Reforma Tributária: qual o melhor modelo para o Brasil? 6145

Impostos

Confira artigo de gerente tributário

O Estado brasileiro precisa de reformas estruturais para alavancar o crescimento econômico do país. E a reforma tributária é a principal delas. Por quê? Primeiramente, nosso sistema de arrecadação e gestão de tributos é uma trava para o desenvolvimento, principalmente pela sua complexidade legislativa, regimes de exceções, multiplicidade de regras, em muitos casos, decorrente de incentivos e isenções, guerras fiscais, resultando em muita burocracia e insegurança jurídica. Outro ponto negativo é que a arrecadação tributária no Brasil não cumpre com a finalidade primordial que é dar ao Governo as condições ideais para atender as necessidades financeiras no âmbito social, da saúde, segurança e bem-estar da população.

Uma amostra desse problema está na comparação com outros países. Na União Europeia, sobre os produtos e serviços incide um único imposto, conhecido por IVA, ou Imposto sobre Valor Agregado. Vamos para um exemplo prático: numa xícara de café em Madri, capital da Espanha, o valor incidido é 7% de imposto, ou seja, se o café custar € 2,00, seria pago € 0,14 de tributo, considerando toda a cadeia, desde o cafeicultor até o estabelecimento comercial. Mas e no Brasil?

Sobre o nosso cafezinho, poderão incidir diretamente quatro tributos diferentes: ICMS, IPI, PIS/PASEP e Confins. A nossa complexidade não se resume apenas no número de tributos. A fórmula de cálculo de cada um deles é outro desafio. A cada operação, o tributo recai sobre o montante do produto, com a possibilidade de apropriação de crédito referente ao tributo pago na operação anterior, todavia, não em todos os casos. Por isso. Por isso, o Brasil tem a maior carga tributária da América Latina e uma das maiores do mundo, com 33% do PIB.

A comparação com outros modelos de tributação é necessária para entendermos o custo do setor privado para atender as exigências do Fisco. Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), para atender o Fisco, cada empresa gasta em média 1958 horas por ano. Por pessoa, no Brasil, 1 a cada 200 colaboradores trabalham na área fiscal. Na Europa, 1 a cada 500 e nos Estados Unidos, 1 a cada mil funcionários dedicados à gestão dos tributos. E diante da complexidade e da urgência por reformas que possam nos tirar desse patamar de paralisia econômica, é inevitável a pergunta: o que fazer?

O primeiro passo é buscar medidas de simplificação do sistema e, com isso, facilitar a vida das empresas em relação às obrigações tributárias. É preciso simplificar os processos de declaração e pagamentos de tributos, principalmente para as empresas de menor porte. O Fisco tem alguns projetos de simplificação de obrigações acessórias, mas precisamos avançar ainda mais. A segunda iniciativa é buscar a unificação de tributos. A proposta de extinção de alguns tributos, ou unificar a forma de arrecadação, que está em discussão no Congresso Nacional, agrada parte do setor produtivo do país que tem enfrentado o fardo de lidar com as excessivas atualizações das regras normativas. Hoje, temos mais de 200 mil normas fiscais em vigência no país, sendo 30 novas regras ou atualizações por dia que, na média, segundo o IBTP. A unificação vai atender uma demanda por menos burocracia do sistema.

Mas há um grande risco se a reforma tributária entrar em vigor de uma vez. O melhor modelo seria uma adoção fragmentada. A primeira etapa, ou facultativa, serviria para dar fôlego para as empresas entenderem o cenário e realizarem as mudanças necessárias para uma adaptação mais eficiente. A segunda fase é a transitória, especifica para maiores tributações ou tributos de maior complexidade como os tributos indiretos.

Passadas as duas primeiras fases, com um intervalo de 6 a 9 meses entre elas, as empresas estariam prontas para fazer parte de um novo sistema tributário, mais justo e equilibrado, além de permitir um ingresso na terceira etapa, a obrigatória, com segurança e sem nenhum risco de sofrer possíveis penalidades.

