Marcio Coriolano participa de almoço-palestra do CVG-RJ em 25/4 194

Confira o #GirodoMercado desta quarta-feira, 20 de abril

Marcio Coriolano participa de almoço-palestra do CVG-RJ em 25/4

coriolano

O presidente da CNseg, Marcio Coriolano, participa, no dia 25 de abril, de almoço-palestra promovido pelo Clube Vida em Grupo – RJ, quando falará sobre o atual cenário e as perspectivas para o mercado segurador. Os interessados em participar do evento, que ocorrerá das 12h às 14h30, no restaurante Cais do Oriente, na Rua Visconde de Itaboraí, 8, no Centro do Rio de Janeiro, podem adquirir os convites na secretaria do CVG. As confirmações precisam ser feitas até hoje, dia 20, e os convites custam R$100,00 para os sócios do CVG-RJ e R$120,00 para os não sócios. Mais informações pelos telefones (21) 2203-0303 / 2213-2787 ou pelo email: cvgrj@cvgrj.com.br.

Solange Beatriz defende que a precificação deve corresponder à realidade

Solange_painel_Desafios-interno

A presidente da FenaSaúde, Solange Beatriz, participou ontem (19), do Seminário “A Era do Diálogo. Menos litígio, Mais diálogo”, realizado pela Associação Brasileira das relações Empresa Cliente (Abrarec). A presidente da FenaSaúde participou do painel “Desafios e Perspectivas para a Redução da Judicialização no Brasil” que contou com a participação da Dra. Patrícia Cardoso – Coordenadora do Núcleo de Defesa do Consumidor Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro; José Renato Nalini – Secretário Secretaria de Educação do Estado de São Paulo; Thomas Eckschimidt – CEO e Cofundador ResolvJá; e Vitor M. Andrade – Presidente ABRAREC.

Congresso da Copaprose começa em grande estilo

congresso-copaprose11-04-2016_11-45-05

O XXVI Congresso Panamericano de Produtores de Seguros começará em grande estilo nesta quarta-feira (20/04), às 19h30min, na cerimônia de boas vindas, com a recepção aos congressistas sendo feita pelos presidentes da Fenacor e da Copaprose – entidades organizadoras de evento -, Armando Vergilio; da CNSeg, Márcio Coriolano; da Associação de Supervisores de Seguros da América Latina – ASSAL, Carlos Pavez; e da Fides – Federação Interamericana das Empresas de Seguros -, Pilar González de Frutos; além do superintendente da Susep, Roberto Westenberger. O evento prosseguirá até sexta -feira (22) no Windsor Hotel Atlântica, Avenida Atlântica, 1.020 – Copacabana. O Congresso Panamericano de Produtores de Seguros, cujo tema central é “Para onde caminha o Seguro na América Latina?”, se propõe a promover uma reflexão sobre as perspectivas do mercado de seguros e, particularmente, dos produtores, intermediários e corretores de seguros, nos próximos anos, diante de um cenário econômico instável e de profundas mudanças na sociedade. Esse debate tem como base o papel que cabe aos intermediários, produtores e corretores de seguros no processo de extensão de uma ampla rede de proteção securitária, que ampare e resguarde a vida, a saúde e o patrimônio das pessoas, a continuidade das empresas e as grandes obras, públicas e privadas. Durante o evento, será possível trocar experiências com profissionais da América Latina, Portugal e Espanha, além do indispensável network.

Workshop NIP e Complementação da RN 395

habilitacaocorretores

A FenaSaúde, em parceria com a Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abrange) e a Unimed Brasil, com apoio da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), realiza em 5 de maio, em São Paulo, o workshop NIP e Complementação da RN 395. A NIP, sigla para Notificação de Intermediação Preliminar, é um instrumento de mediação da ANS que visa à solução consensual de conflitos entre consumidores e operadoras de planos privados de assistência à saúde. Por sua vez, a Resolução Normativa 395, publicada pela ANS em 14 de janeiro de 2016, dispõe sobre as regras a serem observadas pelas operadoras de planos privados de assistência à saúde nas solicitações de procedimentos e/ou serviços de cobertura assistencial apresentados pelos beneficiários, em qualquer modalidade de contratação. O evento do dia 5, que será realizado no Maksoud Plaza, na Alameda Campinas, 150, Bela Vista, reunirá representantes do setor privado de saúde e da diretoria de Fiscalização da agência reguladora, quando se pretende esclarecer as eventuais dúvidas do mercado sobre o processo de funcionamento da NIP e de aplicação da norma. Os interessados em participar, podem se inscrever gratuitamente clicando aqui. As vagas são limitadas.

Movimento “Abril Seguro” discute a Lei do Desmonte

autopecas

A capital de Pernambuco, Recife, recebeu na terça-feira (19) o seminário “Lei do Desmonte, Acidentologia e Vitimação no Trânsito”. O evento será realizado pela Frente Parlamentar de Trânsito e Transporte da Assembléia Legislativa de Pernambuco (Alepe) e terá início às 9h. O Seminário faz parte da agenda do “Movimento Abril Seguro”, uma iniciativa de dois dos principais nomes do mercado de seguros no Nordeste – Carlos Valle, diretor do Conselho da Fenacor, e Mucio Novaes, presidente do SindsegNNE – e que visa a colocar em pauta o tema seguros. Durante o Seminário, os profissionais do setor poderão debater sobre a importância da Lei do Desmonte no processo de regulamentação do seguro popular de veículos, sua principal base de sustentação. O seminário vem sendo realizado pela Fenacor em diversas capitais e conta com o apoio da Escola Nacional de Seguros, da Fenseg, dos Sincor, da Seguradora Líder e do Observatório do Trânsito. Autor do projeto que resultou nessa lei, quando exercia mandato de deputado federal por Goiás, o presidente da Fenacor, Armando Vergilio, aponta, entre outros benefícios, a esperada redução da violência no trânsito, especialmente no que se refere aos latrocínios e roubos e furtos de veículos. “A cada ano, são roubados mais de 500 mil veículos no Brasil. Menos de 60% são recuperados. A grande maioria vai para as oficinas irregulares de desmanches”, diz Vergílio. Nesses seminários são discutidas a formulação, a estruturação e a aplicabilidade da Lei do Desmonte, além de questões como os custos para a sociedade em decorrência dos acidentes viários e como prevenir e mitigar essas perdas.

*Informações de CNseg e Fenacor.

Seguro prestamista cresce 21% no primeiro trimestre 3957

Ramos residencial e empresarial também registraram alta

O crescimento das vendas a prazo impulsionou os números do seguro prestamista. O nicho garante o pagamento de prestações no caso de morte, invalidez e desemprego. Os prêmios emitidos tiveram alta de 5%, enquanto que o ramo avançou 21% no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2017.

O presidente da Confederação Nacional de Seguros (CNSeg), Marcio Coriolano, associa os números a expansão do crédito para compras diversas, como para automóveis, televisores e geladeira, por exemplo.

O ramo residencial também cresceu no trimestre. Segundo os números divulgados pela Superintendência de Seguros Privados a carteira cresceu 10%. Já o ramo empresarial registrou alta de 5,2%.

Ministro do STF fará abertura do 7º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro 1997

Luís Roberto Barroso foi anunciado para encontro que acontece nos dias 10 e 11 de abril

O 7º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro, que acontece em 10 e 11 de abril, no Windsor Convention & Expo Center, na Barra da Tijuca, contará com palestra de abertura do Ministro do STF Luís Roberto Barroso. Tendo como título ‘Cenário Jurídico e Político Brasileiro’, a palestra abordará aspectos das reformas política, trabalhista, tributária e da educação, o modelo que o governo precisa seguir para estimular o empreendedorismo visando um Brasil melhor no futuro, bem como uma agenda social que atenda às necessidades de saneamento básico, mobilidade e habitação.

Segundo Barroso, o Brasil tem uma história de sucesso para contar. “Derrotamos batalhas que pareciam invencíveis, como inflação e pobreza extrema. Se fizemos isso, podemos derrotar a corrupção, para que tenhamos uma narrativa de país da qual possamos nos orgulhar”.

Em 28 de fevereiro, termina o período para se inscrever com desconto no evento, por R$ 1.890,00. A partir de 1º de março e até 6 de abril, o valor da inscrição será de R$ 2.100,00.

Acesse este site e faça sua inscrição.

Planos de risco de seguros de pessoas e RE sem DPVAT lideraram o crescimento do setor em 2017 1869

É o que mostra a 15ª Carta do Seguro, da CNseg

Considerado pelo presidente da CNseg, no editorial da 15ª edição da Carta do Seguro, como um ano positivo para o seguro, 2017 testemunhou o crescimento de 21,4% dos ramos de Crédito e Garantias, de 13,1% do Seguro Rural e de 11,7% dos planos de Risco de Pessoas. Contando com o Seguro DPVAT, a arrecadação total do setor em 2017 foi de R$ 247,1 bilhões, com as provisões técnicas alcançando o patamar de R$ 905,7 bilhões.

Esta última edição da publicação digital mensal da Confederação também traz artigo do economista e professor da PUC-Rio Luiz Roberto Cunha em que analisa os impactos positivos na economia gerados pela baixa inflação de 2017, além de traçar perspectivas para 2018.

E realizando sua já tradicional análise conjuntural, o economista da Escola Nacional de Seguros Lauro Faria aponta que em 2017 os planos de risco de seguros de pessoas e ramos elementares sem DPVAT assumiram a liderança no ranking de crescimento entre os principais grupos, ultrapassando os planos de acumulação de coberturas de pessoas, que lideraram o crescimento em 2016.

Confira a 15ª edição da Carta do Seguro.

