Almoço do SindSeg discute cenário do seguro no Rio Grande do Sul 6714

Entidade sindical reúne operadores do mercado, em Porto Alegre

O mercado gaúcho de seguros reúne-se há 70 anos em almoços mensais organizados pelo Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (SindSeg/RS). Nesta quinta-feira (28), Porto Alegre seria palco de palestra com o superintendente da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Joaquim Mendanha. No entanto, imprevistos impediram que isso acontecesse.

Os operadores do seguro no Rio Grande do Sul aproveitaram o momento para debater diversas questões do cenário segurador no Rio Grande do Sul. A discussão veio em momento oportuno, afinal, o legislativo estadual segue com os trabalhos da CPI das seguradoras veiculares. Conforme noticiado por JRS, a Comissão Parlamentar de Inquérito apura a existência de um cartel de oficinas, criado, supostamente, para controlar o mercado. É apurado ainda o uso de peças não autorizadas e o fomento à criminalidade através da venda de sucatas e veículos salvados em leilões. Também será investigado crime contra a ordem tributária por circulação de mercadorias.

Um dos destaques do Almoço do Mercado Segurador foi Diza Gonzaga, fundadora da Fundação Thiago de Moraes Gonzaga (Vida Urgente)
Um dos destaques do Almoço do Mercado Segurador foi Diza Gonzaga, fundadora da Fundação Thiago de Moraes Gonzaga (Vida Urgente)

Todas as imagens – Almoço do SindSeg/RS

De Porto Alegre a Miami em uma Harley-Davidson 2136

Moto

O que você levaria nessa viagem?

Se para quem vai viajar de avião as dúvidas de o que levar na mala já são comuns, imagina para quem vai encarar uma primeira viagem longa de moto? Se são mulheres as viajantes motociclistas, elas prezam pelo minimalismo e levam a praticidade à risca, mas sem deixar de lado a capacidade de contornar transtornos e serem criativas na hora de solucionar problemas.

A dupla Ana Pimenta e Ana Sofia estão encarando uma jornada de 28.000km, com destino a Milwaukee (EUA) para celebrar a vida e os 115 anos da Harley-Davidson. Elas partiram de Porto Alegre (RS) no dia 19 de maio com a meta de passar por 11 estados brasileiros e concluir a visita em 115 concessionárias da marca, somando as nacionais e as situadas em cidades dos EUA, em meados de setembro. No projeto batizado de The Ride 115, o planejamento do que levar em uma viagem desse porte é fundamental, mas a experiência dos mais de 300 mil km que elas somam viajando sobre duas rodas foi fator decisivo para as escolhas. Elas compartilham as dicas para que os “marinheiros de primeira viagem” identifiquem o que é importante colocar na mala de acordo com o perfil e a rota.

Faça uma lista e reavalie cada item para destacar o que é importante – Capacete, luvas e bota são itens básicos para os motociclistas e são listados como bagagem. Itens para higiene pessoal podem ser calculados para determinados períodos ou só até a parada em alguma cidade, loja ou hotel onde possam ser repostos.

“Além da bota para andar de moto, levamos outro par multiuso adequado para chuva, trilhas ou caminhadas, um tênis e um chinelo. Parece muita coisa, se não fosse a quantidade de destinos, as mudanças de clima e os encontros que programamos e previmos em nossa viagem. Quanto menos, melhor, mas desde que atenda nossas necessidades”, pontua Ana Sofia.

Viajante1Os itens básicos para o motociclista também contam como bagagem, pois ocupam espaço – Extensor, reparador de pneu, bombinha para calibrar, por exemplo, são conhecidos pelos motociclistas e indispensáveis para a manutenção da moto na estrada. “A lista separada por seções diminui o risco de esquecer qualquer coisa. Coloque de roupas a documentos, até os eletrônicos, a farmácia particular, protetor solar… Isso ajuda na organização”, aconselham.

Separe o roteiro por pequenos blocos e leve roupa suficiente para aquele período. “No nosso caso, separamos roupa para uma semana e paramos na lavanderia. Nosso projeto é uma viagem que dura meses e que precisa cumprir agenda, então lavar duas ou três peças na pia do hotel, às vezes, ajuda muito. O que fomos vestindo entra na conta total se, por exemplo, coloquei duas calças jeans, especifiquei que uma vai no corpo e outra na mala”, explica Ana Pimenta.

Opte por peças “coringa”, independente do roteiro ou época do ano da viagem. Existem regiões no Brasil, por exemplo, em que as mudanças de temperatura em um dia são surpreendentes, mas mesmo em países em que isso não acontece, as peças feitas com tecidos inteligentes, como as “segundas peles” para o frio ou as que deixam a pele respirar e dissipam o calor acabam ocupando menos espaço e ajudam demais os motociclistas. Capa de chuva e colete para o frio são outras peças muito úteis.

