora está em novo endereço em Porto Alegre 1478

Espaço aproxima serviços do Grupo Autosul

Fernando Della Flora, executivo da Autosul Locadora

A Autosul Locadora está em novo endereço na Capital gaúcha. Quem quiser encontrar o serviço de qualidade da empresa, com mais de 15 anos no ramo de locação de veículos, pode ir até a Avenida Brasil, 870, no bairro São Geraldo.

O novo espaço comporta com mais comodidade as operações da empresa, além de estar localizado em frente a oficina do Grupo Autosul. “O intuito da mudança é tornar todos os serviços mais próximos, deixando ainda mais prático e agradável para os nossos clientes”, destaca o executivo da Autosul Locadora, Fernando Della Flora.

A Autosul Locadora também possui filiais em Novo Hamburgo, Caxias do Sul, Santa Maria e Pelotas.

Novo endereço Autosul Locadora Porto Alegre:

Avenida Brasil, 870 – Bairro São Geraldo, Porto Alegre (RS)
Horário de atendimento: De segunda à sexta, das 8h às 18h
Sábado das 8h às 13h

Aumento nas vendas de consórcio impulsiona setor de veículos leves 1278

Carros

Volume de crédito para aquisição de automóveis ou utilitários cresce 7,3% e atinge R$ 9,6 bilhões nos cinco primeiros meses do ano

O crescimento nas adesões e contemplações dos consórcios de veículos leves podem contribuir com o impulso do mercado automotivo neste ano. Nos cinco primeiros meses de 2018, mais de 235,3 mil pessoas foram contempladas e tiveram a oportunidade de utilizar R$ 9,6 bilhões em crédito para comprar um veículo leve (automóveis, camionetas ou utilitários), segundo dados da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC). Esse número é 7,3% superior ao registrado em igual período de 2017, quando 219,5 mil pessoas contempladas nessa categoria se valeram de R$ 8,95 bilhões para a aquisição de veículos dessa categoria.

“Como o consumidor tem adotado a medida de planejar com antecedência a compra de um veículo, o consórcio tem se mostrado uma ótima solução. Prova disso é que o número de adesões está em crescimento”, destaca Rogério Pereira, Diretor Comercial da Embracon, administradora de consórcios há 29 anos no mercado. “Além disso, o crédito disponibilizado no mercado constituiu um fator importante para a cadeia produtiva do segmento automobilístico, que é beneficiada com a venda de veículos nos meses subsequentes, quando o consorciado se vale da carta de crédito para concretizar a compra”, considera.

Rogério Pereira é Diretor Comercial da Embracon
Rogério Pereira é Diretor Comercial da Embracon

O segmento de Veículos Leves representa cerca de 51% do mercado de consórcios. Até maio deste ano, esse segmento registrou 3,57 milhões de participantes ativos, o que significa 4,1% a mais do que os 3,43 milhões até maio de 2017. Outro ponto é que as adesões aumentam mês a mês. Mais de 467 mil novas cotas de consórcio de Veículos Leves foram comercializadas entre janeiro e maio deste ano, volume 8,5% superior às 430,6 mil novas cotas registradas em igual período do ano passado.

Dados da ABAC indicam que, na média nacional, cerca e 31% dos veículos leves são comercializados no Brasil por meio de consórcio.Isso significa que um a cada três veículos leves são adquiridos no país por meio desse sistema. Esse índice é quatro vezes o observado em 2009, quando apenas 7,8% dos veículos leves eram adquiridos por consórcio.Na região Nordeste, esse índice chega a 40,8%, seguida das regiões Centro Oeste (34,9%) e Norte (32,7%). Os Estados que lideram a utilização de consórcio para a compra de veículos leves são a Bahia (62,3%), Mato Grosso (52,5%) e Tocantins (45,4%).

Mercado Automobilístico

Os reflexos da contribuição do segmento de consórcio para as vendas de veículos podem ser observados nos dados do mercado. Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), os licenciamentos de veículos leves registraram aumento de 13,7% e passaram de 993,1 mil no primeiro semestre de 2017 para 1,1 milhão no mesmo período de 2018.

Os resultados apresentados pela Federação Nacional de Distribuição de Veículos (Fenabrave), entidade que representa os concessionários, confirmam a tendência, uma vez que foram emplacados 1,1 milhão de veículos leves no primeiro semestre de 2018, número 13,7% superior aos 991,3 mil emplacados no primeiro semestre de 2017.

“Adquirir um veículo por meio de consórcio é extremamente vantajoso. Além não incorrer juros, é uma modalidade bastante flexível. Outro ponto é que a carta de crédito é vantajosa para ambos os lados porque garante mais poder de negociação para o comprador e representa dinheiro em caixa para o vendedor”, complementa Pereira.