Descontos para incrição no 7º Encontro de Resseguro, no Rio, vão até o dia 28 1525

Evento reúne profissionais de mais de 10 países

Termina em 28 de fevereiro o período para se inscrever com desconto no 7º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro, cujos ingressos se esgotam rapidamente.

Cerca de 300 profissionais, de mais de 10 países, interessados em adquirir conhecimento, promover networking e alavancar suas carreiras já garantiram presença no evento que acontece de 10 a 11 de abril, no Windsor Convention & Expo Center, na Barra da Tijuca.

Nesta edição, o Encontro trará um conteúdo abrangente, abordando as recentes alterações regulatórias e seus impactos para a atividade do resseguro no Brasil, as mudanças climáticas e o seguro agrícola, inovações e tendências, a competitividade do setor, entre outros temas relevantes aos profissionais que buscam atualização e desenvolvimento da carreira.

Realizado pela Federação Nacional das Empresas de Resseguros (Fenaber), com o apoio institucional da CNseg e da Escola Nacional de Seguros, o Encontro vem, a cada ano, evoluindo e se adaptando às necessidades de seus participantes.

Até 28 de fevereiro, o valor do ingresso é de R$ 1.890,00 e, de 1º de março a 6 de abril, será de R$ 2.100,00.

Clique aqui para fazer a sua inscrição.

FenaSaúde: Ressarcimento de planos ao SUS não deve impactar beneficiários 1547

Entidade avalia que não haverá impacto na operação das empresas nem nos preços dos planos

O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve, na última quarta-feira (07), o dispositivo que regula a obrigatoriedade dos planos de saúde de reembolsarem o Sistema Único de Saúde (SUS), previsto na Lei 9656/98. Na análise da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), a decisão do Supremo não trará impacto prático na operação das operadoras nem nos valores das mensalidades dos planos de saúde. Do início da regulação – a partir da criação da ANS – até o ano passado, as associadas à FenaSaúde já desembolsaram R$ 371,6 milhões ao SUS.

A Federação lembra que suas empresas afiliadas já levavam em consideração – nos cálculos atuariais das mensalidades dos planos – os custos assistenciais referentes ao ressarcimento ao sistema público. “A decisão do Supremo não vai trazer qualquer modificação para o que hoje as operadoras já vêm cumprindo. As empresas obedecem rigorosamente a regulamentação da ANS, que se dá com base nos dispositivos da Lei 9.656. Portanto, esses pontos questionados – no processo de ação judicial da ação de inconstitucionalidade, que foi objeto da decisão – foram no sentido de validar esses dispositivos legais. As associadas à FenaSaúde já vêm cumprindo essas obrigações desde a edição da Lei dos Planos de Saúde e da regulamentação da ANS”, afirma Solange Beatriz Palheiro Mendes, presidente da Federação.

Importante esclarecer que, no caso das associadas à Federação, a utilização do SUS por seus beneficiários decorre, geralmente, quando vítimas de acidentes em vias públicas são levadas, inicialmente, a hospitais do SUS, seguindo determinações previstas em legislação vigente.

De acordo com a presidente da FenaSaúde, é uma inverdade a afirmação de que todas as operadoras tenham interesse em direcionar seus beneficiários para a rede do sistema público. “As operadoras foram responsáveis por cerca de 1,3 bilhão de procedimentos em 2016 segundo dados da ANS, muitos deles de alta complexidade. Precisamos ser informados quando um consumidor do serviço dá entrada no SUS, para promover sua transferência para a rede privada o mais rápido possível, levando sempre em consideração seu estado de saúde. Isso diminuiria consideravelmente os valores de ressarcimento”, explica Solange Beatriz.

Vale pontuar, ainda, que a alegação de que os beneficiários de planos de saúde sobrecarregam a rede pública é uma descrição completamente invertida dos fatos, já que é obrigação do poder público oferecer atendimento integral e com acesso universal. Antes de serem beneficiários de planos de saúde, brasileiros que contratam a saúde privada também são cidadãos e podem optar pelo meio de atendimento público. Esse é um direito constitucional.

“Na questão conceitual, entendemos que há dupla cobrança aos beneficiários de planos de saúde. Esses recursos que as empresas desembolsam o ressarcimento são oriundos das mensalidades pagas pelos consumidores, que já contribuem com a quitação de impostos para financiar o sistema público de saúde. Mas esse não foi o entendimento do STF. Na prática, de fato, nada muda para as associadas à FenaSaúde e seus beneficiários”, destaca a presidente da FenaSaúde.

Na mesma sessão do STF, foram definidas outras ações relacionadas aos planos de saúde, como a informação ao consumidor sobre as eventuais negativas de atendimentos, de acordo com a cobertura contratual; a vedação ao reajuste dos planos de saúde para idosos; e a confirmação de que planos anteriores à edição da Lei 9.656/98 não são regulamentados por essa norma.