Uma simplificação na forma de arrecadação dos tributos vai possibilitar uma redução de todo esforço necessário das empresas para gestão e pagamento de impostos, além de promover, de forma imediata, um aumento de produtividade das companhias e elevaria a competitividade do Brasil no cenário internacional e atrairia o investidor estrangeiro.

*Por Leonel Siqueira, Gerente Tributário da Synchro.

Porto Seguro Proteção e Monitoramento lança canal de vendas online para seu rastreador veicular 706

Rastreador

Sistema de rastreamento permite a localização do veículo em caso de roubo ou furto

A Porto Seguro Proteção e Monitoramento lançou a plataforma de vendas online do Rastreador Porto Seguro, sistema de rastreamento que permite a localização do veículo em caso de roubo ou furto. Com o site de venda online, tanto o cliente quanto o corretor ganham praticidade e agilidade em todo o processo de comercialização do produto, já que ele poderá ser realizado em tempo real.

“Para o corretor, além da praticidade, há também a possibilidade de aumentar os seus ganhos, já que ele terá a possibilidade de divulgar um link próprio do venda online em seu site e redes sociais. Além disso, ele será comissionado em R$ 150 com a venda do produto, lembrando que a comissão é vitalícia”, afirma Fabio Braga, Superintendente da Porto Seguro Proteção e Monitoramento.

O Rastreador Porto Seguro oferece tecnologia de rastreamento pelos sistemas GPS e GPRS, proporcionando amplitude e agilidade na localização dos veículos, em todo o território nacional. Entre suas vantagens estão uma equipe especializada em buscas de veículos, para situações de roubo ou furto, além de um sistema de gestão, em que poderão ser visualizados os históricos de percursos, horários e velocidade do automóvel. É possível também delimitar uma espécie de “zona virtual”, em que após estacionar na rua, o cliente poderá selecionar uma região e receberá uma notificação caso seu veículo saia deste perímetro.

Outro diferencial é o valor da mensalidade, que é fixo e independe do modelo do veículo. O produto pode ser adquirido por mensalidades de R$ 59,90, com instalação parcelada em até 6 vezes, por meio de débito em conta, cartão de crédito e boleto.

“Os corretores são o nosso principal canal de vendas. Acreditamos que o Rastreador Porto Seguro pode proporcionar inúmeras oportunidades de negócios, contribuindo para que o corretor amplie o seu portfólio de soluções oferecidas ao público. Dessa forma, ao oferecer um produto que traz segurança, praticidade e conveniência com alto índice de recuperação de veículos, será possível conquistar ainda mais a confiança dos clientes e ampliar as vendas”, conclui Fabio Braga.

Cresce a procura por seguro de RC por profissionais da área médica 721

saúde

Seguro reembolsa custos de processos judiciais decorrentes de erro ou omissão no exercício da profissão

Ainda pouco conhecido no Brasil, a procura pelo seguro de responsabilidade civil para profissionais liberais vem crescendo.

No Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre, a comercialização da cobertura de Responsabilidade Civil Profissional cresceu 10,76% em apólices vigentes e 17,53% em volume de prêmios no acumulado, na comparação do período que compreende julho de 2017 a junho de 2018 com o anterior (julho de 2016 a junho de 2017).

Esse tipo de seguro garante o reembolso das despesas por condenações judiciais quando o profissional causa danos a terceiros. A cobertura do seguro, no entanto, é restrita a processos por erros ou omissões do profissional no exercício da sua atividade.

“A área de saúde é de uma complexidade muito grande e esses profissionais podem sofrer consequências de ações judiciais. O produto garante o valor da condenação ou o valor do acordo extra judicial até o limite de garantia contratado, incluindo honorários e custas do processo”, explica Patricia Siequierolli, superintendente Executiva Produtos Massificados e Especiais do Grupo.

A apólice cobre o valor de até R$ 600 mil, e estende-se a profissionais médicos, dentistas, veterinários, fonoaudiólogos, farmacêuticos e enfermeiros.

