Agenda da ANS debate programas de indução à qualidade 3875

ANS

Agência reguladora lançou o Projeto de Atenção Primária à Saúde e discutiu melhorias em programas que estimulam a qualificação do setor

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), no último dia 26 de abril, realizou a ‘Agenda para o Desenvolvimento Setorial: eixo de estímulo e indução à qualidade’, evento voltado à indução de boas práticas no mercado de saúde suplementar. No encontro, que agregou temas voltados ao desenvolvimento setorial, a Agência lançou o Projeto de Atenção Primária à Saúde (APS). A iniciativa vai estimular a qualificação, fortalecimento e reorganização da atenção básica no setor, por meio da instituição de selo de qualidade e a implementação de modelos adequados de remuneração.

O diretor de Desenvolvimento Setorial da ANS, Rodrigo Aguiar, iniciou a agenda explicando que a proposta do evento é aprimorar as ações que já vem sendo debatidas na Agência para cumprir a missão institucional de desenvolver a saúde suplementar. “É importante levar para o setor e toda a sociedade propostas efetivamente aplicáveis, que possam gerar resultados positivos. O Projeto APS vai ao encontro dessa expectativa”, afirmou Rodrigo Aguiar, lembrando que a ANS reuniu na mesma agenda os temas de acreditação das operadoras, Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) e modelos de remuneração diante da relevância singular deles para o setor.

O projeto da ANS voltado à atenção primária foi apresentado pela coordenadora de Indução à Melhoria da Qualidade Setorial, Daniele Silveira, que apontou que o programa pretende envolver a integração do cuidado em saúde centrado no paciente. “O Projeto APS funciona como um grande ordenador de todo o sistema de saúde e pode ser altamente resolutivo”, afirmou. A atenção primária resolve até 85% dos problemas de saúde da população, por isso é fundamental incentivar e aprimorar esse tipo de ação. Além da melhoria do cuidado, a implementação de estratégias de atenção primária contribui para a sustentabilidade do setor.

O evento contou ainda com participação do representante do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), João Paulo Pieroni, que informou que o banco deve firmar parceria com a ANS para incentivar projetos em atenção primária na saúde suplementar, por meio de recursos destinados à implementação de estruturas. “Saúde é uma prioridade dentro do planejamento do BNDES. Acreditamos que o modelo de saúde precisa ser revisto. Por isso, apoiamos o projeto e temos interesse em fortalecer a parceria com a ANS”, informou Pieroni.

Acreditação de operadoras

Na sequência da reunião, a Gerente de Estímulo à Inovação e Avaliação da Qualidade Setorial, Ana Paula Cavalcante, apresentou as mudanças que estão sendo discutidas pela ANS para promover melhorias no Programa de Acreditação de Operadoras. Atualmente, cerca de 20% dos beneficiários de planos de saúde estão em operadoras acreditadas. “É o momento de avançar. Temos um número importante de operadoras acreditadas, já amadurecemos bastante o assunto e realizamos várias oficinas com participação expressiva do setor”, disse a gerente.

Entre as mudanças previstas, estão melhorias nas dimensões dos indicadores, nos critérios para pontuação dos itens, na forma de avaliação das entidades acreditadoras e na qualificação de auditores. Também está sendo discutida a inclusão de acreditação para operadoras exclusivamente odontológicas.

As mudanças, que devem ensejar a publicação de uma nova Resolução Normativa, atualizando a que está em vigor (RN nº 277) que regulamenta o tema, serão submetidas à participação social, para que a sociedade possa se envolver e opinar. A publicação da nova RN, contendo regras de transição, deve ocorrer ainda em 2018.

IDSS 2018

À tarde, a coordenadora da Qualificação de Operadoras da agência reguladora, Rosana Neves, explicou às operadoras presentes a proposta da Agência de ajustes no Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) para 2018. A ferramenta avalia o desempenho das operadoras de planos de saúde e embasa as faixas de classificação da ANS de acordo com a qualidade do serviço prestado. A coordenadora esclareceu que 90% dos indicadores se mantêm, mas que a Agência propôs modificações pontuais que devem ser observadas pelas empresas.

