Generali recebe mais de 100 parceiros de negócios no Acampamento Farroupilha 4955

Head para a América Latina e diretores da companhia prestigiaram momento

O Piquete Adesbam no Acampamento Farroupilha foi o palco para a Generali receber mais de uma centena de corretores de seguros nas festividades da Capital gaúcha na quarta-feira (12). Os parceiros de negócios foram recebidos pelo Head para a América Latina da companhia Nery Silva, pelo Diretor de Canais Tradicionais João Bosco Medeiros, o Diretor Comercial Rafael Alquati e o executivo principal no Rio Grande do Sul Fabricio Porto.

Churrasco, chimarrão e muita música foram preparados para os convidados. Para Nery Silva, a importância do encontro de confraternização e a adesão plena de corretores das mais longevas cidades é sinal do prestígio da Generali, que tem uma história muita fraterna com os gaúchos, tendo sido, inclusive, a primeira seguradora com expertise internacional a investir no Brasil. Ele também destacou a interlocução efetiva em forma de atendimento do staff da seguradora, citando os diretores e a presença dos presidentes do Sindicato das Seguradoras do Estado Guacir Bueno, e do Sindicato dos Corretores do mesmo, Ricardo Pansera.

Fotos: Filipe Tedesco/JRS

Neo Executiva reúne entidades de Oficiais de Justiça em Gramado (RS) 1512

Empresa atinge a marca de mais de 21 mil segurados 

A Neo Executiva promoveu no último final de semana a 2° Integração Nacional das Entidades de Oficiais de Justiça (INEOJ) na cidade de Gramado, na Serra gaúcha. O encontro reuniu representantes de entidades de 14 Estados brasileiros, todos vinculados a Federação dos Oficiais de Justiça Estaduais do Brasil, a FOJEBRA, e clientes da corretora.

Recentemente a empresa atingiu a marca de mais de 21 mil segurados pelo país, quase duplicando a quantidade de clientes em menos de dois meses. “Buscamos isso com muito trabalho, dedicação e empenho. Ampliamos a nossa área de atuação com escritórios novos e a parceria que fizemos com órgãos estratégicos, assim, seguimos ampliando exponencialmente o atendimento”, explica o diretor Zênio Costa.

Além disso, a Neo Executiva atingiu um bilhão em garantia segurada entre os Oficiais de Justiça e possui clientes em mais de mil municípios do país. “O Brasil é muito grande, e mesmo assim procuramos estar em todos os lugares que conseguimos, já estivemos no Pará, por exemplo, em comarcas que tinham 950 km de distância da Capital”, conta o diretor Luis Henrique Bueno. O momento contou com a presença do presidente da FOJEBRA, Edvaldo Lima, e do presidente da ABOJERIS (Associação dos Oficias de Justiça do Rio Grande do Sul), Sirlan da Rosa Cruz, além de outros representantes da categoria e de seguradoras.

Gramado foi escolhida para reunir o grupo de mais de 50 pessoas para levar os participantes e clientes da Neo a um lugar diferente. “É uma cidade bonita e receptiva, todos tinham vontade de conhecer e nada melhor do que fazer essa recepção num lugar como esse”, comenta. “Foi uma logística trabalhosa, mas muito gratificante de receber nossos clientes em um momento de comemoração de um trabalho que é feito diariamente”, acrescenta a coordenadora de treinamento da Neo, Júlia Fetter Bueno, responsável por toda a organização do INEOJ.

Fotos: Matheus Henrique Pé/JRS

Icatu Seguros é a empresa com clientes mais satisfeitos no País 1514

Divulgação

Levantamento é do Instituto MESC

Especialista em pessoas, a Icatu Seguros foi eleita a empresa com os clientes mais satisfeitos em todo o País nos segmentos de Vida, Capitalização e Previdência. O ranking elaborado pelo Instituto MESC avaliou 35 empresas do mercado segurador, a partir da opinião de mais de 15,5 mil clientes. Em 2017, a Icatu havia conquistado o segundo lugar neste prêmio e, desta vez, ficou à frente inclusive de grandes instituições financeiras.

O prêmio foi entregue na última segunda-feira, dia 10 de setembro, em São Paulo. Para a superintendente de Canais de Relacionamento da Icatu, Tatiana Ambrósio, o resultado mostra o grande investimento que a companhia tem feito para entender e aprimorar a jornada do cliente na empresa.

“Somos uma seguradora de pessoas e o cliente é o foco do nosso negócio. Nos últimos cinco anos, passamos a estudar melhor o índice de satisfação do cliente, promovendo pesquisas e adotando a metodologia Net Promoter Score (NPS). Ao mensurar o grau de lealdade e satisfação, temos a oportunidade de ajustar processos, avaliar produtos e melhorar sua experiência”, explica ela.

Há um outro detalhe especial que contribui para este resultado, segundo Tatiana: a Icatu Seguros também foi escolhida pelo quarto ano consecutivo como uma das melhores empresas para trabalhar no Brasil, no ranking Great Place to Work. “O bom ambiente de trabalho e o clima organizacional estão intimamente ligados ao atendimento e satisfação do cliente e ao crescimento da companhia”, afirma a superintendente.