Liberty oferece treinamento inovador para o corretor com imersão no Facebook 904

Facebook

Liberty Academia Digital traz encontro na sede do Facebook, vídeos, vouchers e apoio de consultor para corretores terem sucesso no digital

Atenta à tendência de digitalização e dedicada a ajudar os corretores parceiros a crescerem seus negócios, a Liberty Seguros acaba de lançar um novo formato de treinamento inovador para esse público: a Liberty Academia Digital, que conta com importantes insights do time de atendimento do Facebook no Brasil e tem como principal objetivo habilitar os corretores a promover os produtos de seguro nas mídias sociais e a alcançar potenciais clientes.

A Liberty Academia Digital consiste em um treinamento digital por meio de vídeo-aulas baseada no conceito de gamificação e com foco na experiência de vender seguros. O treinamento atende aos mais diferentes perfis de corretores: aos que tem pouco conhecimento em mídias sociais, aos que possuem algum conhecimento, mas que não sabem como criar conteúdo e aos que já produzem conteúdos, mas que não sabem como otimizar seus resultados.

As aulas serão divididas em três módulos: o Módulo 1, que pode ser acessado por qualquer profissional do Brasil e estará disponível na página do Programa Conexão no Facebook; o Módulo 2 e o Módulo 3, que só poderão ser acessados se o corretor for parceiro da Liberty Seguros, por meio da plataforma de treinamento da seguradora. Caso o profissional inicie o treinamento e ainda não seja parceiro, pode facilmente tornar-se um por meio do site da Liberty Seguros. Ao final do Módulo 3, o Facebook receberá em sua sede, em São Paulo, um grupo de corretores para  uma verdadeira imersão em suas plataformas – Facebook e Instagram.  Além disso, os corretores que concluírem o curso contarão com um consultor digital, que estará à disposição, via Facebook Messenger, para orientar e tirar as principais dúvidas, garantindo que os principais objetivos das campanhas de mídia sejam alcançados.

“Acreditamos muito no valor dos corretores e queremos que nossos parceiros desenvolvam seu negócio, e cresçam com a Liberty. Apoiar o corretor para ingressar no mundo digital e utilizar o online a seu favor é um tema muito importante para nós. Desde 2015, a Liberty investe em treinamentos de mídias sociais para captação e fidelização de clientes. A Academia Digital reúne três anos de feedback dos nossos parceiros, além de incentivos para nossos corretores desenvolverem suas campanhas nas mídias sociais gerando resultados para o seu negócio” comenta Patricia Chacon, Diretora de Marketing e Estratégia da Liberty Seguros.

A ação foi cocriada junto à CUBOCC, que lidera a comunicação digital da Liberty Seguros.

Generali recebe mais de 100 parceiros de negócios no Acampamento Farroupilha 4952

Head para a América Latina e diretores da companhia prestigiaram momento

O Piquete Adesbam no Acampamento Farroupilha foi o palco para a Generali receber mais de uma centena de corretores de seguros nas festividades da Capital gaúcha na quarta-feira (12). Os parceiros de negócios foram recebidos pelo Head para a América Latina da companhia Nery Silva, pelo Diretor de Canais Tradicionais João Bosco Medeiros, o Diretor Comercial Rafael Alquati e o executivo principal no Rio Grande do Sul Fabricio Porto.

Churrasco, chimarrão e muita música foram preparados para os convidados. Para Nery Silva, a importância do encontro de confraternização e a adesão plena de corretores das mais longevas cidades é sinal do prestígio da Generali, que tem uma história muita fraterna com os gaúchos, tendo sido, inclusive, a primeira seguradora com expertise internacional a investir no Brasil. Ele também destacou a interlocução efetiva em forma de atendimento do staff da seguradora, citando os diretores e a presença dos presidentes do Sindicato das Seguradoras do Estado Guacir Bueno, e do Sindicato dos Corretores do mesmo, Ricardo Pansera.

Fotos: Filipe Tedesco/JRS

Aon lança programa exclusivo de prevenção e combate ao câncer 2104

Saúde

Objetivo do movimento é fomentar a conscientização sobre a doença e reduzir seus impactos na vida das pessoas

Atualmente, o termo saúde é definido como bem-estar físico, psíquico e social da pessoa. Indo ao encontro desse conceito, o estudo Tendências Globais de Custos de Saúde 2018, realizado pela Aon, aponta que grande parte das doenças poderia ser evitada com medidas de prevenção e adoção de hábitos saudáveis.