Roupas e calçados novos? Se puder, evite. Deixar para usar coisas novas durante a viagem pode causar prejuízo, mas o contrário também se aplica. “A gente sempre fala para todo mundo quando viajar ir sempre com aquelas roupas que estão acostumados, as mais confortáveis. Nada de roupa nova, que aperta e machuca. Dessa vez eu exagerei: descolou o solado da minha bota, pegamos chuva e eu fiquei pensando em como iria andar com a bota descolada. Arrumei quando paramos em São Paulo”, finaliza Ana Sofia.

Um ponto a considerar é o porte da moto e qual a maneira mais confortável que cada um leva sua bagagem. Com o passar dos dias o cansaço é inevitável e o peso na moto faz diferença, por isso, o controle do peso da bagagem não deveria ser esquecido.

As Ana’s iniciaram o trecho internacional do The Ride 115 em Miami, no dia 26 de junho para visitar quase duas dezenas de concessionárias pela Flórida e seguir por outros estados até o grande dia de celebrar com outros harleyros, em Milwaukee.

Em ranking, Seguros Unimed é destaque em Saúde, Vida e Previdência 2344

Finanças Mais

Estudo Finanças Mais foi divulgado pelo jornal O Estado de S. Paulo

Helton Freitas é diretor-presidente da Seguros Unimed
Helton Freitas é diretor-presidente da Seguros Unimed

O jornal O Estado de S. Paulo divulgou, em parceria com a consultoria Austin Rating, o estudo Finanças Mais. Considerado o ranking das empresas líderes do setor financeiro no Brasil, traz a Seguros Unimed em destaque em duas categorias: Saúde e Vida e Previdência. Por conta da terceira colocação entre as melhores seguradoras especializadas em Saúde, a Companhia será premiada em evento no próximo dia 17, em São Paulo.

O diretor-presidente da Seguradora, Helton Freitas, abordou a importância do Programa de Eficiência Assistencial, no segmento de Saúde, desenvolvido desde o ano passado. Em paralelo, a Companhia vem investindo na modelagem da atenção à saúde, sob o conceito “Cuidando de Perto”.

“Entre os benefícios já conquistados estão melhorias de processos, ajustes nos sistemas de informação, uso de ferramentas de Analytics para gestão dos custos e da assistência, negociação de novos modelos de cuidado e remuneração junto à rede prestadora”, enumera. No campo da inovação digital, a Companhia adotou aplicativos e chatbots para engajar grupos de pacientes no manejo de condições clínicas, como a gravidez e o peso saudável, ou ainda de doenças crônicas.

Esse trabalho traz ganhos assistenciais, como a orientação do percurso dos pacientes, o desenvolvimento de programas de cuidados dirigidos, a diminuição do tempo de internação e maior segurança na indicação dos procedimentos. Como efeito, a Companhia obteve uma redução de 2,34p.p. na sinistralidade do ramo Saúde, que fechou 2017 em 81,72%.

Ranking de Saúde coloca Seguros Unimed entre as melhores do País

A Seguradora se manteve entre as três primeiras no ranking de Saúde, do anuário Finanças Mais. Com 121 pontos, a publicação destacou os prêmios retidos da companhia – de quase R$ 2,2 bilhões – o patrimônio líquido (PL), que fechou 2017 em R$ 632,6 milhões, e a rentabilidade do PL, que atingiu 12,3%.

A colocação é a mesma registrada na pesquisa divulgada no ano passado. Com base nos dados de 2016, a Seguradora obteve crescimento de 10,4% nos prêmios e de 13,2% no PL – este um importante indicador de solidez das operadoras de planos de saúde.

Seguradora fica em 9º lugar em Vida e Previdência

Há quase três décadas desenvolvendo seguros de vida e planos de previdência privada, a Seguros Unimed se destaca entre as dez melhores seguradoras do país nesses segmentos. De acordo com o ranking Finanças Mais, a Companhia ocupa a nona posição, com faturamento de R$ 624,8 milhões e rentabilidade de 12,6% sobre o patrimônio líquido no último exercício.

Ranking apresenta líderes do setor do País

O Estadão publica o anuário Empresas Mais desde 2015. Porém, desde o ano passado, o jornal passou a fazer um ranking específico para as instituições financeiras, intitulado Finanças Mais. O objetivo é apresentar o cenário das líderes do setor no país. A pesquisa tem como base as análises das demonstrações contábeis do ano passado.

A divulgação foi organizada em três grandes grupos: Seguros, Bancos e Outras Instituições Financeiras. A metodologia utilizada leva em conta a pontuação conforme a posição de cada instituição, por meio da evolução das contas de maior relevância no balanço patrimonial e dos indicadores de desempenho avaliando a margem, a rentabilidade e o custo.

Tokio Marine celebra 59 anos no Brasil com foco em crescimento sustentável 1762

Até maio, seguradora emitiu R$ 2 bilhões em prêmios e cresceu 7,6%

A Tokio Marine comemora, neste mês de julho, 59 anos de sua chegada ao Brasil. A companhia segue firme com sua estratégia de crescer de forma orgânica no País, com foco em qualidade de produtos e serviços e no forte relacionamento com seus corretores e assessorias. Em um cenário ainda marcado pelo baixo desempenho econômico do País, a seguradora alcançou a marca de R$ 2 bilhões em prêmios emitidos até maio, um crescimento de 7,6% em comparação ao mesmo período do ano passado, segundo dados oficiais da Susep.

