Assista ao último programa 5370

Seguro Sem Mistério do dia 14 de janeiro

Assista ao primeiro Seguro Sem Mistério inédito de 2018. O programa é apresentado na NET Rio Grande do Sul, nos canais 520 e 526. Consulte sua operadora sobre a disponibilidade.

Mais de 48 mil corretores de seguros participaram de treinamentos 1470

Dados da SulAmérica indicam crescimento de 12% na participação em 2017

A SulAmérica registrou um aumento de 12% na quantidade de treinamentos realizados para capacitação de corretores em 2017. Foram 8.841 encontros durante todo o ano passado, ante 7.900 de 2016.

Veja também: 6 motivos para você contratar um seguro de vida em 2018.

Para o vice-presidente comercial, Matias Ávila, a participação dos corretores eleva a afinidade com a maior seguradora independente do país e a relação de confiança entre ambos. “O que fazemos é dispor ferramentas para que o profissional conheça melhor nossos produtos e tenha mais recursos para atender ao seu cliente da melhor maneira possível”, afirmou.

Matias Ávila é vice-presidente comercial da SulAmérica
Matias Ávila é vice-presidente comercial da SulAmérica / Reprodução

Confirmando a evolução registrada nos últimos anos, 48.845 corretores participaram do Programa de Capacitação de Corretores, no ano passado. O número representa alta de 9,4% frente aos 44.655 participantes em 2016.

Veja também: Ressarcimento de planos ao SUS não deve impactar beneficiários, segundo FenaSaúde

O Programa de Capacitação de Corretores é um dos pilares do PRA Corretor (Programa de Reconhecimento ao Corretor). Este, por sua vez, tem como foco a expansão de volume de negócios. Além de abordar as várias possibilidades de negócios com a SulAmérica, o programa ainda fornece dicas e informações sobre estratégias de vendas, sobretudo o cross-selling.

Corretores podem vender seguro de vida pelo celular 2528

Novidade é encabeçada pela Tokio Marine Seguradora

Divulgação

A Tokio Marine acaba de anunciar mais uma inovação que promete agitar o mercado e facilitar ainda mais a venda dos seguros individuais: a seguradora é a primeira a oferecer aos corretores a possibilidade de venderem produtos da carteira de Vida de forma 100% mobile, por meio de uma nova funcionalidade no aplicativo da companhia. A iniciativa é pioneira na medida em que ainda não existem outras empresas no mercado segurador que permitam a realização de cotações, transmissões e efetivações de apólices usando somente um aparelho celular.

“Desenvolvemos essa opção de vendas por causa de diversas conversas com parceiros, que nos revelaram a necessidade de uma ferramenta que pudesse ser levada de um lado a outro com facilidade. Muitas vezes, corretores que se deslocam com muita frequência acham pouco prático levar notebooks e/ou tabelas de vendas consigo para realizar cotações e transmissões. Com essa solução esperamos agilizar, otimizar e facilitar ainda mais os processos, gerando cada vez mais negócios para nossos Corretores!”, explica a diretora de Vida da Tokio Marine, Nancy Rodrigues.

A ferramenta estará disponível para corretores que possuem aparelhos Android ou iOS a partir do dia 1º de março. Para baixá-la, basta acessar este endereço.

IRB Brasil RE registra lucro líquido de R$ 925 milhões em 2017, alta de 8,9% 1542

Receita com prêmios emitidos cresce 17,4% e alcança R$ 5,8 bilhões; Linhas de Property, Rural e Vida puxaram os resultados no período

O IRB Brasil RE, líder em resseguros no Brasil, divulgou ao mercado na noite desta quinta-feira, 8/02, seus resultados consolidados referentes ao ano de 2017 registrando um novo recorde. A companhia contabilizou um lucro líquido de R$ 925,1 milhões no acumulado do ano, crescimento de 8,9% sobre 2016. O ROAE (Retorno Médio Sobre o Patrimônio Líquido) ficou em 26,8% no período. Outro destaque foi a receita com prêmios emitidos, que teve alta de 17,4% em comparação a 2016, totalizando R$ 5,8 bilhões.

Desse montante, R$ 3,7 bilhões foram prêmios emitidos no Brasil e R$ 2,1 bilhões no exterior. Um fator decisivo para essa alta foi o maior volume de contratos conquistados ao longo do ano. O segmento que liderou a emissão de prêmios emitidos no Brasil foi Property, que respondeu por 36,8%. Outras duas linhas de destaque no país foram: Rural (28,5%) e Vida (7,9%). Já no exterior, Vida respondeu por 35,1% dos prêmios emitidos, seguido por Property (26%), Rural (20,8%) e Aviação (7,8%).