“É importante qualificarmos cada vez mais o IDSS para avaliar a performance real das operadoras e a assistência prestada aos beneficiários. Essa mudança vai orientar o preenchimento de ferramentas fundamentais para a reguladora, como o TISS e o SIB”, explicou Rosana Neves. O diretor Rodrigo Aguiar complementou que as novidades são importantes para conduzir o mercado às melhores práticas regulatórias. “Vamos avaliar as considerações feitas pelo setor, por isso trouxemos o tema para apresentação na agenda, mas devemos entender que é preciso avançar para reduzir a assimetria de informações no setor. Esse é o principal objetivo”, avisou o diretor.

10ª reunião do GT de Remuneração

O evento foi concluído com a realização da 10ª reunião do Grupo Técnico (GT) de Remuneração, iniciativa da ANS que reúne representantes do setor para debater novos modelos de remuneração. O diretor adjunto de Desenvolvimento Setorial, Daniel Pereira, apresentou os principais encaminhamentos do GT e informou aos presentes que as discussões sobre remuneração passam a acontecer de forma fixa no Comitê Técnico de Avaliação da Qualidade Setorial (COTAQ) e no Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS), grupos permanentes de trabalho.

“A discussão dos modelos de remuneração é uma iniciativa inovadora da ANS. É importante agora consolidarmos esse trabalho e darmos um novo passo, avançarmos no debate. Nesse sentido, a ANS vai formalizar a reformulação do COTAQ, para abarcar as propostas e fundamentar uma nova frente de trabalho”, anunciou o diretor adjunto. O GT de Remuneração atualmente está em sua segunda fase e deve entrar em nova etapa em setembro de 2018. A coordenadora Daniele Silveira orientou sobre as propostas para a próxima fase e o cronograma inicial das próximas reuniões do GT.

A ‘Agenda para o Desenvolvimento Setorial: eixo de estímulo e indução à qualidade’ reuniu cerca de 150 pessoas, entre representantes de entidades do setor, operadoras de planos de saúde, prestadores de serviços, imprensa e órgãos de defesa do consumidor.

Tecnologia previne contra principais motivos de processos trabalhistas no Brasil 395

Divulgação

Ações judiciais causadas por divergências em horas extras e intervalos podem ser evitadas

Quando um conflito entre um trabalhador e uma empresa chega à esfera judicial o resultado acaba sendo um grande prejuízo para ambas as partes. Para que a situação não chegue a esse ponto é preciso que a organização esteja atenta a todos os direitos trabalhistas e responsabilidades tanto da empresa quanto do colaborador.

Um levantamento de 2017 do Tribunal Superior do Trabalho apontou que estão entre os principais motivos de processos trabalhistas por parte de funcionários, questões relacionadas a horas extras e intervalos intrajornada, especialmente motivadas por divergências em relação a folgas e inconsistência na jornada de trabalho. Ao todo, foram mais de 76 mil processos envolvendo esses motivos apenas no primeiro trimestre do ano passado.

Segundo o Relatório Justiça em Números de 2018, divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a Justiça Trabalhista concentra 6,9% de todos os processos do país, totalizando mais de 5,5 milhões ao todo, tendo como principais temas problemas com rescisão do contrato de trabalho e verbas rescisórias resultantes de horas extras e jornadas irregulares.

De acordo com André Ferreira, coordenador de Marketing da Pontomais, empresa que disponibiliza tecnologia para registro e gestão de ponto na nuvem, boa parte desses problemas pode acontecer em razão da resistência à tecnologia por parte das empresas. “Ainda existem muitas empresas que insistem em utilizar ferramentas ultrapassadas, como planilhas e livros ponto, para controlar as horas trabalhadas dos funcionários. Além de ser passível de fraude, esse tipo de controle não permite que a empresa descubra inconsistências de jornada e deixa o cálculo de horas suscetível a erros humanos”.