José Adalberto Ferrara é presidente da Tokio Marine
José Adalberto Ferrara é presidente da Tokio Marine

No acumulado dos últimos 12 meses, o crescimento foi ainda maior, de 13,7%, com a emissão de quase R$ 5 bilhões em prêmios Esse desempenho consolida um histórico de resultados bem superiores à média do mercado de seguros no qual a Tokio Marine atua (sem VGBL, Saúde e Previdência). Nos últimos seis anos, a companhia triplicou de tamanho, passando de R$ 1,6 bilhão, em 2011, para R$ 4,78 bilhões em prêmios emitidos no final de 2017.

“Estamos crescendo fortemente e de forma orgânica no mercado brasileiro e temos muito orgulho em comemorar quase 60 anos de presença no País. O Brasil tem uma agenda própria de demandas e nós temos plena confiança na recuperação econômica e na retomada de investimentos, que terão efeitos muito positivos sobre o mercado de seguros. A Tokio Marine continua firme no propósito de difundir a cultura do seguro e aumentar a penetração dessa indústria no PIB nacional”, afirma o presidente José Adalberto Ferrara.

Segundo o executivo, a estratégia da seguradora é investir continuamente no aprimoramento de produtos e serviços, alicerçada pelos pilares de crescimento, rentabilidade e qualidade/inovação. O objetivo é ser cada vez mais reconhecida pela qualidade na prestação de serviços aos corretores, assessorias e clientes. “Nosso processo de distribuição é feito 100% através dos nossos 26 mil corretores e assessorias, razão pela qual temos o compromisso de continuar inovando e investindo continuamente para ajudá-los a vender mais, reduzir o trabalho operacional e oferecer a melhor solução para o cliente final”, conclui Ferrara.

A Tokio Marine é atualmente a quinta maior seguradora do Brasil, quando considerados os ramos em que atua.

IFRS17: novas normas para contabilização de contratos de seguros 3507

Contador

Regras foram tema de encontro promovido pelo Sindseg/RS

O Sindicato das Seguradoras do Rio Grande do Sul (Sindseg/RS), promoveu no último dia 5 de julho um importante encontro sobre as novas normas para contabilização de contratos de seguros: IFRS 17. O workshop contou com palestra de Flavia Vieira Pereira, consultora da SulAmérica Seguros, e contou com a participação efetiva dos operadores do mercado local.

Segundo a PwC Brasil, está claro que uma norma robusta era necessária. “O IFRS 4 atual permite uma série de políticas contábeis diferentes, resultando em falta de comparabilidade, até mesmo dentro dos grupos de seguradoras”, afirma relatório da organização. “É possível traçar paralelos com o regime Solvência II, na Europa, para o qual as seguradoras realizaram grandes projetos de implementação, além de investimentos significativos em sistemas e processos”, completa.

As implicações financeiras e operacionais da adoção do IFRS 17 variam de acordo com cada seguradora. Entretanto, as novas regras representam uma mudança fundamental nas práticas contábeis na maioria das companhias e criará um enorme desafio para grande parte do setor. “É possível otimizar a adoção, tanto de forma operacional, quanto em termos de desempenho financeiro”, analisou a consultoria.

“A partir de 2021 entra em operação esse novo modelo, baseado em experiências mundiais. Sempre importante que as companhias estejam atentas para fase de adaptação e transformação de processos seja menos traumática”, comentou Guacir de Llano Bueno, presidente do Sindseg/RS.

Saiba mais sobre o assunto com este material (PDF).

Sindicatos das seguradoras promovem encontro no RS 4102

Presidentes e grandes nomes do setor participaram de importantes discussões

Os Sindicatos das Seguradoras estão sempre atentos às transformações e discussões que dominam o mercado brasileiro de seguros. Neste sentido, na última sexta-feira (06), teve início mais um encontro dos presidentes dessas entidades.

Nomes como Mauro César Batista, presidente da entidade em São Paulo; João Possiede, presidente da entidade no Paraná e Mato Grosso; Rogerio Spezia, presidente do sindicato em Santa Catarina; Mucio Novaes, presidente nas regiões Norte e Nordeste; além de demais executivos e presidentes de Sindsegs nas demais partes do Brasil, marcaram presença nas terras frias do Rio Grande do Sul.

“Tivemos um grande dia de trabalhos. Nossas pautas normalmente visam integração e interação das ações com trocas de experiências e decisões de medidas futuras entre os presidentes dos Sindicatos das Seguradoras do Brasil”, comentou Guacir de Llano Bueno, presidente do Sindseg/RS.

Encontro de presidentes e executivos dos Sindsegs – Todas as imagens: