Presidente Temer esclarece a resposta brasileira aos impostos americanos sobre o aço 4570

Temer

Detalhes do World Economic Forum Latin America, que acontece em São Paulo

O presidente do Brasil, Michel Temer, respondeu à declaração, na semana passada, do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre o aumento dos impostos de importação sobre o aço e o alumínio. O Brasil deve ser um dos países mais afetados pela proposta.

O Brasil pretende trabalhar com seus clientes americanos para pressionar o Congresso Americano e tentar reverter a medida. Em paralelo, diplomatas brasileiros estão conversando com a Organização Mundial do Comércio e outras nações afetadas sobre a possibilidade de protocolar uma denúncia conjunta contra as novas tarifas. “Devemos ter muito cuidado em nossa relação com os Estados Unidos”, diz Temer, observando que os Estados Unidos estão atrás apenas da China como o maior parceiro comercial do Brasil.

“Devo ligar para o presidente Trump em breve”, acrescentou Temer.

Temer fez seus comentários em resposta à pergunta de Klaus Schwab, Fundador e Presidente Executivo do World Economic Forum, durante o plenário de abertura do World Economic Forum sobre a América Latina, realizado na cidade de São Paulo, Brasil.

No mesmo painel, Aloysio Nunes Ferreira Filho, Ministro de Relações Externas do Brasil, apontou que os clientes americanos do Brasil incluem montadoras e fabricantes de eletrodomésticos. “Os trabalhadores comemorando [a cerimônia de assinatura dos documentos] ao lado do Trump também são consumidores de automóveis e eletrodomésticos”, diz Nunes. “Vamos nos esforçar para demonstrar o impacto negativo”.

Nunes também comentou a respeito das importações brasileiras de carvão americano para abastecer suas siderúrgicas. “Esses fatores devem ser levados em consideração”.

A sessão plenária teve a participação de Geraldo Alckmin, Governador do Estado de São Paulo, e João Doria, prefeito da cidade de São Paulo. Alckmin também abordou a questão comercial, dizendo que “algumas pessoas estão indo na direção do protecionismo, o que está errado”

A plenária também serviu como palco de duas premiações. O Forum concedeu o prêmio de Cidadão Global à Edson Arantes do Nascimento (Pelé), Diretor da Empresas Pelé, Brasil. O ex-futebolista é um astro e a personificação do “fair play”, diz Schwab. “Precisamos de mais fair play nas questões globais”.

“Estamos falando sobre o futuro do Brasil”, diz Pelé. “Hoje, posso ver como o futebol foi importante para o Brasil. O futebol cria renda e atrai comércio. O Brasil já demonstrou isso”.

Hilde Schwab, Presidente e co-Fundadora da Fundação Schwab para Empreendedorismo Social, concedeu o prêmio de Empreendedor Social do Ano na América Latina à Valdeci Ferreira, Diretor Executivo da Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC). A FBAC oferece uma “alternativa econômica” às prisões públicas enquanto reduz as taxas de reincidência.

O World Economic Forum sobre a América Latina está sendo realizado em São Paulo, entre 13 e 15 de Março. O evento reúne mais de 750 líderes mundiais e regionais para debater o tema: América Latina no Ponto de Inflexão: Criando uma Nova Narrativa.

Zurich comemora sucesso de ação com parceiros de negócios 332

Vou com Zurich

Campanha levou profissionais a viagens exclusivas para Zurique, Lisboa e Punta Cana

Mais de 200 parceiros de negócios da Zurich participaram, neste primeiro semestre de 2018, de experiências únicas por meio da campanha Vou com a Zurich. A ação integra o programa de relacionamento e incentivo da seguradora e premia corretores e parceiros estratégicos com viagens para diferentes destinos todos os anos, proporcionando momentos memoráveis.

A encantadora Zurique, a ensolarada Lisboa e a paradisíaca Punta Cana foram os destinos visitados. O grande diferencial das viagens foram os roteiros totalmente personalizados pela companhia para oferecer experiências exclusivas aos viajantes, como a neve no Monte Titlis e um Tour pelo Museu da FIFA, na Suíça; a cidade de Évora e a vinícola Herdade do Esporão, em Portugal; e a cinematográfica Ilha Samoa, na República Dominicana.