Uma das melhores opções para diminuir o número de processos trabalhistas relacionados ao controle de horas é a adoção de um sistema online para gerenciar as jornadas da empresa. A startup curitibana Pontomais, que já conquistou mais de 5.000 clientes em todo o país e nomes de peso como Havaianas e Unimed, oferece uma solução online oferece opções para registro de ponto, é capaz de identificar se as jornadas de trabalho, intervalos, horas extras e folgas estão sendo cumpridos de maneira apropriada e ainda identifica irregularidades de acordo com a legislação trabalhista para evitar possíveis processos.

Com a tecnologia, é possível até mesmo registrar a jornada de trabalhadores remotos, por exemplo, além de preparar a solução para jornadas flexíveis, até mesmo para trabalhadores PJ e freelancers que não têm um horário fixo já estabelecido.

“As empresas precisam estar atentas ao controle de jornada de seus trabalhadores. Com a ajuda da tecnologia, é possível fazer isso de maneira mais ágil e precisa, corrigindo qualquer imprecisão ou falha humana que podem trazer dores de cabeça para ambas as partes”, afirma Ferreira.

Pontos que merecem atenção depois da Reforma Trabalhista

Com a tecnologia, é possível atender a diversas exigências da legislação com as quais os departamentos de Recursos Humanos precisam ter atenção redobrada, inclusive com as mudanças estabelecidas pela Reforma Trabalhista do ano passado. Esse é o caso do cálculo de horas extras e da compensação do banco de horas, que passam a ser negociados entre o patrão e o empregado em até seis meses. Por isso, é preciso que o controle de horas trabalhadas e os registros de ponto sejam muito bem esclarecidos e exibidos de forma transparente ao trabalhador.

Além dos cálculos das horas extras e banco de horas, um dos casos em que o acordo prévio se faz necessário é ajornada de trabalho 12×36, em que o trabalhador realiza o expediente por 12 horas e descansa por 36 horas. Qualquer excedente nesse período é considerado como hora extra.

Também são pontos que merecem a atenção os casos do intervalo intrajornada, que exigem que o funcionário realize uma pausa de pelo menos uma hora em jornadas com mais de seis horas, e do intervalo interjornada, em que é necessário de um descanso de pelo menos 11 horas entre duas jornadas seguidas.

“Qualquer redução ou descumprimento desses períodos, além de erros com o cálculo das horas poderá incorrer em irregularidades trabalhistas que trazem prejuízos para o trabalhador e para a própria a empresa. Vale lembrar também que se o patrão e o empregado mantiverem uma relação transparente a possibilidade de existirem problemas para ambas as partes é muito pequena”, afirma Ferreira.

Grupo MBM homenageia Corretora de Seguros 348

Divulgação

Lapis Bellus Corretora de Seguros atua no Rio de Janeiro

Na última semana, o Grupo MBM homenageou a Lapis Bellus Corretora de Seguros. A homenagem aconteceu através de almoço comemorativo, seguido da entrega de uma placa a diretoria da corretora.

No evento, o Grupo MBM esteve representado pela gerente da filial MBM Rio de Janeiro, Tatiana Antoniazzi, e pelo assistente comercial, Reginaldo Barreto. “Nossa grande parceira de negócios Lapis Bellus Corretora de Seguros, completou 14 anos de atividade. Temos imenso orgulho de fazer parte deste momento, pois vivenciamos dia-a-dia a dedicação e empenho que esta distinta corretora dispensa aos seus segurados e parceiros”, comenta Tatiana.

A filial MBM Rio de Janeiro está localizada na Rua Álvaro Alvim, 21 – 3º andar, no Centro do Rio de Janeiro. Os telefones para contato são (21) 2533.3589 e (21) 2240.4328.