Para o presidente José Carlos Cardoso, mesmo diante de um cenário macroeconômico desafiador, a estratégia adotada se mostrou assertiva. “A subscrição de novos contratos e a ampliação da participação em outros já existentes, além do desenvolvimento de novos produtos foram fundamentais para os resultados obtidos em 2017. Este ano, iremos seguir com a mesma estratégia, para que possamos, mais uma vez, compensar a tendência de queda da taxa SELIC, com entrega de resultados anuais crescentes. Temos o compromisso de seguir ampliando nosso negócio e, para isso, estamos investindo fortemente em pessoas e em tecnologia”, afirmou o presidente.

O resultado de subscrição também apresentou forte crescimento e somou R$ 817,0 milhões, 29,6% acima, frente ao ano anterior. Esse desempenho ocorre devido à nova realidade de preços, produtos com maior valor agregado, melhoria dos guidelines e treinamentos para as seguradoras parceiras, com objetivo de melhorar a subscrição e a gestão de sinistros. Como consequência disso, o índice de sinistralidade recuou 2,9 pontos percentuais, ficando em 59,0%.

O relatório cita ainda algumas iniciativas bem-sucedidas implantadas ao longo de 2017, como a transformação do IRB em centro de referência técnica em resseguro para o segmento de Agro na América Latina, a inovação por meio de pesquisa e desenvolvimento para novas tecnologias em seguro e resseguro, a otimização do processo de precificação de riscos e a consolidação da liderança no mercado brasileiro de resseguros. Outro objetivo atingido no ano passado, destacou o relatório, foi o aumento de eficiência e melhoria da rentabilidade. O índice de despesa administrativa seguiu em queda e passou de 6,6% para 5,5%, na comparação entre os períodos.

O vice-presidente Financeiro e de Relações com Investidores, Fernando Passos, comenta que 2017 entrou para a história do IRB Brasil RE por ter sido o ano da Oferta Pública Inicial de ações (IPO), o que reforçou o compromisso com a transparência de suas operações e deu condições à companhia de competir com os maiores players do mercado global de resseguros. “Os resultados do IPO foram muito positivos. Atualmente, estamos em 9º lugar entre as maiores resseguradoras globais em valor de mercado. Ao final de 2017, o valor do IRB era de R$ 10,6 bilhões, quatro vezes maior do que o registrado em outubro de 2013, quando a empresa foi privatizada. Desde a abertura de capital, dia 31 de julho, até 29 de dezembro, a ação valorizou 27,0%”, lembrou o executivo.

Brasil representa 18% do resultado da Mapfre Seguros 2269

Brasil representa 18% do resultado da Mapfre Seguros

Vendas do grupo segurador cresceram 3,3% em 2017

O faturamento da Mapfre no ano de 2017 totalizou 27,9 bilhões de euros (R$ 101,6 bilhões). A cifra representa aumento de 3,3% em relação ao ano anterior. Somente os prêmios de seguros superaram a cifra de 23,4 bilhões de euros (R$ 85,6 bilhões), com um crescimento anual de 2,9%.

Veja também: Vem aí a Jornada Capixaba do Seguro de Vida

O resultado do Grupo de 701 milhões de euros (R$ 2,6 bilhões). Uma redução de 9,7%, impactado de forma importante pelas catástrofes naturais ocorridas em 2017. Estes acontecimentos afetaram o Grupo em 126 milhões de euros (R$ 458,8 milhões).

Eventos catastróficos cobertos pela Mapfre em 2017
Eventos catastróficos cobertos pela Mapfre em 2017 / Divulgação

“Poucas companhias conseguiram absorver em seus resultados o efeito extraordinário das catástrofes naturais que tivemos no ano passado. Na Mapfre, assimilamos dois terremotos e três furacões ocorridos em diferentes locais do mundo. Fechar o exercício com um resultado superior a 700 milhões de euros (R$ 2,6 bilhões) é uma demonstração de capacidade e solvência e da acertada estratégia que adotamos, baseada no crescimento rentável, que compensa esse tipo de situação excepcional”, destacou Antonio Huertas, presidente da Mapfre.

Veja também: CVG-RS divulga agenda de eventos para 2018

Foram destaques a boa evolução dos negócios na Espanha. Além do excelente comportamento da atividade resseguradora. Mesmo com o impacto das catástrofes, o resultado líquido foi de 163 milhões de euros (R$ 650 milhões). O índice combinado foi de 94,8%.

O patrimônio líquido do grupo foi de 10,5 bilhões de euros (R$ 38,23 bilhões). Redução principalmente pelo impacto do câmbio nas operações fora da zona do euro. (696 milhões de euros, ou R$ 2,5 bilhões). Já os ativos totais do Grupo superaram os 67,5 bilhões de euros (R$ 245,8 bilhões).

O índice combinado da companhia situou-se em 98,1%, o que representa um excelente resultado técnico global. Sem os impactos das catástrofes este índice seria de 96,9% (0,5 pontos percentuais abaixo do ano anterior).