Critérios

O Ranking das Melhores Empresas em Satisfação do Cliente do Instituto MESC avalia 42 segmentos de mercado. Ano passado, a Icatu foi a segunda colocada na categoria Seguros Gerais, competindo inclusive com companhias de seguros de veículo e saúde. Desta vez, o Instituto criou a categoria Seguros de Vida, Capitalização e Previdência.
A pesquisa foi realizada entre março de 2017 e abril de 2018, utilizando a metodologia do Pentagrama da Satisfação do Cliente, que apresenta confiança estatística de 98%. Os entrevistados foram questionados sobre Valor, Atendimento e Execução de 35 empresas. Com Índice de Satisfação do Cliente superior a 60%, 23 delas passaram para a segunda fase e a partir daí tiveram suas práticas criteriosamente auditadas pela equipe do Instituto MESC.

Marsh adquire JLT por £ 4,3 bi 1193

Marsh JLT

Corretora global agora possui US$ 17 bilhões de receita anual

A gestora americana de riscos e seguros Marsh & McLennan Cos. chegou a um acordo para comprar a Jardine Lloyd Thompson (JLT), sediada no Reino Unido, por 4,3 bilhões de libras (US$ 5,66 bilhões). A informação é da Revista Exame.

A companhia resultante será uma corretora global, com US$ 17 bilhões de receita anual. O acordo foi anunciado nesta terça-feira, avaliando cada ação da JLT em 1,915 pence, um prêmio de 34% em relação a seu preço de fechamento da segunda-feira, na Bolsa de Londres.

Listada em Nova York, a Marsh & McLennan disse que o negócio fortalecerá suas operações e expandirá sua rede global de resseguros, apoiando sua posição em mercados importantes na Ásia e na América Latina. A Marsh & McLennan afirmou também que sua receita deve avançar a cerca de US$ 17 bilhões após o acordo, de cerca de US$ 14 bilhões atualmente.

Segundo a empresa, o negócio deve ser concluído na primavera de 2019 no Hemisfério Norte, que começa em março. Ele depende ainda de aprovação dos acionistas e reguladores.

10 dias para o fim das inscrições para os Prêmios Longevidade Bradesco Seguros 681

Longevidade

Interessados têm até 28 de setembro para enviar trabalhos

Consolidada como uma das mais destacadas iniciativas voltadas à difusão e discussão do tema longevidade em âmbito nacional, os Prêmios Longevidade Bradesco Seguros chegam à sua oitava edição em 2018 contemplando as categorias de Jornalismo, Histórias de Vida e Pesquisa, esta última voltada à comunidade acadêmica. As inscrições podem ser feitas até 28 de setembro neste endereço.

Os três primeiros colocados nas categorias de Jornalismo e Histórias de Vida e os dois primeiros de Pesquisa em Longevidade receberão prêmios, além de troféus e certificados. A cerimônia de entrega ocorrerá durante o XIII Fórum da Longevidade Bradesco Seguros, que reunirá especialistas e convidados nacionais e internacionais em novembro de 2018, na cidade de São Paulo.

“Nosso principal objetivo é difundir trabalhos que demonstrem a importância e os impactos da longevidade nas diferentes esferas da vida. Se vamos viver mais, temos que nos preparar para aproveitar esse bônus de longevidade da melhor forma possível, com saúde, bem-estar e planejamento financeiro”, destaca o diretor do Grupo Bradesco Seguros, Alexandre Nogueira.

Desde a primeira edição, os Prêmios Longevidade Bradesco Seguros contam com a consultoria do médico e pesquisador em saúde pública Alexandre Kalache, ex-diretor do Departamento de Envelhecimento e Saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS) e uma das maiores autoridades internacionais em gerontologia.

Categorias e modalidades

Prêmio Longevidade de Jornalismo

Em reconhecimento à importância da imprensa como formadora de opinião e difusora de conhecimento, a premiação busca estimular a elaboração de trabalhos jornalísticos que tratem o tema da longevidade com criatividade, contemplando duas modalidades: “Mídia Impressa” (jornais e revistas) e “Mídia Digital” (TV, rádio e web). Estão habilitados a concorrer matérias, artigos ou outros trabalhos de cunho jornalístico veiculados no período de 5/9/2017 a 28/9/2018. Os vencedores em primeiro, segundo e terceiro lugares de cada modalidade receberão troféus, certificados e prêmios nos valores de R$ 10 mil, R$ 5 mil e R$ 3 mil, respectivamente (a serem pagos mediante carga inicial e única em cartão de débito nominal ao premiado, sem função de saque, para aquisição de produtos ou serviços).