RS: Palestras apresentam potenciais do Seguro Viagem 410

Sincor-RS apresenta palestra sobre as vantagens do Seguro Viagem

Eventos acontecem em Novo Hamburgo e Caxias do Sul 

Nesta terça-feira (25), em Novo Hamburgo (RS), e na quarta-feira (26), em Caxias do Sul (RS), a Face Assessoria e a Affinity Seguro Viagem promovem a palestra “Divulgando o Seguro Viagem”. O momento é promovido em parceria com o Sindicato dos Corretores de Seguros do Rio Grande do Sul (Sincor-RS). Ambas as apresentações começam a partir das 8h30min.

“Venha saber mais sobre esse produto, que tem grande potencial para divulgação e comercialização em sua carteira de clientes. Você verá vários exemplos de corretores que passaram a oferecer e surpreenderam-se com os resultados”, clama a entidade.

Veja ainda: Para quê serve o Seguro Viagem?

Com grande abrangência de coberturas, custos acessíveis e excelente comissionamento, o Seguro Viagem é um produto de simples contratação.

“A oportunidade de operar em novos nichos, conhecer outros produtos e oportunidades motiva nossa categoria e ajuda no desenvolvimento do mercado segurador gaúcho”, disse Ricardo Pansera, presidente do Sincor-RS.

Em Novo Hamburgo, o evento acontece na sede do Sindilojas (Rua Canela, 297). Em Caxias do Sul, na sede da ACICS (Rua Sinimbu, 1280). As inscrições são limitadas e podem ser realizadas neste endereço.

Sincor-RS promove palestras sobre Seguro Viagem
Sincor-RS promove palestras sobre Seguro Viagem

RS: Palestra aborda inovação, competitividade e crescimento 401

Inovação

Iniciativa é da Escola Nacional de Seguros em parceria com o Sincor-RS

No dia 18 de outubro, a partir das 19h, a Escola Nacional de Seguros e o Sindicato dos Corretores de Seguros do Rio Grande do Sul (Sincor-RS), promovem a palestra “Inovação, Competitividade e Crescimento no Mercado de Seguros na Era da Humanização”. Rodrigo Maia aborda o assunto na Associação Comercial de Porto Alegre.

Veja também: Filosofia empresarial deve colocar o cliente em primeiro lugar.

“A atual situação do mercado exige que o profissional busque na inovação a solução para aumentar sua competitividade, gerando assim, o crescimento esperado. Inovar em um mercado altamente regulado como o de seguros é um desafio, mas também um grande diferencial para quem conseguir identificar as possibilidades de inovação e colocá-las em prática, conquistando e fidelizando clientes, de forma a permitir o crescimento sustentável do negócio”, diz o chamamento do evento.

Palestra: Inovação, competitividade e crescimento no mercado de seguros na era da humanização
Palestra: Inovação, competitividade e crescimento no mercado de seguros na era da humanização

Nova CEO da AXA Art Américas visita o Brasil 579

Irina Buchmann lidera a divisão do Grupo AXA especializada em seguro para obras de arte e artigos colecionáveis

Irina Buchman é CEO da AXA Art Américas
Irina Buchman é CEO da AXA Art Américas

A nova CEO da AXA Art Américas, Irina Buchman, chega hoje à cidade de São Paulo para conhecer pessoalmente a comunidade artística brasileira e parceiros de negócios da companhia. Irina, que assumiu o cargo em maio deste ano, é responsável por liderar as operações comerciais de seguros para arte e colecionáveis nos EUA, Canadá, México e Brasil. A AXA Art opera no país há cinco anos e a operação nacional é liderada pela executiva Cristiane Porto Rodrigues.

Com mais de 15 anos de atuação na indústria de seguros, Irina Buchman tem grande experiência em estratégia de negócios, finanças e gerenciamento de riscos. A maior parte da sua carreira foi construída no Grupo AXA, no qual participou de iniciativas estratégicas na Alemanha, Bélgica e França. No AXA Bank Europe S.A, ocupou diversas posições de liderança. A executiva é fluente em quatro idiomas: espanhol, inglês, francês e alemão.

Segundo o Art Basel Market Report, o mercado global de seguros para obras de arte e artigos colecionáveis cresceu 12% em 2017. No mesmo ano, o mercado global de arte movimentou cerca de US$ 63,7 bilhões.