Veja também: Carnaval: 6 dicas de direção defensiva para a folia

Dividendos da Mapfre

O Conselho de Administração chegou a um acordo para propor à Assembleia Geral de Acionistas um dividendo complementar, representando 4,9% de rentabilidade em relação aos preços atuais da ação. Desta forma, a Mapfre destinará 447 milhões de euros ao pagamento aos seus acionistas relativo aos resultados do exercício de 2017, a mesma quantidade que no ano anterior. Isto representa um pay out de 63,7%.

Veja também: Corretores da Grande Porto Alegre prestigiam novidades da Mapfre

Cifras regionais da Mapfre

A Mapfre, principal multinacional seguradora na América Latina, aumentou seu volume de prêmios na região em 8,6%, totalizando 8 bilhões de euros (R$ 2,2 bilhões) em 2017. O resultado da operação somou 229 milhões de euros (R$ 833,8 milhões) na América Latina, ou seja 19% a mais que 2016. No conjunto, a área representa 34% dos prêmios e 32% dos resultados da companhia no mundo.

Já a atividade no Brasil cresceu 3,5% e gerou 4,5 bilhões de euros (R$ 16,6 bilhões) em prêmios, representando 20% das operações do Grupo no mundo. Os resultados somaram 128 milhões de euros (R$ 465,7 milhões), uma cota de 18,3% em relação ao resultado global. A redução de 11% nos resultados locais foi decorrente principalmente do aumento da sinistralidade na carteira de Autos e do menor volume de vendas no segmento de Vida do Canal Bancário.

“Acreditamos que as diversas medidas de revisão técnica adotadas em nossa carteira de Auto e a melhora do cenário macroeconômico devem gerar efeitos positivos em nossos resultados locais em 2018”, comenta Wilson Toneto, CEO da Mapfre no Brasil. O executivo destaca também a reformulação da parceria com a BB Seguridade, anunciada recentemente e em ainda curso.

Segundo Toneto, a conclusão deste processo produzirá incremento da participação acionária da Mapfre nos seus negócios no Brasil, permitindo avançar para uma estrutura de governança mais simples e eficiente e reduzir os custos internos, com melhora importante da produtividade e da rentabilidade dos negócios. “Acreditamos no País e seguiremos investindo no Brasil”, concluí o executivo.

Chubb diz que mercado de seguros para Life Science apresenta expansão contínua no Brasil 1487

Companhia lidera segmento nos Estados Unidos e Reino Unido

A Chubb, que lidera o setor de seguros especializados em Life Science nos Estados Unidos e Reino Unido, vem atuando no Brasil com pioneirismo nesse segmento composto por áreas como biotecnologia, farmacêutica, tecnologias biomédicas, cosméticos, suplementos alimentares, dispositivos médicos e outros. Conforme a companhia, o setor expandiu de forma contínua nos últimos anos no país, tendo em vista o crescimento da demanda por proteções específicas para pesquisa, desenvolvimento e comercialização de produtos e procedimentos concebidos para melhorar a vida das pessoas.

“O seguro da Chubb para o setor é bastante abrangente e cada segurado pode obter todas as proteções necessárias em uma só apólice”, diz Lívia Miranda Prado, responsável na Chubb pela área de seguros para Life Science. De acordo com ela, as principais coberturas englobam, à propriedade, interrupção de negócios, operações, empregador, prestação de serviços em locais de terceiros e responsabilidade por erros. A proteção ainda compreende testes clínicos em seres humanos, recall, omissões, danos à privacidade, ofensas à reputação e prejuízos por violação de dados privados.

Segundo Lívia, as empresas de Life Science estão continuamente expostas a ameaças de danos ocasionados pelo uso, consumo de produtos e procedimentos médicos em teste. “A proteção do seguro alcança uma grande variedade de riscos, incluindo os mais severos como danos corporais, doenças e eventuais óbitos associados com produtos e procedimentos em teste”, afirma. Por isso, diz ela que as empresas do setor normalmente obtêm da Chubb apólices específicas e adaptadas à suas respectivas necessidades.

Entre os diferenciais oferecidos pela Chubb no segmento, destacam-se a subscrição especializada, coberturas específicas para os produtos do segurado, responsabilização por falhas, gerenciamento de crise, recall, emissão instantânea de certificados para pesquisas clínicas (incluindo programas mundiais) e proteções voltadas para perdas de estoque por contaminação (ou deterioração), sigilo de informações, propriedade intelectual, danos à reputação, etc. “Tendo em vista o grande know-how que adquiriu no segmento, a Chubb não exige que as companhias de Life Science atualizem suas apólices cada vez que necessitam efetuar alguma alteração nos seus produtos e serviços. Esse aspecto, em particular, facilita muito o dia a dia do segurado”, destaca.

De acordo com Livia Miranda Prado, os seguros para empresas de Life Science exigem intensa especialização e, por isso, a Chubb fornece treinamentos aos corretores interessados em desenvolver negócios no setor.