Para Edson Franco, CEO da Zurich, a ação foi um sucesso e reforça o compromisso da companhia em valorizar e reconhecer o trabalho dos seus parceiros de negócio. “Tivemos um feedback muito positivo da ação, o que nos deixa extremamente satisfeitos em poder oferecer esses momentos para profissionais que colaboram para que a Zurich continue a ser uma das maiores seguradoras globais”, afirma o executivo.

A próxima campanha Vou com a Zurich pretende premiar corretores e parceiros com viagens para Marrakesh e Aruba, em 2019.

5 dicas para tirar uma empresa do vermelho 445

Executivo

Especialista explica detalhes que podem fazer toda diferença

A crise financeira trouxe grandes desafios para os empreendedores brasileiros. Com isso, a redução de custos exige o corte de itens considerados supérfluos e outras medidas são tomadas pelas empresas para melhorar a rentabilidade dos negócios.

“Aqueles gastos que parecem pequenos podem comprometer os recursos da empresa e significar a diferença entre sobreviver ou fechar o seu negócio”, destaca Samuel Lopes, sócio da Tiex, empresa de consultoria e gestão financeira corporativa.

Conforme Lopes, além de reduções de custos, controle pode gerar receita extra, que deve ser reinvestida no negócio, como novos produtos, serviços, bonificações e incentivos para colaboradores, no crescimento da empresa em geral, e até no lucro dos acionistas.

O especialista elenca cinco iniciativas que as empresas precisam ter para conseguirem se recuperar e crescer.

Plano efetivo: Antes de fazer qualquer corte, é necessário elaborar um planejamento financeiro/estratégico que tenha uma análise do passado e do presente, assim como uma projeção do futuro. “É importante lembrar que esta projeção tem que ser muito bem desenhada, considerando, por exemplo, as dificuldades atuais do mercado”, diz o sócio da Tiex.

Acompanhamento mensal: A viabilização de um acompanhamento mensal é imprescindível para que a empresa consiga obter resultados mais eficazes. Só assim os gestores poderão ter percepção de suas necessidades para a tomada das melhores decisões possíveis. “Qualquer desvio deve ser apontado e discutido. O redesenho dos processos internos e otimizações tecnológicas pode ser muito efetivo”, explica.

Cortes menos impactantes: Deve-se saber onde é possível cortar sem interferir nos negócios. Vender ativos que fogem ao “core business” é desnecessário. “Ás vezes, as empresas entram em um mercado que possuem pouco conhecimento e acabam gastando recursos onde não tem experiência. Já uma renegociação de contratos com fornecedores, seguradoras e bancos é primordial”, afirma Samuel.

Planejamento Tributário: O planejamento fiscal é uma forma de minimizar os custos fiscais. Sucintamente, o planejamento fiscal terá de respeitar a lei de forma integral, procurando negócios jurídicos com menor ou nula tributação. Com isso, é possível se ter um maior controle dos gastos administrativos.

Aprender: Épocas de crise são ocasiões para aprender, pensar muito e ter resiliência. “Se, com a crise, conseguimos renegociar contratos, minimizar custos administrativos, redesenhar processos para que se tornem mais efetivos, pagar menos impostos com um planejamento adequado, por que não fazíamos antes?”, questiona.

HDI realiza ações para celebrar o mês da diversidade 357

Mãos e cores

Programação discute sexualidade, racismo e a importância do respeito e inclusão em todas esferas da sociedade

A HDI Seguros preparou uma série de ações para os colaboradores no Mês da Diversidade, com o objetivo de discutir a igualdade de gênero, raça e etnia. Fazem parte da programação palestras sobre sexualidade, racismo e a importância do respeito e da inclusão em todas as esferas da sociedade.

“Queremos abrir espaço para reflexões sobre a importância da inclusão e da igualdade com o nosso time não apenas durante este mês, mas de forma contínua. Na HDI, valorizamos a diversidade e buscamos constantemente tornar o ambiente de trabalho acolhedor e humano”, comenta Paulo Moraes, diretor de Marketing da HDI Seguros.