Vantagens do Sistema de Consórcios:

A flexibilidade e possibilidade de crédito acessível, sem incidência dos juros praticados pelo financiamento bancário, tem atraído cada vez mais o consumidor. Veja algumas das vantagens do Sistema de Consórcios:

  • O sistema conta com várias opções de crédito, prazos e parcelas que cabem no orçamento do consorciado;
  • Para participar não é necessário avalista e nem comprovação de renda;
  • A carta de crédito dá ao consorciado o poder de negociar a aquisição do bem à vista, o que lhe confere mais poder na hora de negociar;
  • Após a contemplação no consórcio de automóvel, a carta de crédito pode ser utilizada para quitar um financiamento ou consórcio de outra administradora em nome do próprio consorciado;
  • O consorciado pode utilizaro carro usado como lance na comprade um novo;
  • O sistema de consórcio conta com legislação específica e a administradora deve ser autorizada e fiscalizada pelo Banco Central, o que traz mais segurança ao consumidor.

Corretores precisam estar atentos às mudanças nos planos de saúde 2530

Médicos

ISB Brasil orienta os profissionais a acompanharem as movimentações do mercado

O mercado de planos de saúde está em constante transformação. Em menos de um mês, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinou duas importantes modificações: a suspensão da venda de 31 planos de saúde de 12 operadoras, e reativação de 33 planos de 16 operadoras; e as novas regras para a aplicação da coparticipação e franquia em planos de saúde, que entrarão em vigor em 180 dias.

Na avaliação do diretor de Saúde e Dental do Instituto Superior de Seguros e Benefícios Brasil (ISB Brasil), Carlos André Cordeiro, o corretor de seguros deve se especializar cada vez mais e estar atento para cientificar os clientes destas alterações e prepará-los com as opções que surgirão. “Hoje, os canais de informação são grandes responsáveis pelo bom desenvolvimento do nosso mercado, mas também podem fazer com que caiamos em descrédito. Cabe ao profissional atuar como consultor, desmistificar algumas questões recorrentes e, com transparência, levar ao consumidor a segurança de uma boa contratação. Treinamento e informação são primordiais para o profissional desta área”, afirma.

A suspensão de planos de saúde não afeta apenas as operadoras, mas também os corretores, que deixam de ter um produto em sua linha de comercialização. “Este fato pode ser muito ruim caso ele tenha investido em equipe, promoções e investimentos para realização de vendas do produto”, observa Cordeiro, destacando que hoje existem mais de 50 mil planos entre ativos, inativos, em comercialização e com outros status, como os suspensos. “A suspensão acontece normalmente por descumprimento das regras impostas pela ANS, seja por demora nos prazos de atendimento de beneficiários em consultas, exames ou outras anormalidades. Durante o período de suspensão é garantida a cobertura para todos os usuários. Contudo, a operadora não pode incluir nenhum novo beneficiário no plano nem registrar qualquer outro junto ao órgão regulamentador. Quando a ANS verifica que não há mais risco para o consumidor os planos podem ser reativados”, diz.

Para o corretor, as interferências da ANS, sejam incluindo mais tratamentos no ROL de coberturas, ou limitando fatores moderadores resultarão em aumento de custos e reduzirão o público com capacidade de compra.

JRS acompanha 20º Transposul, em Bento Gonçalves (RS) 11191

Mercado de seguros marca presença na feira

No final de junho, foi realizada a 20ª edição da Transposul. O programa Seguro Sem Mistério, apresentado de forma inédita aos domingos, a partir das 11h30min, no Canal BahTV, acompanhou tudo de perto e traz todos os detalhes ao público.

Test Drive de caminhões, Feirão de Seminovos, Visitas Orientadas pelos stands, espaço Pit Stop Logístico e outras atrações rechearam a programação do encontro. O público-alvo são os profissionais de transportes de carga.

Representando o setor de seguros, o Grupo MBM, juntamente com a Promaster Corretora de Seguros, participam do evento. Entre os seguros expostos na feira, o destaque é o AP Caminhoneiro, que oferece ao motorista (e seu ajudante, se contratado) tranquilidade durante as viagens seguradas pelas apólices de RCTR-C, RCTA-C e Transporte Nacional. Fácil de ser contratado e altamente flexível.

Foi a primeira vez que o MBM participou do evento. Para o superintendente comercial do Grupo, Alexsander Kaufmann, a participação do MBM gerará maior visibilidade para a seguradora.