Prêmio Longevidade Histórias de Vida

Aberto à participação de maiores de 18 anos de idade, tem como principal objetivo reconhecer e estimular a transmissão de conhecimento entre gerações, incentivando o relato de histórias que, de alguma forma, contribuam para disseminar o conceito de longevidade com qualidade de vida e bem-estar. O primeiro, segundo e terceiro colocados receberão troféus, certificados e prêmios nos valores de R$ 5 mil, R$ 3 mil e R$ 1 mil, respectivamente (a serem pagos mediante carga inicial e única em cartão de débito nominal ao premiado, sem função de saque, para aquisição de produtos ou serviços).

Prêmio Pesquisa em Longevidade

Direcionado à comunidade acadêmica, é composto pelas modalidades “Geriatria” e “Gerontologia”. Somente estão habilitados a concorrer projetos de pesquisa desenvolvidos no âmbito acadêmico, aprovados por agências de fomento nacionais e/ou estaduais nas áreas de conhecimento existentes nessas agências no período de 1º/1/2008 a 28/9/2017 e que remetam ao tema longevidade no sentido amplo. Os vencedores em primeiro e segundo lugares de cada modalidade receberão troféus, certificados e prêmios nos valores de R$ 10 mil e R$ 5 mil, respectivamente (a serem pagos mediante carga inicial e única em cartão de débito nominal ao premiado, sem função de saque, para aquisição de produtos ou serviços).

Viva a Longevidade

Os Prêmios Longevidade fazem parte de um conjunto de ações mais abrangentes desenvolvidas pelo Grupo Bradesco Seguros desde 2006, com o intuito de difundir a importância de conquistar um envelhecimento ativo e saudável.

Além do “Fórum da Longevidade”, as iniciativas incluem ainda o “Circuito da Longevidade”, que já reuniu, desde 2007, mais de 400 mil participantes, em corridas e caminhadas nas principais cidades do país; o “Programa Porteiro Amigo do Idoso”, lançado em 2010 para capacitar porteiros a oferecer melhores serviços aos idosos, e que já treinou mais de 3,5 mil profissionais em bairros do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo; o movimento “Conviva”, que visa incentivar a convivência harmoniosa entre ciclistas, motociclistas, motoristas e pedestres, englobando, entre outras ações, a Ciclo Faixa de Lazer de São Paulo; e o “Programa Juntos pela Saúde”, conjunto de ações lançado em 2006 com o objetivo de estimular ações de promoção da saúde.

Estudo mostra desafios e oportunidades de empresas e empreendedores no Brasil 576

Negócios

Levantamento aponta inovação como uma necessidade estratégica para manter vantagem competitiva no longo prazo

Entre os empreendedores que já tiveram alguma experiência com corporate venture, 56% afirmam ter resultado positivo com esse tipo de iniciativa, segundo “Corporate Venture: desafios e oportunidades no Brasil”, levantamento elaborado pela EY-Parthenon, a Endeavor e a Cátedra Insper-Endeavor. A pesquisa contou com a participação de aproximadamente 300 empreendedores brasileiros e mostrou que 46% dos entrevistados citaram a aceleração e/ou incubação como um dos formatos mais comuns entre as iniciativas de colaboração.

As grandes empresas que oferecem iniciativas de engajamento buscam cada vez mais se aproximar do mindset empreendedor, complementar a ativação nos seus negócios, ter um retorno financeiro sustentável, além de atrair novos profissionais. “Neste estudo, entendemos corporate venture como qualquer esforço de uma corporação para criar novas iniciativas empreendedoras (entrepreneurial ventures) e isso pode ocorrer usando recursos internos ou através de programas com interação com os empreendedores. O ponto de partida é a constatação de que a inovação é uma necessidade estratégica para a manutenção da vantagem competitiva no longo prazo”, afirma Luis Felipe Franco, head de aceleração da Endeavor. “Por essa razão, as empresas devem continuamente investir na busca por inovações, assumindo uma posição empreendedora e, portanto, de protagonismo no desenvolvimento dos seus mercados”, complementa.

Se o engajamento entre empreendedor e empresa for bem-sucedido, ambos reduzem suas vulnerabilidades e aumentam suas vantagens competitivas. Mundialmente, o número de transações de corporate venture mais que triplicou desde 2009, com investimentos ultrapassando US$ 31 bilhões em 2017. Há diferentes motivos para buscar parcerias com empreendedores, assim como diversas estratégias para concretizá-las. “Conversar com outros empreendedores que participaram de programas de aceleração ou que receberam investimentos, compartilhar essa visão entre todos os sócios e definir de forma clara e alinhada qual o objetivo da parceria, levando em conta as implicações e riscos potenciais, estão entre os motes para os empreendedores, afirma Eduardo Tesche, gerente sênior da EY-Parthernon no Brasil.

“Embora o corporate venture tenha potencial de gerar benefícios para empresas e empreendedores, constatamos um enorme ruído em muitas das parcerias estabelecidas no Brasil. As empresas e os empreendedores, por vezes, estruturam arranjos frágeis e instáveis em função do desalinhamento entre as partes. O resultado mais comum é a falha das parcerias e o fim precoce das iniciativas de engajamento com os empreendedores”, observa Guilherme Fowler, professor do Insper e um dos autores do estudo.

E mais: Veja o levantamento na íntegra.