Para aprofundar as discussões, a companhia convidou participantes com bastante bagagem sobre os assuntos tratados. Uma delas é a Julia Rosemberg, da SSEX BBOX – Sexualidade Fora da Caixa, um projeto de consultoria sobre diversidade e perspectivas plurais da sexualidade. Outra convidada foi a Danielle Torres, sócia-diretora da área de Seguros da KPMG no Brasil, que é mulher, transgênero e andrógina. Ela dividiu com os colaboradores os desafios e alegrias de se assumir como é.

Além disso, a HDI preparou uma série de posts em sua rede social interna explicando a história do movimento LGBTQIA+ e suas conquistas. A sigla LGBTQIA+ significa Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros, Queer/Questionando, Intersexos, Assexuais/Arromântiques/Agêneros, Pan/Poli, e mais.

Seguradora aplica técnicas de sensoriamento remoto em áreas rurais 390

Sensoriamento

Drones e monitoramento a distância de clima são algumas das tecnologias testadas em projetos pilotos de sensoriamento

O uso de imagens de satélite para a análise de áreas sinistradas e o cálculo de exposição de riscos de safras agrícolas em razão da variação do clima é apenas um dos recursos adotados pelo Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre para o sensoriamento remoto nas operações de seguro rural.

Uma das tecnologias testadas são os drones – sigla em inglês para veículos aéreos não tripulados –, que podem chegar a locais onde os peritos dificilmente conseguiriam.

Com eles, já foram realizados dois atendimentos em áreas seguradas: um, para apoiar a identificação de bens em vistorias prévias para a aceitação de risco em uma criação de aves; outro, para complementar a apuração de prejuízos de um sinistro causado por ventos fortes em uma floresta de eucalipto de 8 mil hectares.

“O projeto de sensoriamento remoto trará uma nova perspectiva de atendimento ao segurado e de gestão de risco, além de possibilitar o desenvolvimento de novas soluções e serviços de seguros aos clientes. O Grupo se posiciona na vanguarda dessas possibilidades, que geram ganhos financeiros e de tempo às operações, além de reconhecimento de nossa marca como referência em inovação e atendimento”, afirma Wady Cury, diretor geral de Habitacional e Rural do Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre.

De acordo com Paulo Hora, diretor técnico Rural do Grupo, o projeto de sensoriamento remoto para análise e monitoramento de riscos e regulação de sinistros está associado a Geoprocessamento e Analytics. As tecnologias estudadas para análise dos dados de diversas variáveis em riscos geolocalizados em mapas e integrados às operação vão desde imagens de satélite ao uso de drones, radares, telemetria, e outras possibilidades.

“O uso de drones, especificamente, é uma das iniciativas que já utilizamos como piloto em algumas áreas para coleta de imagens, mas que pode ser associado a outras tecnologias de análise de dados. Temos uma enorme responsabilidade no programa de seguro agrícola por sermos líderes de mercado e segurarmos uma extensa área com culturas plantadas nas safras de verão e inverno. São mais de 60 mil apólices distribuídas em propriedades por todo o país, e estamos à frente na construção e um modelo que será fundamental para a gestão dos seguros rurais no futuro”, destaca.

Previsul e Lojacorr: parceiras de sucesso 631

Previsul e Lojacorr

Encontro entre diretores e executivos aconteceu no dia 14

A Previsul Seguradora recebeu na última quinta-feira (14/06), a diretoria da Lojacorr, maior rede de corretores de seguros independentes do Brasil. Entre os executivos da Previsul presentes no encontro, estavam o presidente Renato Pedroso, a diretora de Negócios Andréia Araújo e o diretor financeiro Fernando Moraes, além dos gerentes regionais Virginia Marques, Claudionir Fontana e Renan Haun.

Durante a reunião, as diretorias puderam conversar sobre a situação do mercado de seguros, apresentar melhor suas empresas e analisar possibilidades de negócios entre elas. “Momentos como este são importantes para que possamos apresentar aos nossos parceiros o crescimento da Previsul. Conversamos com os diretores da Lojacorr e percebemos a grande sinergia que temos: somos empresas que estamos em constante crescimento e trabalhamos focados em entregar melhores condições de negócios para o corretor de seguros”, avalia Andréia.