Partindo dessas premissas, a Aon, em parceria com a PreviNEO, lança o OnPrev, Programa de Prevenção Oncológica, como parte do Movimento Aon pela Vida. O objetivo é fomentar a conscientização sobre os cinco tipos de câncer mais comuns no Brasil – pulmão, próstata, mama, útero e cólon. Com ações de prevenção e acompanhamento na adesão ao tratamento da doença, tanto de colaboradores da Aon, como de clientes, a iniciativa visa diminuir a sinistralidade e reduzir os custos com os planos de saúde por conta da patologia.

“Acreditamos muito no potencial transformador do ONPREV, que já apresenta números expressivos antes mesmo do seu lançamento oficial. Estamos implementando o programa para os nossos 1.800 colaboradores e também em mais cinco grandes clientes de diferentes indústrias, totalizando mais de 50 mil vidas assistidas. A ideia é sempre ressaltar a importância da prevenção e promoção da saúde”, destaca Marcelo Munerato, CEO da Aon Brasil.

Segundo o relatório da Aon, Tendências Globais de Custos de Saúde 2018, o câncer foi a patologia que mais gerou despesas para os planos de saúde em 68% dos 98 países participantes. A proporção de custos do estágio mais avançado, em comparação com o inicial, é 10 vezes maior, além de todo o impacto social, psicológico, econômico e humano. Além disso, com base na gestão de cerca 3 milhões de vidas e nas ferramentas internas, a empresa identificou que as 5 condições que mais contribuíram para afastamento nas companhias brasileiras foram obesidade, saúde mental, causas osteomusculares, doenças crônicas e o câncer.

“Prezar pela qualidade de vida das pessoas está no DNA da Aon. O OnPrev vai ao encontro dessa característica, pois ele deixa de cuidar apenas da doença e passa a olhar para as vidas dos indivíduos e de seus familiares. Os principais resultados almejados são a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer que, em seu estágio inicial, tem grandes possibilidades de cura”, afirma Dra. Silvia Cristina Prinholato, gerente Médica da Aon Brasil.

Segundo dados da Agência Internacional Para Pesquisa do Câncer (IARC), a doença ocasiona 225 mil mortes por ano, sendo 87 mil somente na população economicamente ativa. O levantamento mostra ainda que, entre 2018 e 2019, 1,2 milhão de novos casos devem surgir.

De acordo com a mais recente edição da Pesquisa de Benefícios da Aon, a assistência médica é o benefício com maior prevalência nas empresas, já que 99,8% das companhias pesquisadas oferecem seguro saúde aos seus colaboradores. Entretanto, a falta de sustentabilidade fez com que, entre 2016 e 2017, 70% das companhias redesenhassem seu benefício saúde, já que para cerca de 36% das companhias, a assistência médica representa de 5% a 10% da folha de pagamento.

“A incidência do câncer nas vidas gerenciadas pela Aon é de 0,2%. A estimativa é que o OnPrev diminua em 5,6% a utilização do plano de saúde. Considerando os custos indiretos do adoecimento, é possível chegar à economia de R$ 476.000 anuais para uma empresa com 1.000 vidas seguradas”, conclui Prinholato.

O OnPrev possui quatro pilares. O primeiro é composto por um sistema de diagnóstico online, onde todos preenchem um questionário com informações pessoais. De acordo com as respostas, as pessoas serão divididas em grupos e terão uma comunicação focada com cada perfil. Esse seria o segundo momento.

Na terceira fase, são realizadas abordagens personalizadas para cada indivíduo que tiver risco médio ou alto, com a finalidade de descobrir se existe o risco da doença ou algum tipo de manifestação. Por fim, na quarta etapa, o corpo de profissionais médicos da Aon realiza o acompanhamento caso a caso para adesão completa, se necessário, as medidas de prevenção.