“Decidimos participar porque a feira é direcionada não somente para compradores de caminhões, mas para seus usuários/motoristas, corretores e públicos voltado ao segmento de transporte”, comenta. “A Transposul conta com stands de grandes corretoras e é muito bom fazer parte deste grande evento. Pretendemos voltar no próximo ano”, completa.

20º Transposul – Cobertura do JRS:

De Porto Alegre a Miami em uma Harley-Davidson 2285

Moto

O que você levaria nessa viagem?

Se para quem vai viajar de avião as dúvidas de o que levar na mala já são comuns, imagina para quem vai encarar uma primeira viagem longa de moto? Se são mulheres as viajantes motociclistas, elas prezam pelo minimalismo e levam a praticidade à risca, mas sem deixar de lado a capacidade de contornar transtornos e serem criativas na hora de solucionar problemas.

A dupla Ana Pimenta e Ana Sofia estão encarando uma jornada de 28.000km, com destino a Milwaukee (EUA) para celebrar a vida e os 115 anos da Harley-Davidson. Elas partiram de Porto Alegre (RS) no dia 19 de maio com a meta de passar por 11 estados brasileiros e concluir a visita em 115 concessionárias da marca, somando as nacionais e as situadas em cidades dos EUA, em meados de setembro. No projeto batizado de The Ride 115, o planejamento do que levar em uma viagem desse porte é fundamental, mas a experiência dos mais de 300 mil km que elas somam viajando sobre duas rodas foi fator decisivo para as escolhas. Elas compartilham as dicas para que os “marinheiros de primeira viagem” identifiquem o que é importante colocar na mala de acordo com o perfil e a rota.

Faça uma lista e reavalie cada item para destacar o que é importante – Capacete, luvas e bota são itens básicos para os motociclistas e são listados como bagagem. Itens para higiene pessoal podem ser calculados para determinados períodos ou só até a parada em alguma cidade, loja ou hotel onde possam ser repostos.

“Além da bota para andar de moto, levamos outro par multiuso adequado para chuva, trilhas ou caminhadas, um tênis e um chinelo. Parece muita coisa, se não fosse a quantidade de destinos, as mudanças de clima e os encontros que programamos e previmos em nossa viagem. Quanto menos, melhor, mas desde que atenda nossas necessidades”, pontua Ana Sofia.

Viajante1Os itens básicos para o motociclista também contam como bagagem, pois ocupam espaço – Extensor, reparador de pneu, bombinha para calibrar, por exemplo, são conhecidos pelos motociclistas e indispensáveis para a manutenção da moto na estrada. “A lista separada por seções diminui o risco de esquecer qualquer coisa. Coloque de roupas a documentos, até os eletrônicos, a farmácia particular, protetor solar… Isso ajuda na organização”, aconselham.

Separe o roteiro por pequenos blocos e leve roupa suficiente para aquele período. “No nosso caso, separamos roupa para uma semana e paramos na lavanderia. Nosso projeto é uma viagem que dura meses e que precisa cumprir agenda, então lavar duas ou três peças na pia do hotel, às vezes, ajuda muito. O que fomos vestindo entra na conta total se, por exemplo, coloquei duas calças jeans, especifiquei que uma vai no corpo e outra na mala”, explica Ana Pimenta.

Opte por peças “coringa”, independente do roteiro ou época do ano da viagem. Existem regiões no Brasil, por exemplo, em que as mudanças de temperatura em um dia são surpreendentes, mas mesmo em países em que isso não acontece, as peças feitas com tecidos inteligentes, como as “segundas peles” para o frio ou as que deixam a pele respirar e dissipam o calor acabam ocupando menos espaço e ajudam demais os motociclistas. Capa de chuva e colete para o frio são outras peças muito úteis.

Roupas e calçados novos? Se puder, evite. Deixar para usar coisas novas durante a viagem pode causar prejuízo, mas o contrário também se aplica. “A gente sempre fala para todo mundo quando viajar ir sempre com aquelas roupas que estão acostumados, as mais confortáveis. Nada de roupa nova, que aperta e machuca. Dessa vez eu exagerei: descolou o solado da minha bota, pegamos chuva e eu fiquei pensando em como iria andar com a bota descolada. Arrumei quando paramos em São Paulo”, finaliza Ana Sofia.

Um ponto a considerar é o porte da moto e qual a maneira mais confortável que cada um leva sua bagagem. Com o passar dos dias o cansaço é inevitável e o peso na moto faz diferença, por isso, o controle do peso da bagagem não deveria ser esquecido.

As Ana’s iniciaram o trecho internacional do The Ride 115 em Miami, no dia 26 de junho para visitar quase duas dezenas de concessionárias pela Flórida e seguir por outros estados até o grande dia de celebrar com outros harleyros, em Milwaukee.